WriterAccess Humanizer: onde conteúdos por IA encontram autenticidade

A Inteligência Artificial é uma ferramenta poderosa para um cenário digital onde o conteúdo é rei. O problema é que, nessa corrida de conteúdos gerados em massa por IA, a alma do storytelling pode acabar se perdendo. 

Em pesquisa recente, 84% dos profissionais de marketing afirmam que a IA impactou suas estratégias de SEO. Isso, somado às recentes atualizações do Google sobre qualidade de conteúdo, faz com que a autenticidade se torna mais essencial do que nunca.

É por isso que criamos um serviço projetado especificamente para dar vida ao conteúdo gerado por IA e garantir que ele se conecte tanto com os algoritmos de busca quanto com os corações humanos: WriterAccess Humanizer

Neste post, vamos explorar funciona esse novo recurso da WriterAccess, nossa plataforma de conteúdos, e os problemas que ele ajuda a resolver.

As lacunas do conteúdo gerado por IA

Embora o conteúdo gerado por IA seja cada vez mais comum, sabemos que não é capaz de trazer a mesma profundidade e autenticidade que uma produção humana. Alguns elementos ajudam a identificar essa diferença entre os dois tipos de conteúdo, como você confere a seguir.

Conteúdo superficial

A Inteligência Artificial tende a fornecer visões gerais, baseadas no conhecimento comum. Dessa forma, não oferece análises aprofundadas, ideias originais ou novas perspectivas.

Linguagem artificial

O conteúdo gerado por IA pode conter expressões dramáticas ou até mesmo clichês, lembrando roteiros de “filme B”.

Escrita padronizada

Observamos com certa frequência um padrão repetitivo no tamanho e estilo dos parágrafos, levando a uma leitura monótona.

Redundância

A Inteligência Artificial costuma reiterar as ideias. Com isso, o conteúdo pode parecer redundante para os usuários, afetando a experiência.

A consequência disso tudo é que o conteúdo gerado por IA, por vezes, não consegue se conectar genuinamente com as emoções e experiências humanas. O resultado pode sair com tom frio, impessoal e, bem… robótico. Embora seja especialista em imitar estruturas e palavras-chave, a IA não é capaz de criar com a profundidade, criatividade e aspectos emocionais dos redatores humanos.

Os riscos do conteúdo gerado por IA

Elencamos os problemas relacionados ao conteúdo elaborado por IA do ponto de vista do estilo. Mas também é preciso considerar outro aspecto fundamental para as empresas: os resultados de negócios que chegam por meio de conteúdo que agrada e engaja o público-alvo.

Como as metas do marketing de conteúdo geralmente envolvem o alcance das publicações e atração de público, é necessário contar com um bom SEO ou um investimento consistente em mídia paga — e claro, aqui preferimos o SEO!

Sabemos que o Google e seu algoritmo está sempre evoluindo, mas uma característica permanece: o conteúdo deve ser envolvente e útil para quem lê (ou seja, os humanos). É por isso que, além de otimizar todos os elementos relacionados ao SEO on-page e off-page, devemos prezar pela qualidade e humanização do conteúdo.

O Google anunciou uma grande atualização em 5 de março de 2024, com o objetivo de reduzir o conteúdo não-original e de baixa qualidade em 40%. Como resultado, vários sites perderam tráfego e alguns foram completamente desindexados. Não coincientemente, o estudo da Originality AI apontou que 100% dos sites afetados tiveram alguns posts gerados por Inteligência Artificial.

Com o aumento do uso da IA para criação de conteúdo, a atualização do Google no sentido de priorizar conteúdo útil para leitores humanos era esperada. Mas sua empresa está preparada para correr o risco de perder todo o tráfego orgânico de seu site sem aviso prévio?

Nossa solução: combinar a IA com um toque humano

Você não precisa abandonar de vez a IA na sua estratégia de conteúdo. Nós podemos ajudar. 

O WriterAccess Humanizer representa um novo capítulo em nossos serviços de criação de conteúdo, unindo a eficiência da IA com a criatividade humana.

O objetivo desse novo serviço, oferecido em nossa plataforma de conteúdo, é combinar a criação de conteúdo por IA (que pode ser feita na ferramenta que você preferir) com a edição humana com nossos criadores de conteúdos freelancers, treinados especificamente para isso. 

Queremos te ajudar a aprimorar o conteúdo gerado por IA com a sutileza e as nuances que somente a experiência humana pode fornecer. Com esse serviço, conseguimos atender à necessidade de conteúdo gerado por IA, reduzindo o risco e oferecendo um excelente custo-benefício.

WriterAccess Humanizer: foco na autenticidade

A personalização é fundamental para se destacar em um mundo saturado por conteúdos mediocres. Seja sua empresa uma startup ou multinacional, o Humanizer adapta o conteúdo para transmitir a voz única da marca, garantindo que sua mensagem seja lembrada pelo público.

O Humanizer nasceu do desejo de elevar o conteúdo gerado pela IA a um novo patamar, que vai além das estratégias básicas de palavra-chave e SEO. Então, por que continuar produzindo conteúdo genérico quando você pode criar algo autêntico?

Sem espaço para fake news

Sabemos que a IA pode ter algumas alucinações ou, até mesmo, inventar informações. Por exemplo, o chatbot Bard do Google afirmou certa vez que o Telescópio Espacial James Webb tinha capturado as primeiras imagens do mundo de um planeta fora do nosso sistema solar, o que estava incorreto. A resposta do Bard pareceu convincente e alinhada com o comando inserido, mas foi desmentida após a verificação dos fatos.

Prevenir a criação de conteúdo falso ou desatualizado por tecnologias generativas é uma tarefa difícil. Ainda que, no futuro, a IA possa ser capaz de resolver esse problema, os modelos de linguagem atuais são projetados para criar frases prevendo a probabilidade de ocorrência de determinadas sequências. 

Ou seja, não é levado em consideração se as afirmações geradas são verdadeiras ou não.

Na era da desinformação, a verdade é o seu maior diferencial, e o WriterAccess Humanizer ajuda as empresas que dependem da IA para criar conteúdo. 

Nossos editores humanos verificarão os fatos relatados no seu conteúdo para garantir que ele seja confiável, além de atrativo para seu público! Em outras palavras, proporcionamos à sua marca uma verificação humana rigorosa, garantindo conteúdos verdadeiros.

Uma interface simples e rápida

O Humanizer impressiona pela sua simplicidade. Os clientes carregam seu conteúdo gerado por IA e nossos especialistas humanos cuidam de tudo.

Você pode esperar receber seu primeiro rascunho em menos de 2 dias e solicitar revisões adicionais conforme necessário. Aprimoramos os textos gerados por IA graças aos nossos editores humanos qualificados, que garantem conteúdos aderentes à marca, com fatos precisos e narrativas que engajam.

Esse processo agiliza a criação de conteúdo e melhora a qualidade das publicações. Assim, oferecemos às marcas uma vantagem competitiva e uma ferramenta útil para os profissionais de marketing.

Conclusão

O WriterAccess Humanizer é o elo que faltava entre a eficiência da IA e a conexão humana. À medida que o marketing de conteúdo evolui com o uso da Inteligência Artifical, o Humanizer combina tecnologia com visão humana, garantindo que seu conteúdo não apenas informe, mas também inspire!

[Nova pesquisa] Personalização é o segredo para dominar o marketing de conteúdo em 2024

Se o mundo digital é uma arena de batalha, o conteúdo é uma arma poderosa. Mas há um detalhe importante: as pessoas estão mais exigentes do que nunca! Seus momentos de atenção são mais curtos, e os motores de busca estão dando prioridade ao “conteúdo útil” como nunca antes.

Isso significa que sua estratégia de conteúdo precisa de uma grande revisão, e a personalização é o segredo para desbloquear todo o seu potencial.

Este artigo é o primeiro de uma série que destaca as descobertas mais importantes do State of Marketing Report de 2024, um estudo abrangente conduzido por líderes do mercado como HubSpot, Litmus, Rock Content e Search Engine Journal.

Hoje, vamos nos aprofundar no futuro do marketing de conteúdo, um futuro onde a personalização é soberana.

Resumo

O problema: uma crise de conteúdo em um mercado saturado

  • A atenção do público dura pouco e o conteúdo genérico se confunde com o restante.
  • Os motores de busca priorizam “conteúdo útil” que atende à intenção do usuário.
  • Muitos profissionais de marketing têm dificuldade em gerar ideias novas de conteúdo e em obter engajamento.

A solução: personalização é a chave

  • Conheça seu público: faça pesquisas, analise conversas nas redes sociais e baseie-se em métricas do site para descobrir suas necessidades e interesses.
  • Mapeamento de conteúdo: com base em sua pesquisa, crie um plano com temas, formatos e canais que geram identificação com seu público.
  • Pesquisa de palavras-chave com um toque pessoal: direcione palavras-chave de cauda longa que demonstrem intenção específica do usuário.

Personalização gera engajamento

  • Títulos e conteúdo genéricos são ignorados.
  • Títulos personalizados que abordam necessidades específicas chamam atenção.
  • Conteúdo personalizado ao longo do texto (exemplos, soluções) resulta em maior engajamento (cliques, compartilhamentos, comentários).

Conteúdo personalizado atrai o tráfego certo

  • Palavras-chave abrangentes atraem um público geral, não necessariamente consumidores interessados.
  • Conteúdo personalizado segmenta grupos específicos dentro do seu público (por exemplo, esportistas iniciantes ou experientes).
  • Isso atrai leads qualificados que já estão interessados no que você tem a oferecer.

Atendendo às expectativas E-E-A-T do Google

  • A atualização de março de 2024 do Google prioriza conteúdo útil e informativo que demonstra expertise (E-E-A-T).
  • Conteúdo personalizado se alinha naturalmente com o E-E-A-T porque aborda as necessidades de um público específico.
  • Isso aumenta as chances de seu conteúdo se posicionar bem nos resultados de busca.

Alcançando seu público: a personalização se destaca em meio ao ruído

  • Segmentação de conteúdo: divida seu público em grupos e personalize o conteúdo para cada um.
  • Conteúdo dinâmico: utilize ferramentas do site para entregar conteúdo com base no comportamento do usuário.
  • Personalização de email marketing: personalize assunto, saudações e recomendações de conteúdo.

Desbloqueando a geração de leads: personalização converte

  • Conteúdo genérico não consegue se conectar com o público e convertê-lo em leads.
  • Conteúdo personalizado que aborda seus problemas e oferece soluções promove confiança e prepara o terreno para a conversão.
  • CTAs claros: diga ao público o que fazer em seguida (inscrever-se, visitar a página do produto, contatar vendas).
  • Iscas para leads: ofereça recursos para download (ebooks e outros materiais) em troca de informações do usuário.
  • Landing pages personalizadas: certifique-se de que as landing pages sejam consistentes com o conteúdo e ofereçam um caminho claro para a conversão.

A urgência da personalização: o futuro do marketing de conteúdo

  • Ao priorizar as necessidades do seu público e criar conteúdo que gere identificação com ele em um nível pessoal, você alcançará seus objetivos de marketing.
  • Crie conteúdo que toque diretamente nos corações e mentes de seu público. O futuro do marketing de conteúdo é pessoal.

A crise de ideias de conteúdo: entender seu público é a resposta

Imagine esta situação: você entra em um mercado lotado, sobrecarregado por uma sinfonia incessante de gritos e vendedores disputando sua atenção. Todos parecem estar vendendo os mesmos produtos genéricos, seus discursos se misturando em um ruído indistinguível. Infelizmente, isso é uma metáfora para o estado atual do conteúdo online.

O relatório State of Marketing de 2024 revela uma verdade alarmante: o maior obstáculo para os profissionais de marketing é a criação de ideias de conteúdo. Surpreendentemente, 16% dos entrevistados têm dificuldade em encontrar ideias para novos conteúdos. Mas a solução não está em forçar temas aleatórios ou recorrer a estratégias sensacionalistas. A resposta está em entender seu público-alvo: suas necessidades, desejos, dores e aspirações.

Ao criar conteúdo que aborda suas preocupações específicas diretamente, você vai gerar um fluxo constante de ideias relevantes e envolventes.

Pense nisso assim: em vez de gritar características genéricas do produto no mercado lotado, você identifica um cliente com um problema específico e oferece a ele uma solução direcionada. De repente, sua voz se destaca no meio do ruído, e você tem toda a atenção dele.

Veja como a personalização pode ajudar você a superar essa crise de ideias de conteúdo:

  • Pesquisa de público: Realize pesquisas, analise conversas nas redes sociais e aproveite as métricas do seu site para obter insights aprofundados sobre seu público-alvo. Quais são seus interesses? Que perguntas eles continuam fazendo? Quais desafios eles enfrentam?
  • Mapeamento de conteúdo: Com base em sua pesquisa de público, crie um mapa de conteúdo que detalhe tópicos, formatos e canais de distribuição que ressoem com eles.
  • Pesquisa de palavras-chave com um toque pessoal: Não confie apenas em palavras-chave generalistas. Procure por termos de cauda longa que demonstrem intenção de usuário específica. Esses “micro-nichos” apresentam oportunidades de ouro para criar conteúdo altamente personalizado.

O enigma do engajamento: personalização gera interação

Conteúdo genérico é ignorado e ponto final. Ele se mistura ao ruído de fundo do mercado digital, incapaz de capturar a atenção ou gerar qualquer resposta significativa. Já o conteúdo personalizado que atende diretamente às necessidades de seu público gera ação.

O relatório State of Marketing destaca outro desafio importante para os profissionais de marketing: criar conteúdo que receba altos níveis de engajamento online. Surpreendentemente, 16% dos entrevistados lutam com esse aspecto. Aqui é onde a personalização entra em ação.

Imagine que você cria um blog post chamado “5 maneiras de melhorar suas habilidades culinárias em casa”. Esse título genérico pode atrair alguns cliques, mas ele carece da personalização necessária para realmente engajar. Agora, considere estas alternativas:

  • “Eleve o nível dos jantares da semana: 5 receitas fáceis e deliciosas para profissionais ocupados” (direcionado a profissionais ocupados)
  • “Domine a arte da confeitaria: um guia para iniciantes na criação de doces perfeitos” (direcionado a iniciantes em confeitaria)
  • “Saudáveis e econômicas: 5 ideias de preparo de refeições acessíveis para entusiastas da saúde” (direcionado a pessoas preocupadas com a qualidade de vida)

Esses títulos personalizados capturam imediatamente a atenção do leitor porque abordam necessidades e interesses específicos. Essa abordagem personalizada continua ao longo do próprio conteúdo. Você utiliza exemplos relevantes, aborda dores comuns dentro desse segmento e oferece soluções adaptadas à situação específica deles.

O resultado é um maior engajamento na forma de cliques, compartilhamentos, comentários e até mesmo mensagens diretas de leitores interessados.

Leia também: Como criar conteúdo que ranqueia no Google em 2024

O triunfo no tráfego: o poder da atração personalizada

Os dias de depender de palavras-chave generalistas para atrair visitantes para o site estão ficando para trás. Os motores de busca estão se tornando cada vez mais sofisticados, priorizando conteúdo que não apenas corresponde às consultas de pesquisa, mas também demonstra relevância para a intenção do usuário.

A personalização possibilita direcionar seu conteúdo para segmentos específicos do público. Esse foco preciso atrai o tipo certo de tráfego: potenciais clientes que já estão interessados no que você tem a oferecer.

Imagine que você é uma empresa que vende equipamentos voltados para trilhas. Usar uma palavra-chave genérica como “tênis de caminhada” pode atrair um público amplo, incluindo caminhantes casuais e até fashionistas procurando calçados modernos.

Mas ao personalizar seu conteúdo, você pode segmentar para grupos específicos dentro da comunidade de entusiastas da caminhada.

  • Crie conteúdo para caminhantes experientes: Foque em análises técnicas de equipamentos, recomendações de trilhas desafiadoras e dicas para técnicas avançadas.
  • Desenvolva conteúdo para iniciantes: Guias de equipamentos para compras pela primeira vez, dicas sobre como escolher as trilhas certas e informações essenciais de segurança.
  • Atenda a interesses específicos dos entusiastas por trilhas: Crie conteúdo para mochileiros, caminhantes de um dia ou demais interessados em aventuras específicas como escalada em montanha ou caminhadas no deserto.

Essa abordagem direcionada atrai leads qualificados. Eles já estão interessados em trilhas e estão ativamente buscando informações relevantes para suas necessidades específicas. Ao oferecer conteúdo valioso e personalizado, você se estabelece como uma fonte confiável e aumenta as chances de convertê-los em clientes fiéis.

Como seu conteúdo pode atender às expectativas de E-E-A-T do Google

A atualização de março de 2024 do Google enfatiza a priorização de conteúdo que seja útil, informativo e demonstre expertise.

Esse foco na qualidade se alinha perfeitamente com o conceito de marketing de conteúdo personalizado. Quando você cria conteúdo que aborda as necessidades específicas e dores de um público específico, está essencialmente criando peças informativas e úteis.

O algoritmo do Google provavelmente favorecerá esse conteúdo personalizado, pois ele demonstra uma compreensão mais aprofundada do tema e atende diretamente à intenção do usuário. Ao priorizar a personalização, você não está apenas criando conteúdo que gera identificação com seu público, mas também criando conteúdo que atende aos fatores de classificação em constante evolução do Google.

Aliás, já adiantei os possíveis impactos nos rankings de resultados de conteúdo, dependendo de como você cria o conteúdo.

Agora é a hora de agir dentro da janela de 2 meses oferecida pelo Google para garantir que você esteja criando conteúdo humano que seja confiável, que gera autoridade e é realmente útil para seu público. A base E-E-A-T (Experience, Expertise, Authoritativeness, Trust) é mais importante do que nunca.

Aqui estão as melhores dicas:

  • Nas próprias palavras do Google, “evite criar conteúdo focado apenas em mecanismos de busca”.
  • Elabore um briefing criativo robusto para sua marca e público para personalização do seu conteúdo.
  • Solicite pedidos de profissionais 6 estrelas.
  • Conte com a equipe da WriterAccess para recomendações de talentos dos nossos melhores redatores em cada setor ou nicho.
  • Converse com os redatores antecipadamente em nossa ferramenta de reunião para garantir alinhamento com seu público-alvo.
  • Tenha cuidado com o uso excessivo de conteúdo gerado por IA ou ferramentas de IA.

Os freelancers do WriterAccess são qualificados e estão prontos para criar conteúdo de valor com base nas necessidades da sua marca e público. Em outras palavras, conteúdo que ranqueia!

Alcançando seu público: a personalização se destaca em meio ao ruído

Imagine novamente aquele mercado lotado onde todos estão gritando a mesma mensagem. Os motores de busca estão inundados com conteúdo genérico, tornando difícil para os usuários encontrar o que eles realmente procuram.

A personalização permite que você se destaque do ruído e alcance seu público-alvo diretamente. Ao falar a língua dele e atender às suas necessidades, você se torna um farol que eles não podem ignorar.

Aqui estão algumas técnicas de personalização para alcançar o público certo:

  • Segmentação de conteúdo: Divida seu público em grupos distintos com base em dados demográficos, interesses e comportamento online. Em seguida, adapte seu conteúdo para gerar identificação com cada segmento.
  • Conteúdo dinâmico: Use ferramentas de personalização de sites para oferecer conteúdo que se adapta com base no comportamento e preferências do usuário. Por exemplo, um visitante que retorna pode ver uma postagem de blog diferente de alguém que está fazendo sua primeira visita.
  • Personalização no email marketing: Aproveite os dados do usuário para personalizar assuntos de emails, saudações e recomendações de conteúdo. Isso aumenta o engajamento e a taxa de cliques.

Desbloqueando a geração de leads: personalização converte

Conteúdo que gera identificação gera leads. E o conteúdo genérico muitas vezes falha em se conectar com o público em um nível mais específico, levando a uma desconexão entre conteúdo e conversões.

O relatório State of Marketing também destaca que, para 14% dos entrevistados, criar conteúdo que gera leads é outro desafio considerável. Quando você cria conteúdo personalizado que aborda os problemas específicos do seu público e oferece soluções valiosas, você está nutrindo a confiança e preparando o terreno para a conversão.

Vamos voltar ao exemplo de equipamentos para trilhas. Imagine um cliente em potencial lendo seu post no blog personalizado intitulado “As 5 melhores mochilas para aventuras de fim de semana”. O artigo aborda suas necessidades específicas, oferece análises detalhadas e oferece sugestões claras de compra. Essa abordagem personalizada promove a confiança e o posiciona como um especialista.

Agora, considere estas etapas adicionais para direcioná-los ainda mais pelo funil de conversão:

  • Inclua CTAs claros: Diga ao seu público o que você quer que ele faça em seguida, seja assinar sua newsletter, visitar sua página de produto ou entrar em contato com sua equipe de vendas.
  • Ofereça iscas aos leads: Ofereça materiais valiosos para download, como ebooks, whitepapers ou códigos de desconto em troca de informações do usuário. Isso permite que você capture leads e os nutra com mensagens de marketing direcionadas.
  • Personalize suas landing pages: Garanta que suas landing pages estejam consistentes com o conteúdo que levou o usuário até lá. Reforce a mensagem personalizada e ofereça um caminho claro para a conversão.

Conclusão: a urgência da personalização

O relatório State of Marketing de 2024 pinta um retrato claro: a personalização é o futuro do marketing de conteúdo.

Ao priorizar as necessidades do seu público e criar conteúdo que gera identificação a nível pessoal, você não apenas se destacará em um espaço online sobrecarregado, mas também gerará leads, aumentará o engajamento e alcançará seus objetivos de marketing.

Então, abandone aquela abordagem genérica e comece a criar conteúdo que toque diretamente nos corações e mentes do seu público. O futuro do marketing de conteúdo é pessoal, e está na hora de abraçá-lo.

Como criar uma estratégia de experiência do cliente centrada no mobile?

consumidor brasileiro é o que mais usa dispositivos móveis na jornada de compras, desde a pesquisa até a compra; é isto que aponta o Índice Geral de Compras Digitais, em sua edição mais recente. Esse dado mostra a relevância em pensar em uma experiência do cliente mobile.

Contudo, apesar desses números, as conversões no mobile ainda são menores que as no desktop. Isso não significa, no entanto, que o consumidor não deseja fazer compras em seus dispositivos móveis ou prefere uma tela maior. O motivo reside no fato de que a experiência no mobile ainda é inferior.

Carregamento lento, formulários extensos e uma navegação inadequada frustram os usuários, que têm exigido experiências melhores nos dispositivos móveis, reforçando a ideia de que chegou a hora de construir estratégias para uma experiência do cliente centrada no mobile.

Pensando nos desafios e possibilidades do cliente no mobile, fica claro que as marcas que desejam se destacar têm pontos a melhorar. Neste artigo, separamos as melhores técnicas para criar uma estratégia de experiência do cliente centrada no mobile. Confira!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Conheça seu público-alvo móvel

De acordo com do E-commerce Brasil, 81% dos clientes que já compraram via mobile consideram a praticidade o principal benefício no processo. Contudo, apenas 4 em cada 10 dos entrevistados se sentem seguros nas compras feitas por dispositivos móveis.

Esses dados são gerais, mas já podem auxiliar no processo de conhecer o seu público-alvo no mobile. Além disso, é importante conhecer outros dados relevantes como faixa etária, preferências de compras nestes dispositivos e suas necessidades na jornada de compra também.

Uma questão relevante que deve ser conhecida é a forma como o público deseja ser atendido. Com a praticidade promovida pelas redes sociais, muitos usuários, especialmente os mais jovens, têm a preferência pelo chat. Contudo, para outras faixas etárias, as ligações podem funcionar bem. Portanto, é fundamental conhecer o comportamento do seu público-alvo no mobile.

Design responsivo e mobile-first

Contar com um design responsivo em seu site implica que ele se ajustará automaticamente ao comportamento e ao ambiente do usuário, levando em consideração o tamanho da tela e a plataforma que ele estiver utilizando.

A capacidade de resposta automática significa que você não precisa se preocupar com a origem do tráfego do seu site; assim, você pode simplesmente relaxar e aproveitar as vendas. Além disso, o design responsivo é um fator decisivo dentro das técnicas de otimização SEO.

Outra opção é desenvolver um aplicativo exclusivo para a sua marca. Dessa forma, você pode personalizar o aplicativo para garantir que todos os usuários desfrutem de uma experiência excepcional em seus dispositivos móveis.

Porém, muito do que o ajuste automático do site, há outros pontos que devem ser observados para a melhor experiência do cliente. Entenda a seguir quais são os principais pontos que merecem sua atenção.

Conteúdo

Embora o site tenha um ajuste automático, é válido lembrar que o conteúdo também deve se adaptar aos diferentes tipos de tela. A comunicação deve ser pensada para os diversos dispositivos, mantendo-se alinhada aos princípios da marca. Então, é fundamental que a informação esteja sempre visível, seja de simples entendimento e respeite a hierarquia.

Layout

Depois do conteúdo, o layout também é fundamental para guiar a experiência do cliente mobile. Os elementos-chave do design, tais como menus, botões, tipografia e cores devem apresentar coerência, independentemente da tela nas quais são acessados.

É muito importante que o usuário esteja familiarizado com o site ou aplicativo da marca por meio de uma série de elementos que vão guiar sua experiência. Além disso, é natural que o layout seja mais simples para que não demore a carregar nas telas menores.

CTA

A chamada Call To Action (chamada para a ação) é outro fator determinante no design responsivo e também um desafio. Independentemente do tamanho da tela, é preciso que a CTA se mantenha sempre visível, o que a princípio pode exigir uma série de testes para definir a hierarquia.

Personalização e relevância

Personalização significa utilizar dados e informações dos usuários para criar experiências únicas e adaptadas para cada indivíduo. Isso pode englobar soluções de automação de vendas, como a qualificação e segmentação de leads, o envio de mensagens personalizadas para diferentes etapas do funil de vendas, entre outras estratégias.

Em outras palavras, cabe dizer que a personalização possibilita que as empresas estabeleçam uma conexão mais sólida e individualizada com seus usuários, aumentando as chances de conversão e fidelização.

Com a crescente competição no mercado mobile, a personalização tornou-se um elemento crucial para a aquisição de usuários. Atualmente, as pessoas buscam experiências únicas e personalizadas, e isso não é diferente quando se trata de aplicativos móveis.

Por isso, soluções estratégicas de mídia online de performance, que utilizam dados para compreender o comportamento dos usuários e segmentá-los de acordo com seus interesses, são cada vez mais essenciais.

Ao proporcionar uma experiência mais personalizada, as empresas podem aumentar a retenção de usuários, reduzir a taxa de abandono e até mesmo aprimorar a monetização do aplicativo. Por meio da criação de campanhas personalizadas e direcionadas para o público adequado, as empresas podem maximizar o retorno sobre o investimento em marketing e alcançar resultados ainda mais satisfatórios.

Integração de canais e experiência omnichannel

A integração de canais de atendimento é o processo de unificação de todos os meios pelos quais os clientes podem se comunicar com a sua empresa. Essa estratégia, por sua vez, pode ser vista por dois pontos de vista distintos.

O primeiro é buscar soluções tecnológicas que permitam reunir em um único ambiente (omnichannel) todos os meios de comunicação da sua empresa, facilitando o trabalho dos agentes. O segundo é contribuir para que os seus clientes tenham acesso a vários canais de atendimento e que migrem de um para outro quando quiserem, garantindo que essa troca não cause ruídos ou interrupções no seu atendimento.

De acordo com o relatório Zendesk, mais de 70% dos consumidores desejam iniciar uma conversa por um canal e terminal por outro, salientando a importância da integração de canais.

Cada vez mais o sucesso do cliente vem de uma experiência consistente e integrada em todos os canais, incluindo dispositivos móveis, desktops e pontos de venda físicos. O primeiro passo é conhecer o seu público e oferecer os canais pelos quais ele deseja se comunicar e comprar.

Conheça os principais cases de sucesso

Implementar esse conceito requer a realização de várias ações e é natural questionar quais delas trazem os melhores resultados. A resposta, contudo, varia conforme o tipo de negócio. No entanto, é sempre válido buscar inspiração em uma variedade de exemplos. Abaixo, conheça alguns cases de sucesso que vão inspirar suas ações.

Nubank

Uma das conveniências oferecidas pelo Nubank é a execução de todos os serviços de forma mobile. A empresa foi uma das pioneiras no mercado das fintechs e se destacou por proporcionar uma excelente experiência ao cliente nos dispositivos móveis.

Além disso, alguns gestos de atenção aos clientes têm se tornado virais, como o envio de mimos e cartas escritas à mão. Um exemplo disso foi um cliente cujo cartão foi danificado pelo seu cachorro. A empresa prontamente enviou um novo cartão sem custo adicional, juntamente com um brinquedo para o animal.

O Nubank também se destaca por seus “momentos wow”, nos quais os colaboradores vão além do script tradicional de atendimento ao cliente. Essas ações possibilitam a criação de conexões especiais e histórias memoráveis com os clientes.

Amazon

Outra empresa que se destaca como um dos principais exemplos de Customer Experience no mobile é a Amazon, que busca proporcionar o melhor atendimento digital para conquistar a fidelidade dos consumidores.

Uma de suas iniciativas inclui garantir a assinatura do Amazon Prime Video e oferecer frete grátis para os clientes. No entanto, essa é apenas uma das várias medidas que a Amazon implementou para redesenhar completamente o relacionamento com os usuários.

Ao observar as maiores lições que se pode aprender com a Amazon, uma que merece destaque é a de que nem sempre o cliente escolhe apenas pelo preço. A Amazon tem muita experiência em adiantar as necessidades do cliente e é referência quanto a entregas rápidas e gratuitas para os clientes assinantes.

Outra prática exemplar da empresa é o reembolso na compra de vídeos em casos em que a velocidade do download não foi rápida.

Mercado Livre

O Mercado Livre tem como objetivo implementar estratégias voltadas para a satisfação dos clientes, visando impactar positivamente sua experiência. Dessa forma, busca-se criar um efeito cascata de satisfação, com iniciativas que englobam desde o transporte dos colaboradores até a oferta de diversos serviços específicos, como salão de beleza e academia, visando o bem-estar da equipe.

Além disso, são disponibilizadas uma biblioteca, áreas externas e salas de jogos para que os colaboradores possam relaxar. Essa abordagem visa manter a equipe feliz, o que se reflete em um atendimento mais positivo e satisfatório para os clientes.

O time do Mercado Livre entende que estudar sobre ROX (Retorno Sobre a Experiência) é fundamental para a experiência final do cliente. Além disso, compreende que ter uma equipe feliz e engajada é sinônimo de clientes felizes.

Como vimos, um dos pilares da experiência do cliente centrada no mobile é também a criação de conteúdos ricos para melhores experiências mobile e para atendimento ao cliente cada vez melhor. Em nossa plataforma WriterAccess você encontra uma equipe de freelancers especializados em diversos nichos. Acesse e comece a produzir conteúdo de qualidade agora mesmo!

Como utilizar chatbots para melhorar a interação dos usuários com seu site

Os chatbots não são exatamente uma novidade quando falamos em estratégias para melhorar a interação de usuários em sites. Essa tecnologia já existe há uns bons anos, mas o fato é que se popularizou e é cada vez mais indispensável para melhorar a experiência do usuário.

Uma das principais funcionalidades e vantagens dos chatbots é a naturalidade com a qual as interações ocorrem. Afinal, a ideia central é que o cliente possa “bater um papo” com a marca, de forma casual, intuitiva e muito simples.

Em um cenário no qual o público já está acostumado com apps de mensagens e redes sociais, a inserção dos chatbots proporciona altas possibilidades de interação dos usuários com o site. Assim como um cliente está acostumado a interagir com seus contatos pelo WhatsApp, Slack, Instagram, entre outros, ele facilmente se sente convidado a interagir com o site.

Neste artigo exploramos técnicas e melhores estratégias para utilizar os chatbots para melhorar a interação dos usuários com seu site. Continue a leitura e saiba mais!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

A interação dos usuários através de chatbots e seus benefícios

A principal ideia por trás da utilização dos chatbots é estar onde os clientes estão. Isso significa que em um cenário de grande popularização dos apps e ferramentas de mensagens, é preciso facilitar a comunicação. Chatbots oferecem justamente isso, a casualidade de uma conversa online via chat, na qual o usuário consegue facilmente sanar suas dúvidas e resolver problemas simples.

A seguir, exploramos os principais benefícios em investir nesta ferramenta. Confira e entenda por que sua empresa deve pensar em utilizar e melhorar o uso de chatbots!

Economia de tempo e recursos

Toda marca entende como o atendimento ao cliente é uma importante estratégia de marketing. Por outro lado, uma empresa pode precisar despender muitos recursos, sejam eles de tempo ou financeiros, para oferecer um atendimento excelente aos seus clientes.

Graças ao avanço tecnológico, já é possível oferecer atendimento 24 horas por dia, nos 7 dias da semana com ferramentas de chatbot. Assim, podemos economizar tempo e também recursos, pois não é preciso ter grandes equipes para o atendimento.

É válido lembrar, contudo, que o chatbot não substitui completamente o atendimento humano, mas ele facilita por reduzir o tempo de espera e por resolver questões mais simples, que dispensam o atendimento humano.

Melhoria na satisfação do usuário

De acordo com dados estatísticos sobre atendimento ao cliente disponibilizados pela Zendesk, mais de 70% dos consumidores desejam receber atendimento imediato. Como vimos no tópico anterior, os gastos de tempo e recursos financeiros seriam expressivos caso o suporte acontecesse apenas com atendimento humano.

O fato é que com os chatbots é possível oferecer atendimento imediato, sem que exista uma equipe operando de forma ininterrupta. Com isso, a empresa não apenas diminui seus custos operacionais, como eleva suas possibilidades de lucro por melhorar a satisfação do usuário.

Aumento da eficiência nas interações

Com o avanço da Inteligência Artificial, também é possível aumentar a eficiência nas interações. Por meio das mensagens de texto é possível simular, da maneira mais fiel possível, uma conversa com um atendente humano.

A interface dos chatbots é um ponto crucial para aumentar a eficiência destas interações, como veremos a seguir.

Estratégias de Design de Chatbots

Se há muitas vantagens no uso de chatbots, é preciso conhecer as estratégias para transformar essas ferramentas em um verdadeiro braço direito para as marcas. Dentre as estratégias, o design apresenta um papel crucial. Apostar em personalização, interfaces intuitivas e elementos visuais é a chave. Saiba mais!

Tom de voz

O tom de voz desempenha um papel fundamental. Se a sua marca tem uma linguagem mais séria, não faz sentido ter um chatbot com linguagem informal, não é mesmo? O oposto também é válido.

O fato é que a linguagem deve ser personalizada de acordo com o público-alvo. A partir da personalização é possível conversar diretamente com o público, incluindo elementos de identificação com a marca, como os jargões. Em outras palavras, o chatbot deve falar na mesma língua que o público.

Interface intuitiva

O chatbot deve ser funcional e intuitivo. Isso significa que ele deve ser visível na tela, sem que oculte informações importantes do site. O usuário deve identificá-lo facilmente, além de acessá-lo de maneira simples. Deve ser o mais próximo possível de outras ferramentas de chat, como as redes sociais e apps de mensagem.

Integração de elementos visuais e multimídia

A ferramenta deve ser capaz de integrar e armazenar elementos visuais e multimídia. Em muitos casos, o cliente pode precisar encaminhar um documento ou uma imagem, como um print ou foto do produto. A evolução da Inteligência Artificial já proporciona o reconhecimento da linguagem para além da textual.

Melhores Práticas na Manutenção do chatbot para melhores interações

Aprimorar a experiência do cliente com o chatbot de atendimento envolve considerar cuidadosamente diversos aspectos. Estes incluem a personalização do serviço, a humanização das interações, a eficiência da ferramenta, a responsividade da interface e a transparência no atendimento.

Vamos explorar detalhadamente cada uma dessas práticas?

  • Monitore o desempenho: A ferramenta deve ser monitorada constantemente. A equipe deve fazer testes e verificar as soluções apontadas pelo chatbot diante de problemas e dúvidas comuns que chegam ao site.
  • Faça atualizações constantes: A tecnologia vive constantes atualizações e, para não se tornar obsoleta, deve ser constantemente atualizada.
  • Tenha uma gestão de feedbacks: Estabeleça uma prática consistente de solicitar feedback aos clientes e usuários acerca do desempenho, eficiência e responsividade, tanto da ferramenta quanto das interações. Avalie regularmente os resultados obtidos e implemente melhorias sempre que possível.

Ao seguir essas orientações, será possível aprimorar a eficiência do seu chatbot, tornando-o mais intuitivo e útil para os usuários.

Quer aproveitar o máximo potencial dos chatbots no seu site? Acesse nosso e-book gratuito sobre Chatbots e Marketing.

Casos de Sucesso com chatbots e o ganho na interação com o usuário

Deseja observar a tecnologia em ação? Elaboramos uma lista destacando 3 empresas que incorporam o uso de chatbots. Em cada exemplo, a ferramenta desempenha funções cruciais na interação com o usuário.

Sephora

A Sephora, renomada globalmente por sua comercialização de perfumes e cosméticos, integrou um chatbot de inteligência artificial em seu atendimento, proporcionando uma experiência personalizada para cada cliente, baseando-se nos dados de cada um. Por essa razão, não poderia ser excluída da lista de empresas que adotam essa tecnologia.

No primeiro contato, o chatbot encaminha um questionário para compreender as preferências do consumidor, permitindo a apresentação de opções mais alinhadas às suas necessidades. Esse recurso é particularmente útil para clientes indecisos, contribuindo para uma jornada de compra mais gratificante.

Adicionalmente, os clientes têm a opção de adquirir produtos diretamente pelo aplicativo, dispensando a necessidade de deslocamento até uma loja física. O porém, é que o chatbot por enquanto não funciona no Brasil.

Uber

A Uber introduziu uma funcionalidade que permite aos clientes solicitar um carro através do chatbot no Facebook Messenger. Essa opção foi desenvolvida especialmente para situações em que os usuários estão com o celular descarregado, possibilitando a realização do pedido por meio de um computador.

Adicionalmente, se os clientes estiverem interagindo com alguém por meio desse canal e receberem o endereço na conversa, basta inserir a informação na interação, e o chatbot providenciará o chamado do carro para que a pessoa chegue ao destino desejado.

Natura

A assistente virtual da Natura recebe o nome de Nat Natura e conta com perfis próprios nas redes sociais. Operando em aplicativos de mensagens como o Facebook Messenger, ela automatiza respostas aos clientes, fornecendo assistência na resolução de dúvidas.

Além disso, o sistema da assistente recomenda produtos aos consumidores, levando em consideração suas preferências, e oferece suporte ao longo de todo o processo de compra.

Como vimos, os chatbots são muito mais do que ferramentas para aumentar a interação. Eles também são capazes de coletar dados, oferecer sugestões de compras e melhorar de forma significativa a experiência do cliente.

Que tal impactar seu público com conteúdo de qualidade desenvolvido por pessoas de verdade? Acesse a plataforma WriterAccess e teste gratuitamente por 14 dias e tenha acesso aos melhores profissionais e ferramentas de IA que vão melhorar a performance do seu conteúdo!

Como Otimizar a Experiência do Usuário em Aplicativos

Para qualquer negócio que trabalhe no ambiente digital, pensar na experiência do usuário é fundamental, certo? E quando se fala na experiência dos usuários em aplicativos, isso se torna ainda mais importante, afinal, se trata de uma plataforma proprietária, mas como colocar esse conceito em prática?

Aplicar o UX em apps é essencial para atrair, converter e fidelizar mais e mais usuários. Imagine só: você investiu em várias estratégias para fazer com que aquele usuário baixasse o seu aplicativo, por que perder essa oportunidade? O cuidado precisa ser focado nos mínimos detalhes para ter melhores resultados.

Pensando nisso, preparamos um conteúdo completo com todas as dicas que você precisa para otimizar a experiência dos usuários em aplicativos. Continue a leitura e descubra como o UX em apps pode ser um diferencial!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

A importância da experiência do usuário em aplicativos (apps)

Se quando um cliente está navegando pelo site da sua empresa no desktop já é importante pensar em como a jornada dele precisa ser positiva, imagine quando estamos falando da experiência do usuário em aplicativos. Ao olhar todos esses pequenos detalhes, isso pode ser a diferença para a atração e retenção de clientes.

Quando os usuários encontram aplicativos intuitivos e fáceis de usar, eles estão mais propensos a seguir com esse app e, mais importante, recomendarem para outros usuários em potencial. Afinal, a boa usabilidade significa que o usuário tem acesso à todos os benefícios e funcionalidades do seu app.

Um aplicativo que tenha o diferencial X está, de fato, oferecendo esse diferencial para os seus usuários. E como uma das consequências de uma experiência positiva do usuário em aplicativos, a tendência é que o app tenha um desempenho ainda melhor nos rankings de pesquisa e na sua visibilidade.

Princípios fundamentais de experiência do usuário para aplicativos

Dentro do conceito de UX em aplicativos, é importante levar em consideração alguns dos princípios fundamentais dessa estratégia.

Usabilidade, acessibilidade e design centrado no usuário

A usabilidade é essencial para a experiência do usuário em aplicativos e, por isso, é preciso se certificar de que seu aplicativo seja intuitivo e fácil de usar. Para alcançar isso, faça testes de usabilidade para identificar áreas de melhoria e ajuste a interface com base no feedback dos usuários.

Além disso, a acessibilidade é vital, ou seja, ele precisa ser acessível a todas as pessoas, independentemente de suas habilidades ou necessidades. Isso inclui fornecer alternativas para conteúdo visual, como descrições de imagens para deficientes visuais, e tornar os controles e botões acessíveis por meio de teclado ou leitor de tela.

Dicas para criar interfaces intuitivas e atraentes

Uma interface intuitiva e atraente é fundamental para uma boa experiência do usuário. Mas como construi-las em seu aplicativo? Além de utilizar elementos de design consistentes, como ícones claros e rótulos descritivos, é interessante evitar sobrecarregar a tela com informações.

Mas, além disso, outros fatores podem ser relevantes.

Personalização da experiência do usuário

Dentro desse trabalho, o primeiro passo é permitir que os usuários personalizem o aplicativo de acordo com suas preferências. Um cuidado que inclui desde a escolha de temas, configurações de notificações até mesmo para a personalização de widgets. Assim, eles tendem a se sentir ainda mais valorizados.

Cuidado com os formulários

Outro ponto de atenção é entender que os formulários são componentes muito úteis em aplicativos, mas também podem ser fontes de frustração.Por isso, uma dica é simplificar os formulários no seu app, removendo campos desnecessários e fornecendo dicas contextuais que ajudem no seu preenchimento.

Contraste e cores

O uso adequado de cores e contraste é essencial para garantir a legibilidade e a acessibilidade. Escolha esquemas de cores que não causem cansaço visual e garanta que o texto tenha contraste suficiente em relação ao plano de fundo. E não se esqueça de que cores podem transmitir significados, então tenha cuidado ao utilizá-las.

Acessibilidade

Como falamos acima, a acessibilidade é um fator fundamental para qualquer aplicativo. Por isso, além de pensar em como criar conteúdos alternativos para elementos visuais, é importante seguir diretrizes de acessibilidade, como padrão WCAG, para garantir que seu aplicativo atenda aos requisitos legais e éticos.

Estratégias para garantir velocidade e eficiência no carregamento

Outro aspecto essencial para que o aplicativo seja interessante é a velocidade de carregamento. Otimize os recursos do seu aplicativo, como imagens e scripts, para garantir tempos de carregamento rápidos e não frustrar os usuários. Um dos exemplos aqui é utilizar a compactação de arquivos e técnicas de cache para reduzir a sobrecarga do app.

A importância da otimização para diferentes dispositivos e redes

Alguns tópicos acima falamos sobre personalização, certo? De nada adianta pensar nisso se o seu aplicativo não for desenvolvido para funcionar perfeitamente em uma variedade de dispositivos e condições de rede. Lógico que você precisa criar a primeira versão em algum modelo específico, mas considere todas as versões possíveis.

Navegação intuitiva

O usuário foi impactado por um anúncio do seu app, clicou, baixou e… está com dificuldades? Esse erro acontece muito e pode ser resolvido com uma navegação intuitiva. O aplicativo deve ser desenvolvido para que a jornada do usuário seja clara e intuitiva, com menus e botões que facilitem a mudança entre seções, por exemplo.

Hierarquia de informações e arquitetura de informação

Como complementar ao tópico acima, é importante organizar o conteúdo de forma lógica e hierárquica. O que é a funcionalidade principal, por exemplo, deve ser a mais fácil de ser acessada e assim por diante. Além disso, utilize categorias e subcategorias para otimizar a navegação e criar uma jornada simples.

Como simplificar a navegação e orientar o usuário de forma eficaz com personalização?

Um dos pontos que falamos nos tópicos acima foi a importância da personalização, certo? Mas como fazer isso na prática e quais empresas já conseguem colocar esse conceito em ação? Tire suas dúvidas agora mesmo!

Utilização de dados do usuário para personalização

Personalizar a experiência do usuário em aplicativos é fundamental para melhorar a satisfação e a retenção. Uma das formas mais eficaz de fazer isso é coletar e utilizar dados dos usuários para oferecer conteúdo e recursos relevantes. Afinal, com tantas informações em mãos, por que não utilizá-las?

Assim, ao compreender o comportamento, preferências e histórico de uso de um usuário, você consegue adaptar os recursos e funcionalidades do aplicativo para atender às suas necessidades específicas. Por mais que você tenha a persona do seu negócio, cada usuário tem as suas preferências.

Por exemplo, se um usuário em um aplicativo de notícias sempre lê artigos sobre tecnologia, o app pode destacar mais conteúdos relacionados à tecnologia em sua página inicial. Isso torna a experiência mais relevante e envolvente para o usuário, incentivando a permanecer no aplicativo.

Já em um aplicativo de um e-commerce de artigos esportivos, entender quais são os esportes mais praticados por cada usuário vai facilitar, por exemplo, a indicação de novos lançamentos ou promoções. Afinal, descontos em itens de corrida para alguém que joga tênis não faz tanto sentido, certo?

Exemplos de aplicativos que oferecem uma experiência personalizada de sucesso

Nada melhor do que alguns exemplos de empresas que conseguem aplicar o UX em apps a partir da personalização da experiência dos seus usuários, não acha? Então vamos lá!

Amazon

A Amazon é um excelente exemplo de personalização bem-sucedida. Ela utiliza dados de navegação e histórico de compras para recomendar produtos relevantes para cada usuário. Além disso, a Amazon personaliza a página inicial do usuário, mostrando produtos com base em suas preferências anteriores.

Spotify

Já o Spotify é conhecido por sua personalização em relação à música. Ele usa algoritmos para analisar o gosto musical de um usuário com base nas músicas que ele ouviu anteriormente e cria playlists personalizadas, como o “Descobertas da Semana”, mantendo os usuários envolvidos e interessados.

Nubank

Enquanto isso, o Nubank elevou o conceito de UX em apps no setor bancário, personalizando a experiência do usuário em vários aspectos. Para começar, o aplicativo já é intuitivo e simples, mas a empresa também utiliza dados de transações para categorizar automaticamente os gastos dos usuários e oferecer insights sobre seus hábitos.

Estratégias para monitorar e melhorar a UX ao longo do tempo

Mas um ponto de atenção quando se fala em experiência do usuário em apps: é um trabalho constante! Isso mesmo, o UX em aplicativos precisa ser otimizado regularmente, mas você sabe como fazer isso?

Coleta de dados de usuário

Para monitorar e melhorar a experiência do usuário (UX) ao longo do tempo, é essencial coletar dados de usuário de forma contínua. Isso pode ser feito por meio de análises de comportamento, feedback direto dos usuários e pesquisas, além de ferramentas de análise, como Google Analytics, para rastrear métricas que ajudem a otimizar.

Análise de dados

Após coletar os dados, é importante analisá-los para identificar tendências e áreas de melhoria. Avalie quais partes do aplicativo estão funcionando bem e onde os usuários podem encontrar dificuldades. A análise de dados permite uma compreensão mais profunda do comportamento do usuário e das preferências.

Testes A/B

Os testes A/B envolvem a criação de duas versões diferentes de um elemento ou recurso do aplicativo e a comparação do desempenho de ambas. Isso pode ajudar a determinar qual versão gera uma melhor experiência para os usuários, facilitando encontrar, por exemplo, versões mais eficientes para a conversão.

Acompanhamento das mudanças

À medida que você faz alterações com base em análises e testes, é importante acompanhar o impacto dessas mudanças na UX. Portanto, fique de olho nas métricas relevantes após a implementação de melhorias para garantir que elas tenham o efeito desejado.

Feedback contínuo dos usuários

Além disso, mantenha canais abertos para receber feedbacks contínuos dos usuários. Isso pode ser feito por meio de pesquisas regulares de satisfação, análise de avaliações e comentários nas lojas de aplicativos, ou até mesmo comunidades online dedicadas aos usuários.

Tendências e inovações em UX para aplicativos

Como falamos acima, esse precisa ser um trabalho constante, certo? Então já é hora de olhar para as tendências e inovações de UX em apps!

  • Design escuro: a adoção de temas escuros em aplicativos tem ganhado popularidade, pois reduz a fadiga visual e economiza energia em dispositivos com tela OLED;
  • Inteligência Artificial: a IA está sendo usada para personalizar ainda mais a experiência do usuário, oferecendo recomendações mais precisas e assistentes virtuais mais inteligentes;
  • Navegação por gestos: cada vez mais aplicativos estão adotando gestos de navegação, eliminando botões físicos ou virtuais para proporcionar uma interface mais limpa e intuitiva;
  • Design minimalista: a simplicidade continua sendo uma tendência, com aplicativos optando por designs limpos, menos desordem visual e foco no conteúdo essencial;
  • Microinterações: pequenas animações e interações microsutilizadas em botões ou elementos de interface para fornecer feedback imediato aos usuários;
  • Conteúdos interativos: a inclusão de elementos interativos, como quizzes, questionários e histórias, em aplicativos para envolver os usuários de forma mais profunda e tornar a experiência mais participativa.

Em resumo, levar o usuário para um ambiente proprietário e perdê-lo porque a sua jornada não foi bem planejada é um erro que pode prejudicar qualquer negócio. Por isso, é importante adotar as melhores práticas de UX ao desenvolver o seu app e garantir a melhor experiência para quem utiliza.

Agora que você já entendeu como o UX em apps é fundamental, que tal começar a melhor a experiência do usuário no seu aplicativo agora mesmo? Utilize o Ion e comece a desenvolver conteúdos interativos que ajudam a melhorar a experiência do usuário!

Como criar vídeos imersivos com realidade aumentada para atrair e envolver seu público

Talvez não seja novidade que o vídeo é o tipo de conteúdo mais consumido atualmente, mas certamente as inovações nesse formato são cada vez mais surpreendentes. Se você não sabe como criar vídeos imersivos com realidade aumentada (AR), está tudo bem, a gente vai contar direitinho sobre este assunto.

Neste artigo, explicamos como a realidade aumentada é a chave para atrair e envolver seu público. Além disso, você confere as principais ferramentas para criar vídeos com realidade aumentada e ainda confere algumas dicas na hora de produzir seus conteúdos imersivos, garantindo uma boa experiência do usuário.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Como a Realidade Aumentada pode aproximar sua marca dos consumidores?

Quando imaginamos a realidade aumentada, talvez algumas experiências como um mergulho nas profundezas do oceano ou viagem ao espaço logo venham à mente. Acontece que esta é uma forma de criar interações com os consumidores e não estamos falando apenas de experiências.

Confira alguns exemplos práticos em que a realidade aumentada aproxima a marca do consumidor:

  • uma ótica que simula o uso da armação de um óculos;
  • uma loja de decoração que leva seu público em um tour pelos lançamentos do catálogo aplicados em ambientes pensados para as peças expostas;
  • uma loja de tatuagem que mostra como a tatuagem ficaria no cliente com a realidade aumentada;
  • uma loja de móveis que aponta como ficaria a peça no local em que o cliente deseja colocar.

A verdade é que a popularização das vendas online tirou algo muito importante do cliente: a visualização do produto aplicado. Com a realidade aumentada, é como se sua marca pudesse apresentar as soluções na palma da mão do usuário, onde quer que ele esteja.

Engaje o público através da Realidade Aumentada

Uma das portas pela qual a realidade aumentada se transforma em uma ferramenta para atrair novos clientes e engajar o público atual é a disponibilização de filtros. Assim, seu cliente se diverte criando conteúdos que ajudam a divulgar sua loja.

Claro que é fundamental ter atenção para o perfil do seu público e quais são os assuntos de interesse no momento. Imagine que você decide desenvolver filtros de realidade aumentada no Instagram ou mesmo criar vídeos com realidade aumentada: é fundamental ter em mente quem são essas pessoas e quais abordagens são mais atrativas para ele.

Caso você ainda não tenha um documento bem definido sobre o perfil do seu público, é importante construir a persona do negócio antes de desenvolver vídeos imersivos com realidade aumentada.

 Separamos alguns conteúdos que talvez possam te interessar:

Quais ferramentas são usadas para criar vídeos imersivos com realidade aumentada?

Se você trabalha com marketing digital e pretende desenvolver seus próprios vídeos imersivos com realidade aumentada, então é importante conhecer algumas ferramentas que permitem fazer este trabalho.

Com a popularização da Inteligência Artificial na área da criação de conteúdo, o processo ficou mais fácil e às vezes até mesmo automático. Vale destacar que, mesmo que intuitivas, a maioria das ferramentas tem uma curva de aprendizagem alta. Alguns dos softwares e aplicativos exigem conhecimentos prévios em programação.

Sendo assim, para quem não é profissional de marketing e não pretende seguir o caminho de desenvolver vários projetos em realidade aumentada, talvez seja legal avaliar a possibilidade de parceria com alguém que já desenvolve projetos de AR.

Confira algumas ferramentas para fazer projetos em AR:

  • Augment — com solução para realidade aumentada e também desenvolvimento de projetos 3d, a Augment possui um app que permite a criação de projetos em realidade aumentada tanto para campanhas de marketing quanto vendas, treinamentos de equipe e outras finalidades;
  •  Amazon Sumerian — produto da Amazon, o programa permite a criação de projetos tanto para realidade aumentada quanto realidade virtual ou tours virtuais.
  • ARCore — como não deveria faltar na lista, esta é a solução do Google para o desenvolvimento de apps em realidade aumentada.

Qual a importância da Experiência do Usuário (UX) ao criar vídeos com realidade aumentada?

A experiência do usuário (User Experience ou UX) é um ponto fundamental no desenvolvimento de qualquer projeto de marketing. Afinal, esta é a área que garante o sucesso na interação do seu público com os conteúdos da sua empresa.

Importância da UX na criação de vídeos imersivos

Um vídeo imersivo é o tipo de produção audiovisual que promove a sensação do espectador de estar dentro do vídeo. No caso de materiais vinculados a uma marca, é importante que a experiência gerada seja positiva.

Por isso, suas produções devem levar em conta o comportamento do público, nível de conhecimento que eles têm com esse tipo de ambiente e também preferências.

Dicas para garantir uma experiência fluida e intuitiva para o espectador

Se você quer criar vídeos com realidade aumentada, oferecendo uma excelente experiência do usuário, então pode seguir alguns passos como saber qual é o objetivo do vídeo imersivo que você está produzindo.

Afinal, uma imobiliária pode criar um tour virtual de um imóvel (foco nas vendas) ou fazer uma campanha que permite ao usuário mobiliar ambientes para ver como ficariam (foco no engajamento com o público).

Outro ponto importante é focar na solução que sua empresa oferece, mesmo que o tema principal não seja este, estude a melhor forma para que o vínculo com a marca seja natural e forte.

Gostou de ver como criar vídeos imersivos com realidade aumentada é uma estratégia inovadora para atrair e engajar seu público? Como você deve ter percebido, apesar dessa estratégia ser tão interessante, contar com a ajuda de um profissional pode ser o caminho para potencializar seus resultados.

Conheça a plataforma WriterAccess e veja como é possível contratar os melhores designers para desenvolver vídeos imersivos com realidade aumentada. Este é um processo rápido, intuitivo e permite que você acesse os melhores profissionais do mercado!

Como construir uma estratégia de Experiência do Cliente B2B que supera expectativas

Oferecer soluções personalizadas segundo as necessidades individuais dos clientes deixou de ser uma simples opção e tornou-se um recurso essencial nas estratégias comerciais contemporâneas. Assim, as empresas que dão prioridade à experiência do cliente B2B ganham mais que um desempenho sólido.

Essas empresas já perceberam que, ao construir uma estratégia de experiência do cliente, se deparam com amplas oportunidades para conquistar uma posição proeminente em seus setores, além de atrair mais compradores futuros. Afinal, no topo da lista de metas de qualquer empreendimento está a superação das expectativas dos consumidores. E, como é amplamente conhecido, um cliente satisfeito é um poderoso catalisador para o marketing boca a boca.

De acordo com um levantamento de 2023 da Genesys, cerca de 80% dos clientes estão dispostos a investir mais em empresas que oferecem uma experiência de cliente excepcional, especialmente quando envolve personalização do serviço, reforçando a ideia de que os negócios devem se empenhar em atender plenamente às expectativas dos consumidores.

Neste artigo explicamos como construir uma estratégia de experiência do cliente B2B que realmente supera as expectativas. Continue a leitura e saiba como elevar a percepção do seu cliente sobre a sua empresa! 

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

A Experiência do Cliente B2B e sua importância

Cada vez mais as marcas contemporâneas dedicam investimentos significativos para aprimorar a experiência do cliente, especialmente no contexto do cliente B2B moderno, que está bem informado e busca nada menos que uma experiência de compra rápida, conveniente e memorável para estabelecer parcerias duradouras.

O fato é que com a ascensão da transformação digital, houve o advento da “Era da Experiência”, na qual os negociadores atravessam múltiplos pontos de contato ao interagir com as empresas. Esses pontos de contato permeiam toda a jornada de compra dos clientes, sendo cada um deles fundamental na entrega de uma experiência do cliente B2B memorável e significativa.

Em qualquer desses pontos de contato, uma única experiência negativa pode comprometer todos os esforços para proporcionar um excelente CX B2B. No entanto, ao adotar a abordagem correta, diversos benefícios podem ser percebidos, como aumento da lucratividade, retenção de clientes, maior engajamento dos funcionários, estabelecimento de parcerias duradouras entre empresas e muitos outros pontos positivos.

Outro ponto importante para entender a relevância da experiência do cliente B2B é a abundância de oferta e concorrentes. Graças a este cenário, localizar produtos online tornou-se fácil, colocando o controle nas mãos dos compradores. A jornada até o checkout nunca foi tão intrincada, parcialmente devido à crescente necessidade de pesquisa utilizada para embasar uma decisão final de compra.

Considerando a experiência do cliente B2B, os compradores estão inclinados a investir mais em experiências que consideram superiores. O impressionante percentual de 86% dos compradores estão dispostos a desembolsar mais por experiências do cliente mais refinadas e personalizadas.

Além disso, estão dispostos a pagar, em média, 13% a mais por funcionalidades adicionais e itens de luxo quando a experiência do cliente é de alta qualidade. Esses padrões de compra B2C estão influenciando os hábitos de compra B2B, tornando a experiência do cliente o ponto crucial para o sucesso nas transações comerciais B2B.

Uma análise sobre as expectativas do cliente B2B

A jornada de compra B2B é muito mais complexa que a B2C, já que se somam a ela variáveis importantes como o ROI (Retorno sobre o Investimento) e o tempo gasto. Dessa forma, empresas que atuam no B2B devem atentar-se às expectativas do cliente para oferecer uma boa experiência.

A seguir, elencamos alguns dados que mostram o quanto a jornada de compra B2B é complexa e o que deve ser considerado na experiência do cliente.

  • 80% dos compradores B2B esperam uma jornada de compra personalizada como a de um B2C;
  • 77% dos clientes relatam que a jornada de compra leva muito tempo. Esse dado mostra quanto o tempo é uma variável importante para este público;
  • 77% dos compradores, antes de decidir, fazem uma análise de ROI detalhada;
  • Mais de 50% dos clientes B2B leem, ao menos, oito conteúdos dos fornecedores antes de fechar a compra;
  • a experiência do cliente já é mais importante do que o valor do produto ou serviço no ramo B2B, sendo que 86% dos consumidores aceitam pagar mais por uma experiência significativa.

De acordo com estes dados, percebemos que a venda é apenas o primeiro estágio do que pode ser uma grande parceria. Assim, é fundamental conhecer as expectativas do seu cliente, considerando também as especificidades do seu público e do seu nicho de atuação.

Atualmente, o melhor meio de conseguir essa informação é perguntar ao seu cliente: conhecer a realidade da experiência do cliente B2B na sua empresa por meio dos feedbacks deve fazer parte da rotina. Leia nosso material e saiba como coletar feedbacks corretamente.  

Integração de departamentos para uma experiência consistente

Nos últimos anos, diversas empresas passaram a apostar em departamentos específicos para a experiência do cliente. Contudo, ainda que seja válido ter um departamento e profissionais focados na experiência, vale lembrar que a colaboração entre diversas áreas como vendas, marketing e atendimento é crucial para elevar a satisfação do seu público.

Afinal, de nada adianta a equipe de vendas e marketing prometer um suporte que não existe no pós-venda. Ou então, o produto ou serviço não cumprir com o prometido. Dessa forma, é fundamental que a empresa tenha processos bem definidos e uma comunicação interna eficaz para implementar a estratégia efetivamente.

Em outras palavras, quando uma empresa é focada em experiência do cliente, seja ele B2B ou B2C, todos os setores devem falar a mesma língua. Portanto, a comunicação interna da empresa deve ser fortalecida.

Uma equipe treinada, com objetivos estabelecidos e integrada é capaz de oferecer uma experiência sólida ao cliente em todas as etapas da jornada de compra. 

Construindo uma estratégia de experiência do cliente B2B

Há diversas técnicas que podem ser implementadas para a construção de uma estratégia de experiência do cliente B2B. A seguir, entenda a importância de cada uma das etapas e técnicas, além de saber como começar a construir.

Personalização como foco central

Em muitos dados apresentados neste artigo, a personalização aparece como um fator central na decisão de compra. Mas, afinal, o que é a personalização? Personalizar consiste em oferecer uma experiência única conforme as necessidades do cliente B2B.

Estratégias como recomendar produtos de acordo com suas compras anteriores e incluir o nome da empresa no e-mail e em outras comunicações são algumas ideias. O objetivo é personalizar a experiência, mostrando que o seu negócio se importa individualmente com cada cliente.

A personalização pode ser feita com o auxílio dos dados corretos, como:

  • principais dados sobre o mercado B2B;
  • coleta de feedbacks;
  • mapeamento de tendências gerais;
  • relacionamento próximo pelas redes sociais;
  • acompanhamento das tendências de compras dos seus clientes.

A personalização é a chave para atender às demandas específicas do cliente B2B. 

Utilizando tecnologia para aprimorar a experiência

A exploração de ferramentas e tecnologias pode ser empregada para otimizar a experiência do cliente B2B. Há uma série de empresas que alcançaram sucesso na implementação de soluções tecnológicas, as quais podem inspirar quem está construindo uma estratégia. Confira!

Adobe

A Adobe é reconhecida por suas soluções de software para design, marketing e documentação. Eles implementaram estratégias eficazes de CX B2B, proporcionando aos clientes uma experiência fluida e integrada em todos os seus produtos e serviços.

Amazon Business

A divisão B2B da Amazon transformou a maneira como as empresas fazem compras online. Eles oferecem uma plataforma intuitiva, com opções de personalização, preços competitivos e um processo de compra eficiente, proporcionando uma experiência positiva aos compradores empresariais.

Zendesk

Especializada em software de atendimento ao cliente, a Zendesk é um exemplo de sucesso em CX B2B. Suas soluções ajudam as empresas a oferecer um suporte eficiente, criando interações positivas e duradouras com os consumidores. É um case de sucesso com mais de 150 mil clientes, entre eles C&A, Magalu e Uber.

Gupy

A Gupy é uma empresa de software como serviço (SaaS) que disponibiliza, como seu produto principal, uma plataforma de recrutamento e seleção projetada para atender a empresas de diversos setores e tamanhos.

No âmbito de sua estratégia de marketing B2B, a Gupy apresenta um site abrangente, caracterizado por uma boa usabilidade. Esse site é equipado com recursos como um chatbot para atendimento ao cliente e um blog informativo, proporcionando uma experiência completa aos usuários.

Slack

O Slack é uma plataforma de mensagens corporativas voltada para empresas que operam em ambientes híbridos ou remotamente. Em sua atual carteira de clientes, inclui empresas renomadas como o Mercado Livre e a Rappi.

Destaca-se no B2B por sua linguagem leve ao se comunicar com o público, além de ter uma presença forte nas redes sociais, especialmente no LinkedIn.

EBANX

A EBANX é uma empresa brasileira de tecnologia cujo foco principal é o processamento de pagamentos internacionais. Sua plataforma é adotada por ecommerces de renome global, incluindo marcas como Shein e Shopee, além de ser utilizada pela plataforma de streaming Spotify.

Ela é destacada como um case B2B devido à sua notável consolidação como uma plataforma de pagamento preferida por empresas globais de tecnologia. Essa reputação expressiva a coloca na vanguarda dos fornecedores de serviços de pagamento para grandes players do setor.

Invista no time de Customer Experience

Por fim, toda empresa que deseja se destacar em customer experience deve investir em um time qualificado para essa atuação. Portanto, contratar e treinar os profissionais garantirá um retorno positivo à empresa.

Aliando todas as técnicas aqui apresentadas, sua empresa conseguirá alcançar os melhores resultados em satisfação do cliente!

Quer encantar e engajar sua audiência durante a jornada de compra do cliente? Conheça o Ion, a estratégia de conteúdo interativo das marcas mais famosas do mundo. Acesse nosso site e saiba mais!

O processo de design por trás da nossa campanha de branding B2B com orçamento zero

Se você segue a Rock Content nas redes sociais, já deve ter visto alguns posts da Rock Content com as mensagens “Dê um Show de Conteúdo” ou “Amplifique sua marca”.

Sabia que essas peças criativas fazem parte da nossa única campanha de branding feita internamente com orçamento zero? Neste post, vou falar em detalhes sobre o processo de design por trás dessa ação. Acompanhe!

Antes de começarmos, um pequeno aviso: embora eu tenha realmente participado na criação dos visuais publicados, não fui o único criativo que trabalhou nessa campanha — aliás, longe disso!

Como tudo isso só foi possível graças ao trabalho incrível da nossa equipe, gostaria de dar um grande abraço a cada Rocker e freelancer que contribuiu para essa campanha antes de mim. As experiências desses profissionais e a base que construíram foram essenciais para nosso processo iterativo e os resultados alcançados.

Agora, vamos explorar os diferentes aspectos da campanha!

O conceito

A ideia principal era ter profissionais de marketing nos seus ambientes de trabalho. Mas em vez de propor um clima sério e focado, fizemos cada profissional atuar — literalmente!

Pensamos como verdadeiros Rockstars (aliás, caso você não saiba, é assim que nos referimos aos nossos clientes)! Brincando com o nome da nossa empresa (Rock Content), a base do conceito foi unir o Rock e a produção de conteúdo de uma forma divertida.

Também achamos importante que as imagens representassem os profissionais de marketing em momentos de vitória, como verdadeiros Rockstars. O que queríamos era mostrar que usar a Rock Content podia fazer você sentir aquele “momento de vitória” o tempo todo.

Pegamos cada um dos Category Entry Points (CEPs) definidos e criamos copys como: “Descubra seu ritmo de Marketing”, “Aumente o volume de seu conteúdo” e, o principal, “Dê um Show de Conteúdo”.

Os visuais

​Um dos desafios de uma campanha de branding com orçamento zero é que você não pode contratar modelos para uma sessão de fotos dedicada, com o objetivo de criar exatamente a imagem que tem em mente.

Inicialmente, nossa ideia era contar com os nossos próprios colegas da equipe da Rock Content como modelos. Mas a pandemia de COVID-19 trouxe duas barreiras: não podíamos reunir todo mundo em um estúdio e o modelo de trabalho remoto tinha sido implementado.

Dessa forma, optamos por usar o banco de imagens, mas com intervenções nas imagens para personalizá-las sempre que possível. Seguem algumas referências do mood board:

Para criar essas intervenções no estilo visual da Rock Content, usamos como referência o nosso pacote de ilustrações e guia de estilo. Essas imagens têm um estilo único: um desenho de linha altamente estilizado com um fundo de cor uniforme. Usamos essas criações em todos os nossos canais e mídias sociais, e até mesmo em alguns dos nossos logotipos.

Algumas das ilustrações do pack de ilustrações da Rock Content serviram de referência para a campanha.

A alusão à música

Ao pesquisar e selecionar imagens para a campanha, decidimos criar ilustrações personalizadas para que a combinação entre a foto e a ilustração ficasse mais natural. Aceitamos o desafio de pegar esta banda de “air guitar” e colocar alguns instrumentos nas mãos dos integrantes.

Isso tinha funcionado bem, mas percebemos que alguma coisa estava faltando…

Queríamos transmitir energia, música e celebração. Então essas ilustrações realmente poderiam usar algumas cores. Depois de alguns testes com a paleta de cores da Rock Content, adicionamos a copy, a CTA, e pronto! Tínhamos a nossa imagem conceitual.

Observe que, nessa imagem conceitual da campanha, colocamos o “r” de “brand” (marca, em inglês) em tom rosa para que pudéssemos ter o jogo de palavras entre “band” e “brand”.

Depois, testamos diversas fotos e combinações de instrumentos para nossos 7 Category Entry Points. Entre os elementos estavam instrumentos, como kits de bateria, saudações para a plateia e até uma banda com integrante único.

Distribuição e engajamento

Uma campanha com orçamento zero tem suas particularidades para o lançamento e a distribuição, certo? Sem nenhuma mídia paga envolvida, entramos em contato com todos os Rockers para que eles nos ajudem a promover a campanha de forma orgânica.

Adaptamos os 7 conceitos visuais para alguns formatos que nos ajudariam nesse desafio e os distribuímos internamente. Cabeçalhos do LinkedIn, assinaturas de e-mail e fundos do Google Meet fizeram parte desse pacote, além dos posts para os quais sempre pedimos para os Rockers gerar engajamento.

Também criamos pequenos vídeos de introdução com os visuais da campanha de branding para veicular antes dos nossos webinars, como as Jam Sessions e Marketing Backstages.

Graças a esses esforços colaborativos, alcançamos quase 70 mil visualizações, considerando as impressões do LinkedIn, Instagram, Pinterest e X (Twitter) e os usuários de todos os sites da Rock Content ao redor do mundo. Tudo isso ocorreu nos 2 primeiros meses após o lançamento, sem investir um centavo em mídia paga.

Principais aprendizados do processo de design da nossa campanha de branding

Acho que há uma conclusão importante sobre a nossa campanha: um cenário com possibilidades mais restritas pode ser uma oportunidade única para treinar a criatividade.

O que quero dizer não é que um orçamento pequeno ou nulo seja melhor para a criatividade, mas que podemos construir algo de valor mesmo sem contar com um orçamento generoso.

Ainda que você não tenha uma boa tela, os melhores pincéis e tubos de tinta de qualidade, consegue fazer um lindo desenho só com lápis e papel. Com isso em mente e a colaboração incansável dos Rockers, foi possível dar um show de conteúdo e engajar as pessoas em torno da nossa marca!

Os principais rebrandings de 2023 – e o que podemos aprender com eles

Você também está com a sensação que piscou e o ano acabou? Mas, ao mesmo tempo, temos que admitir que nesse 2023 muita coisa aconteceu. 

A Inteligência Artificial explodiu e se tornou o principal assunto das rodas de marketing e negócios — e, nessas conversas, teve gente que comemorou e gente que ficou com o pé atrás.

Outro assunto que veio a tona mais que o “normal” (e também acabou dividindo opiniões) ao longo de 2023 foi o “rebranding”. Alguns a gente amou e ficou babando na genialidade ao redesenhar uma marca, outros nos deixaram na dúvida se realmente entendeu a proposta, e claro que alguns outros a internet simplesmente não perdoou.

É por isso que, nesse artigo, vou relembrar com você os principais rebrandings de 2023, o que motivou as marcas a abraçarem a mudança, e também quero compartilhar um pouquinho de como fizemos isso aqui na Rock Content com um de nossos principais produtos:  WriterAccess, nosso marketplace de conteúdo.

Atenção: Não vai ser meu objetivo aqui falar se gostei ou não das escolhas feitas pelas marcas, ok?! Vamos focar nas motivações estratégicas e os resultados. Quer saber a minha opinião pessoal? Me chama lá no LinkedIn, vai ser um prazer conversar contigo. 

Mas, antes de tudo, o que é rebranding?

Aqui no blog da Rock Content, tem um texto incrível do Cayo que vai te contar tudo sobre branding. Mas, se você estiver com pouco tempo, aqui vai um resumão.

Antes do rebrand vem o brand

Construir uma marca não é uma tarefa fácil, é preciso trabalhar diariamente para que as pessoas comecem a associar a seu produto a mensagem, a uma função. 

Todo profissional de marketing quer que seu produto seja lembrando espontaneamente pelos clientes. Nós trabalhamos para criar marcas que sejam memoráveis.

Assim, quando falamos de rebranding, não estamos falando apenas de mudar os elementos visuais de uma marca, estamos falando de algo maior, que precisa ter uma estratégia, que precisa ser muito bem pesado antes de ser implementado – e é isso que vamos analisar dentro da nossa lista de rebrandings de 2023. 

Na era das redes sociais, onde os clientes estão ativamente expressando suas opiniões, uma empresa que investe em redesenhar sua marca está automaticamente disposta a passar por um momento de desconforto com a sua audiência. 

Então por que fazer isso? O que leva uma marca a optar por um rebranding? A necessidade de comunicar uma mudança estratégica, que envolve alterações no propósito e na proposta de valor da marca. 

O rebranding impacta a essência da marca em diversos níveis, exigindo uma abordagem mais profunda.

Ao optar por fazer um processo de rebranding, as empresas estão buscando comunicar para o mercado mudanças tanto internas quanto externas, como fusões, mudanças na visão dos executivos, novas tecnologias ou concorrentes. 

Esse não é um processo simples de ser feito e, normalmente, reflete um trabalho de muitos meses (ou até anos). 

Aqui estão 10 grandes rebrandings de 2023

WriterAccess

Para começar essa retrospective dos maiores rebrandings de 2023, nada melhor do que falar de um projeto que tocamos aqui dentro da Rock Content em um de nossos principais produtos: WriterAccess, nosso marketplace de conteúdo.

Em abril de 2022, a Rock Content deu um passo significativo em direção à expansão de sua oferta de serviços de Marketing de Conteúdo ao adquirir a WriterAccess, um marketplace sediado nos EUA especializado em conectar talentos freelancers (como redatores, editores, designers e estrategistas digitais) a clientes que buscam conteúdo de alta qualidade. 

Após anúncio da aquisição, a logo de WriterAccess passou a ter uma tag “by Rock Content”. Mas sabíamos desde o princípio que esta seria uma mudança provisória.

No início de 2023, chegou o momento de atualizarmos realmente a identidade visual.

Com a nova logo, buscamos comunicar para o mercado que WriterAccess agora é parte integral do leque que produtos da Rock Content. 

Para que o produto tivesse coesão com as demais soluções da Content Cloud (Ion, Studio e Stage), o verde de WriterAccess deu lugar para o azul da Rock Content. A tipografia e o ícone também foram atualizados, dando coesão entre todos os nossos produtos.

Nokia

[embedded content]

No final de fevereiro, pela primeira vez em 60 anos, a Nokia lançou sua nova identidade de marca, que incluia um novo logotipo, acompanhado por uma paleta de cores vibrante. 

A mudança tinha como objetivo transformar a percepção da Nokia de uma empresa de telefones celulares para uma inovadora empresa de tecnologia B2B.

Na nova logo, predominam características geométricas e abstratas, substituído a tipografia clássica. 

A Lippincott, que trabalha com a Nokia a mais de 15 anos, simplificou as letras do logotipo para que se leiam como “Nokia” apenas quando estão juntas, e a forma de algumas letras também foram reaproveitadas como gráficos distintos. 

Outra mudança foi no propósito de marca para: “Na Nokia, criamos tecnologia que ajuda o mundo a agir em conjunto”, a fim de refletir a criação de tecnologia que promove a ação global.

Johnson & Johnson

[embedded content]

Esse foi um dos rebrandings de 2023 que gerou controvérsias na internet. Quando a Johnson & Johnson fez o anúncio do seu rebrand, também foi para anunciar uma mudança de posicionamento. A nova identidade visual marcou uma mudança significativa, substituindo a tradicional fonte cursiva do logotipo por uma abordagem mais moderna. 

Essa alteração teve como objetivo refletir uma transformação mais ampla na empresa, que passou a se concentrar em inovações em saúde e os desafios mais complexos na área.

Essa transformação incluiu a renomeação da divisão farmacêutica, que era anteriormente conhecida Janssen, para Johnson & Johnson Innovative Medicine. Além disso, a linha de produtos de consumo, mais amplamente conhecida, incluindo as marcas BandAid e Listerine, passaram a ser chamadas de Kenvue. 

Porem, a estratégia de reposicionamento optou por fazer essa transição de forma gradual, e assim manter temporariamente o nome Johnson & Johnson nos produtos até ocorra uma substituição completa do estoque.

A mudança de design, do logotipo que era utilizado desde 1987, foi conduzida pela Wolff Olins, dando prioridade em construir uma identidade online que fosse mais eficaz e, assim, mais alinhando com as demandas da Era Digital. 

Isso envolveu não apenas a modernização do logotipo, mas também manter a cor vermelha e o símbolo “&”, que foi redesenhado para ser mais globalmente reconhecível. 

A nova logo da Johnson & Johnson não só está alinhada com as tendências atuais de design farmacêutico, como também pode ser vista na identidade Kenvue e no recente redesenho da GSK (também pela Wolff Olins). E certamente fornece um sinal visual de que a marca mudou. 

Western Union

[embedded content]

A Western Union é globalmente conhecida quando falamos em transações financeiras. A empresa está presente em mais de 200 países e territórios e, em 2023, também foi uma da empresa que anunciou o seu rebrand. 

Diante do crescente uso de pagamentos digitais e da diminuição de serviços bancários tradicionais, a Western Union fez seu rebranding para alinhar a empresa com as expectativas dos consumidores e criar uma ponte entre seus serviços atuais e futuros, investindo em sua plataforma online e aplicativo.

O rebranding foi liderado pela agência Love Street and Company de Los Angeles. 

O novo logotipo representa uma mudança significativa quando comparamos à identidade anterior da empresa. O novo design é mais moderno e dinâmico. 

A mudança incluiu a alteração da tipografia e criação de um monograma abstrato. A paleta de cores, com o tradicional amarelo vibrante, foi mantida para dar continuidade de reconhecimento de marca.

Pepsi

[embedded content]

Para celebrar seus 125 anos, a A Pepsi anunciou o seu rebranding primeiro na América do Norte e, ao logo de 2024, no mundo todo. 

Após quase 15 anos desde a última atualização, a empresa trouxe uma homenagem à rica herança da marca, incorporando elementos contemporâneos.

O novo logotipo se destaca pela tipografia personalizada em negrito, introduzindo um “pulso” característico e uma paleta de cores atualizada. O preto ganha destaque, refletindo o compromisso da marca com a Pepsi Zero Sugar, que é uma das tendências de consumo atuais. 

Além disso, a Pepsi buscou não apenas modernizar sua imagem, mas também garantir flexibilidade e impacto em um mundo digital em constante expansão

A introdução de movimento e animação na nova identidade visual visa proporcionar versatilidade em diferentes contextos, desde prateleiras de varejo até espaços digitais, permitindo colaborações criativas e mantendo a marca relevante em diferentes pontos de contato. 

Max

Em um primeiro momento, talvez você tenha estranhado a notícia que o HBO Max ia passar a ser chamado apenas de Max. Mas, quando analisamos a estratégia por trás dessa ação, fica claro que o rebranding era necessário.

Em uma primeira análise, o objetivo foi apresentar a mistura da programação. Inicialmente, a HBO Max era o sucessor da HBO, mas incluía conteúdo além das ofertas tradicionais do canal a cabo. 

Por isso, ao adotar o nome Max, a Warner Bros. Discovery quis destacar que, dentro do streaming, há conteúdos mais diversificados para além da HBO.

Outro favor que motivou o rebranding foi o desejo de tornar o serviço de streaming mais “amigável para a família”, uma vez que a marca HBO poderia estar limitando o alcance do serviço para famílias com crianças.

Reddit

O Reddit passou por uma transformação significativa em sua identidade visual, marcando uma nova fase em sua história. 

O projeto, em parceria com a agência de design Pentagram, resultou em uma identidade visual mais coesa e atualizada, com destaque para a icônica mascote Snoo, que agora possui uma versão em 3D.

Além da revitalização da mascote, o redesenho incluiu a introdução de novas tipografias, como a Reddit Sans e a Reddit Display, bem como uma paleta de cores expandida para representar a vibrante diversidade das comunidades presentes na plataforma. 

O novo logotipo, composto pela cabeça estilizada do Snoo e a marca nominal “Reddit”, reflete a evolução da plataforma para uma era mais madura, preparando-se para uma possível oferta pública inicial em 2024.

A plataforma utilizou o rebranding para reafirma seu compromisso em ser o ponto de encontro digital para comunidades de todos os tipos, celebrando a inclusão e a expressão criativa de seus usuários.

Petz 

[embedded content]

Ao fazer o seu rebranding, a Petz tinha o objetivo de integrar suas marcas próprias e serviços. A empresa buscou mostrar que oferece mais do que apenas produtos, tornando-se um ecossistema completo para tutores e seus animais de estimação. 

A transformação inclui a unificação de aplicativos, facilitando o acesso a serviços veterinários e de banho, e a repaginação do programa de fidelidade, agora chamado de Clubz. 

Sobre o novo design foi criado pela agência Ginga, trazendo uma nova logo que, apesar de apresentar um peso maior, ainda mantém uma aparência sintática e carismática. 

Essa foi uma identidade desenvolvida para funcionar tanto no offline, em lojas físicas, quanto online no app, site e redes sociais.  

Itaú

[embedded content]

Outra marca que, na lista dos rebrandings de 2023, movimentou a internet.

O banco Itaú é o líder no ranking de marcas mais valiosas do Brasil em 2023 e, quando anunciou seu rebranding optando por uma transformação profunda em sua identidade visual, chamou a atenção de todo o mercado brasileiro.

A nova identidade preserva elementos como o uso do quadrado abaulado, associado à pedra preta (itaú em tupi-guarani), destacando ainda mais esses símbolos e modernizando a comunicação. O design flexível e contemporâneo transmite uma imagem de segurança, cuidado e prontidão para atender as necessidades dos clientes.

Além das mudanças visuais, a estratégia inclui a atualização da tagline para “Feito de Futuro”, reforçando o compromisso do Itaú com as futuras gerações. 

A paleta de cores foi repensada para reforçar os valores de flexibilidade e modernidade, categorizando cada área de atuação do banco por cores distintas. 

A tipografia também passou por ajustes, tornando-se mais ousada e arredondada, visando uma maior legibilidade e uma conexão mais próxima com o público.

A mudança na tipografia, juntamente com a associação de cores, busca criar uma atmosfera amigável e acessível para todas as gerações. 

Twitter X

Posso falar sem medo de estar errada, entre os rebrandings de 2023, o mais polêmico foi o Twitter. Esse case ainda vai ser comentado por muitos anos nas aulas de marketing pelo mundo. 

Mas, caso você esteve em outro planeta ou off do mundo digital e quer se inteirar sobre o caso do Twitter, a história completa foi contada em nosso blog post

O rebranding do Twitter, agora chamado de “X”, aconteceu sobre a liderança de Elon Musk. 

Desde que Musk adquiriu oficial a rede social em 2023, a empresa passou por mudanças drásticas. Quem lembra da demissão de cerca de 80% de seus funcionários? Ou da introdução de medidas como limitar o número de postagens e mensagens diretas?

Sobre o rebranding, o anúncio veio após uma série de tweets misteriosos de Musk, revelando o novo nome e logotipo. 

A mudança para “X” reflete a visão de Musk de transformar o Twitter em um “aplicativo completo”, ou “super app”, semelhante ao chinês WeChat, incorporando não apenas interações sociais, mas também funcionalidades financeiras e de compras. 

A escolha da letra “X” é consistente com a visão de Musk, que já usou a mesma letra em sua empresa SpaceX.

Para muitos especialistas em marketing, a mudança foi um erro, pois destruiu uma marca construída ao longo de 17 anos, além de diversas outras críticas e memes que surgiram após o anúncio do rebranding.

E, afinal, por que tantas marcas fizeram rebranding em 2023?

Você provavelmente já deve ter percebido que desde a COVID-19, o mundo vem passando por grandes mudanças e cada vez mais aceleradas. No mundo do branding isso não é diferente. 

Um estudo feito pela Hanover Research mostrou que 75% das empresas passaram por uma reformulação de marca desde 2020. Já uma pesquisa feita pela UPCity em 2022 concluiu que 51% das empresas alteram sua identidade visual desde a pandemia da COVID-19

Mas o que tem motivado essas empresas a investirem nesse tipo de reposicionamento? 

Pelo que consegui perceber ao estudar sobre o assunto, chego a dois pontos principais: necessidade e oportunidade

A necessidade é motivada por razões como fusão, mudança na liderança ou uma crise que impacta a forma como a empresa é percebida pelo público.

Já a oportunidade, surge de expectativa de crescimento, mudança significativa no produto ou serviço, ou até uma reorganização da empresa diante do mercado. 

Independente do motivo que leve uma empresa a investir no rebranding, esse é um processo que demanda tempo, e que não traz ganhos financeiros em um curto prazo, e dependendo das estratégias escolhidas pode trazer um desconforto para o público. Mas é sempre (ou deveria ser) uma estratégia que busca construir um futuro melhor. 

Teve mais uma centena de marcas que fizeram parte dos rebrandings de 2023, mas essa é a nossa lista. Teve alguma marca aqui que também chamou sua atenção? Se você fosse escrever esse texto, teria escolhido outras marcas para relembrar? 

Compartilhe esse texto nas redes sociais contando a sua opinião pra gente.

Como Aplicar a Interatividade em Cada Etapa do Funil de Marketing [+ Exemplos para se Inspirar]

Criar ebooks, whitepapers, infográficos e outros conteúdos úteis tem sido uma prática fundamental para os profissionais de marketing ao longo dos anos. Esses recursos são excelentes para gerar leads, educar a audiência e alcançar diversos KPIs.

No entanto, já faz um tempo que as pessoas estão dividindo a atenção entre a enorme quantidade de conteúdo disponível em diversos formatos. Foi aí que o engajamento se tornou fundamental para entender o quão relevante são esses ativos.

Profissionais de marketing se viram em um paradigma: como fornecer o valor desejado e manter a audiência envolvida ao mesmo tempo?

Os elementos interativos têm sido uma ótima opção para ajudar a responder essa pergunta. Um estudo recente da Mediafly mostra que o conteúdo interativo envolve 52,6% mais do que peças estáticas, e esses dados devem ser levados em consideração ao planejar uma estratégia.

Eu sei que uma preocupação comum para os profissionais de marketing em relação à interatividade é a percepção de dificuldade em sua aplicação, exigindo habilidades de codificação e frequentemente faltando expertise interna. Bem, não mais.

Neste artigo, você aprenderá que não é mais necessário usar codificação para criar experiências interativas e envolventes. Você também aprenderá como aplicá-las em cada etapa do seu funil de marketing e verá ótimos exemplos para se inspirar.

Ao criar ativos como quizzes, calculadoras e avaliações, é possível atender a outra necessidade do público: a personalização. Mais uma vez, esse é um ponto crucial quando se trata de engajamento, persuasão e experiência.

A quantidade de formatos interativos que você pode aplicar à sua estratégia é imensa; tudo depende da sua criatividade. Além disso, eles podem ser criados para apoiar empresas em diferentes objetivos ao longo da jornada do comprador, desde a conscientização até a conversão, da visibilidade à receita.

Vamos ver como.

Como aplicar a interatividade em cada etapa do funil de marketing?

Etapa de Conscientização

Nesta fase, o leitor pode não saber que possui um problema ou necessidade para as soluções que você oferece. De acordo com a Mediafly, o conteúdo interativo proporciona uma visualização de conteúdo 94% maior em comparação com peças estáticas, sendo uma ótima oportunidade para gerar reconhecimento de marca.

Um ebook interativo sobre a área deles pode ser uma excelente oportunidade para apresentar sua marca e destacá-la como uma autoridade no assunto. Essa também é uma oportunidade excelente para converter leitores em leads e coletar dados relevantes enquanto interagem com o ebook.

Webinars também oferecem uma ótima oportunidade para chamar a atenção das pessoas, responder a perguntas básicas e se conectar com a audiência. Na Rock Content, temos as Jam Sessions, onde utilizamos páginas interativas como uma galeria de conteúdo e para transmitir webinars ao vivo.

Você também pode transformar os visitantes em leads e coletar feedback adicionando CTAs e outros elementos interativos dentro dessas páginas.

Como exemplo, você pode conferir nosso ebook interativo: “O impacto da Inteligência Artificial 

no Marketing de Conteúdo.

Etapa de Consideração

Neste momento, as pessoas estão cientes da necessidade de uma solução e começam a avaliar maneiras potenciais de resolver seus problemas. Enquanto os ebooks interativos podem fornecer informações mais específicas, explorar outros formatos também é válido.

Infográficos interativos oferecem a maneira perfeita de simplificar informações complexas—um aspecto essencial durante o estágio de consideração. Eles são eficazes em apresentar dados e números, oferecendo suporte valioso às suas narrativas e ajudando os visitantes a tomar decisões baseadas em dados.

Quizzes e calculadoras desempenham um papel significativo nesta fase. Os visitantes podem fornecer respostas detalhadas e receber recomendações e resultados personalizados, aprimorando sua experiência geral e aproximando suas soluções deles.

Por último, mas não menos importante, os formatos mencionados acima também são excelentes fontes de informação, permitindo que você colete dados de primeira mão com base em suas entradas. Isso possibilita às equipes de marketing e vendas personalizar sua abordagem ao lead, aumentando assim as chances de fechar negócios.

Exemplo de quiz: Qual é o nível de maturidade da sua estratégia de conteúdo?

Etapa de Decisão

Neste momento, o visitante já está familiarizado com seus desafios, seus produtos e serviços. Ele apenas precisa de garantias de que sua empresa é exatamente o que está procurando.

Um ebook interativo pode parecer superficial para esses contatos. No entanto, um whitepaper interativo, com uma estrutura semelhante aos ebooks interativos, fornece informações mais aprofundadas e técnicas sobre o seu assunto. Pode ser um ponto de virada para ajudar a pessoa a avançar com a compra.

Infográficos interativos são úteis para fazer comparações, permitindo que você destaque seus benefícios em relação aos concorrentes. Calculadoras também são uma opção viável; você pode oferecer uma calculadora de desconto ou até mesmo calcular o ROI que seu contato terá ao adquirir sua solução.

Durante o estágio de decisão, casos de sucesso, estudos de caso e depoimentos de clientes são cruciais. Entregar esses ativos por meio de uma experiência interativa cativa o leitor e adiciona mais credibilidade às suas narrativas.

Clique aqui para ver o exemplo de uma calculadora interativa.

Como criar experiências interativas?

Os exemplos que mencionei acima são, obviamente, da Rock Content, e foram também feitos usando nossa própria plataforma de conteúdo interativo: Ion.

Com o Ion, você pode criar infinitos tipos de experiências interativas do zero ou utilizando os modelos da nossa Quickstart Gallery. A melhor parte é que você pode fazer tudo isso sem a necessidade de programação.

Como mencionado anteriormente, é uma ótima oportunidade para gerar resultados desde a conscientização até as conversões e capacitar as equipes de vendas com as informações fornecidas à medida que o visitante consome o conteúdo.

Você é mais do que bem-vindo(a) para visitar nossa página de Galeria de Clientes e conversar com um de nossos especialistas para entender como aplicar conteúdo interativo à sua própria estratégia: Clique aqui e agende uma Demonstração Gratuita!