Afinal, como viralizar no TikTok? Veja 9 dicas para bombar na plataforma

Profissionais de marketing sempre estão atrás do que bomba nas redes sociais, e não é difícil entender por que hoje um dos maiores interesses é saber como viralizar no TikTok.

Os vídeos virais da rede podem atingir milhares de pessoas em poucas horas, são fáceis de fazer e não requerem um orçamento alto — ou, em muitos casos, orçamento nenhum.

Do ponto de vista das marcas, um benefício ainda mais atrativo dos virais é financeiro.

Se uma empresa retém uma pequena parte da audiência alcançada com os vídeos virais, os resultados já vão além da visibilidade e se traduzem em mais conversões.

Os números mostram que o TikTok é considerado uma das redes sociais com maior ROI (Retorno sobre Investimento) no marketing, segundo o State of Marketing 2024 do HubSpot em parceria com Litmus, Rock Content e Search Engine Journal.

44% dos participantes da pesquisa afirmaram usar o TikTok em suas estratégias de marketing, e 24% deles o consideram a rede social na qual obtiveram o maior ROI.

Tudo que você precisa para saber como viralizar no TikTok é uma compreensão de como funciona o algoritmo da rede e estratégias estão por trás dos principais virais.

Nosso guia apresenta 9 dicas sobre como fazer um vídeo viralizar no TikTok, incluindo exemplos e detalhes como usar as estratégias virais na prática. Confira!

1. Conheça sua audiência e nicho

O TikTok é cheio de diversidade, e encontrar seu próprio nicho pode ajudar a se destacar.

A identificação com determinado público envolve compreender quem são essas pessoas, quais são seus interesses e como elas interagem com o conteúdo.

Essa familiaridade com o que seu público gosta e o que está acontecendo no seu nicho dá a chance de participar de trends que têm mais probabilidade de ressoar com a audiência.

Compreender os padrões de comportamento da audiência também poderá ser útil no planejamento da rotina de publicações no TikTok.

2. Participe de trends

No TikTok, as “trends” são músicas, memes e desafios que estão em alta na plataforma.

Participar dessas tendências pode aumentar suas chances de viralizar, pois a ideia é que você consiga se conectar com uma audiência que já está engajada com um conteúdo.

Para ficar de olho nas principais trends, você pode acompanhar a página “Trends Que Estão Em Alta No Momento” dentro do próprio TikTok.

No caso das marcas, verificar quais são as trends que os principais concorrentes estão seguindo também fornece uma noção de quais tendências são mais relevantes.

3. Use hashtags estratégicas

As hashtags são uma parte importante de uma estratégia de SEO no TikTok, pois usá-las pode levar seus vídeos a um número maior de usuários.

Segundo Rafael Kiso, co-fundador da mLabs, o maior diferencial das hashtags no TikTok comparada ao uso desse mesmo recurso em outras redes sociais está na relação direta entre as hashtags e as trends.

Quando uma hashtag se torna popular, é porque ela está associada a uma trend específica que está ganhando destaque entre os usuários dentro da rede.

Então, escolher as hashtags relevantes no TikTok passa por identificar as tendências das quais seu público gostaria que você fizesse parte.

Também é recomendável adicionar as hashtags às descrições de vídeos que não fazem parte de nenhuma trend específica. Se o seu vídeo é sobre culinária, por exemplo, uma hashtag como #receitasdecozinha pode ser relevante.

Com as hashtags certas, esses vídeos da sua conta ficarão mais acessíveis para usuários que estão interessados nos mesmos assuntos.

5. Tenha regularidade de publicações

Postar conteúdo de forma consistente, em intervalos previsíveis, impacta diretamente a capacidade de viralizar no TikTok.

Isso acontece porque a regularidade de publicações mantém seu perfil em destaque no feed dos seguidores e no algoritmo da plataforma.

Quanto mais frequentemente você posta, mais oportunidades tem de aparecer nos feeds e ser descoberto por novos usuários.

O próprio TikTok recomenda postar de 1 a 4 vezes por dia para maximizar seu alcance.

Mas é importante encontrar a frequência que funcione para o seu público e para o algoritmo, o que pode exigir um pouco de experimentação e monitoramento do desempenho do conteúdo.

6. Crie conteúdo autêntico e original

A autenticidade é o que torna seu conteúdo único, e é o que atrai seguidores que se identificam com sua personalidade e estilo.

É importante não ter medo de ser vulnerável, engraçado, sincero ou criativo: o importante é ser genuíno e mostrar sua autenticidade.

Isso significa evitar apenas imitar tudo que você viu em um vídeo viral, e em vez disso, colocar sua própria reviravolta em trends populares.

Veja o exemplo abaixo da Julia Chaves, que publicou um vídeo super produzido com várias reviravoltas para a trend #trendmakeupbrasileira:

Portanto, não tenha medo de ser diferente e experimentar novas ideias.

Sua autenticidade é o que torna seu conteúdo cativante, e é isso que vai ajudar a se destacar e viralizar no TikTok.

7. Interaja com a comunidade

No TikTok, existem várias maneiras de interagir com a comunidade.

Você pode responder aos comentários dos seus seguidores, participar de desafios e até criar conteúdo que responda às perguntas ou sugestões dos seus seguidores.

Quanto mais você interage, mais forte será sua presença na plataforma e maiores serão suas chances de viralização.

O ator e comediante Rafael Saraiva, além de publicar muitos vídeos engraçados no TikTok, também é ótimo para responder os comentários.

Muitas vezes, as respostas são tão engraçadas quanto os próprios vídeos.

Você também pode se interessar por estes conteúdos:

8. Colaborações com influenciadores

As colaborações no TikTok são talvez uma das maneiras mais diretas de acessar diretamente novos potenciais seguidores.

Se você criar um vídeo de colaboração com um influenciador que já tem uma base de seguidores estabelecida, você está se aproveitando do alcance e da credibilidade dele para chegar a um público que pode não estar familiarizado com o seu conteúdo.

Essa exposição pode levar a um aumento de visualizações, curtidas e seguidores.

Uma estratégia para quem busca novas colaborações é entrar em contato com criadores ou marcas com seguidores de tamanho semelhante (ou um pouco maior) ao seu.

Isso tornará o contato menos intimidante e a colaboração mutuamente benéfica.

A marca de perfumaria Avon frequentemente colabora com influenciadores que produzem conteúdos sobre maquiagem e cuidados com a pele, certificando-se de marcar os criadores nas descrições para garantir o alcance da audiência de ambas as partes.

9. Aproveitar o TikTok Ads Manager

O TikTok Ads Manager oferece uma gama de funcionalidades para que você coloque em prática suas campanhas e alcance novos usuários.

A plataforma permite que as marcas personalizem campanhas para alcançar um público segmentado por idade, localização, interesses ou outros critérios.

Pelo TikTok Ads, você também pode criar anúncios em vídeo e várias opções de formatos.

Aderir à plataforma de anúncios do TikTok e publicar um anúncio é simples:

  1. crie uma conta no TikTok Ads Manager;
  2. descreva sua empresa e informe seus dados de cobrança;
  3. configure seu tipo de pagamento e selecione o modo do TikTok Ads Manager;
  4. monte seu anúncio;
  5. revise e envie seu anúncio para análise.

Qualquer pessoa ou empresa pode aderir ao TikTok Ads e começar a criar campanhas na plataforma.

FAQ: dúvidas comuns sobre viralizar no TikTok

Se ficou com alguma dúvida sobre como bombar no TikTok, confira abaixo algumas respostas para questões comuns sobre como produzir seu próximo viral na rede.

O que fazer para bombar no TikTok?

Não há uma receita mágica garantida para o sucesso no TikTok, mas existem práticas recomendadas que podem aumentar as chances de ser um viral, como se manter autêntico, participar de trends, usar hashtags e interagir com a comunidade.

O que mais viraliza no TikTok?

Vídeos engraçados, desafios, danças e tutoriais úteis são conteúdos frequentemente viralizados no TikTok. A Central de Criativos do próprio TikTok oferece insights sobre músicas, tendências e formatos populares na plataforma.

Qual hashtag usar no TikTok para viralizar?

O TikTok Ads fornece um ranking atualizado em tempo real das hashtags do momento que estão viralizando dentro da rede. Por lá, você pode selecionar filtros se quiser personalizar a pesquisa, como país e setor. No dia da produção deste artigo, as principais hashtags do ranking geral do TikTok Ads eram #diasdasmaes, #metgala e #diadasmães.

O que fazer para ter visualizações no TikTok?

Aumentar as visualizações no TikTok vai além de apenas produzir conteúdo, é preciso manter uma rotina de publicações, ter uma bio completa e atraente, fazer colaborações com marcas ou influenciadores e usar diferentes formatos de vídeos.

Com quantas visualizações o vídeo viraliza no TikTok?

Não há uma quantidade exata de visualizações que define quando um vídeo viraliza no TikTok. No entanto, para ser considerado viral, geralmente precisa atingir pelo menos 1 milhão de visualizações.

Conclusão

Pode até parecer que é fácil obter milhares de visualizações e comentários no TikTok, mas a realidade, como vimos, é que existem estratégias por trás desse sucesso.

Com as dicas certas e um pouco de esforço, você pode aumentar suas chances de viralizar na plataforma. Lembre-se sempre de ser autêntico, acompanhar as trends e interagir com sua comunidade.

Se quiser encontrar estrategistas de conteúdo e especialistas em redes sociais que podem ajudar a viralizar no TikTok, experimente agora o teste grátis de 14 dias do WriterAccess

Conheça as melhores alternativas ao ChatGPT no mercado

Encontrar alternativas ao ChatGPT é fundamental para um profissional de Marketing Digital. Afinal, a inteligência artificial se popularizou por atender a diversas necessidades do mercado. 

Para ter ideia, um recente estudo da Price Waterhouse Cooper (PwC) prevê que, até 2030, a IA adicionará mais de 15 trilhões de dólares à economia global e impulsionará economias locais em até 26%. 

No contexto específico do Marketing, tecnologias de IA estão sendo cada vez mais utilizadas para criar conteúdo personalizado e entregar resultados precisos para as marcas. Segundo o relatório State of Marketing 2024, conduzido por líderes do mercado como HubSpot, Litmus, Rock Content e Search Engine Journal, 85% dos profissionais de marketing afirmam que a IA melhorou a qualidade do conteúdo.

Porém, a ferramenta da Open IA não é a única opção disponível. Assim, ao conhecer outras opções além do ChatGPT, você entende como o mercado de IA está funcionando, fica sabendo quais são os recursos e modelos estão em alta e como isso pode impactar na precificação e nas demandas.

Neste artigo, reunimos as melhores ferramentas de inteligência artificial que são alternativas ao ChatGPT para a área do marketing digital. Continue conosco e saiba tudo sobre o tema!

AI Copilot da Rock Content

Criada pela Rock Content, a AI Copilot é uma ferramenta para simplificar a criação de conteúdo. Com ela, até mesmo quem não é especialista no assunto consegue desenvolver conteúdos de alta qualidade gerados via IA. Tudo isso mantendo a personalidade, tom e voz da marca.

Funcionalidades

Com a AI Copilot, você supera a simples criação de conteúdo para blogs. Além de blogposts de qualidade, você também consegue desenvolver copy de e-mail marketing, anúncios, posts para redes sociais, landing pages e roteiros de vídeo para TikTok.

Nesse print da primeira tela do AI Copilot dá para ter uma noção do que estamos falando. Confira os principais recursos oferecidos pela ferramenta!

Tela inicial do AI Copilot da Rock Content

Tela inicial do AI Copilot da Rock Content

Tela inicial do AI Copilot da Rock Content

Basta escolher o tipo de conteúdo que você deseja e preencher as informações necessárias. Por exemplo, se quiser uma sequência de e-mails, você precisará fornecer:

  • uma descrição de produto ou serviço;
  • número de emails na sua sequência;
  • tópicos principais da sua sequência de emails;
  • público-alvo;
  • tom de voz;
  • idioma.

Depois disso, só clicar em ‘Criar conteúdo’ para ver a magia acontecer! O processo também é simples assim com qualquer tipo de conteúdo que você escolha. 

Além de todas essas funcionalidades, outra grande vantagem do AI Copilot é que a ferramenta personaliza todo o conteúdo segundo a identidade da marca e ainda integra a produção com a rede de talentos do WriterAccess.

Dessa forma, você pode desenvolver seus conteúdos com a ferramenta de IA e submeter o resultado a uma revisão humana, garantindo a humanização do conteúdo de IA.

Então, por exemplo, o AI Copilot permite que você use a inteligência artificial na criação de conteúdo para blog sem complicações. Veja só como é fácil:

  1. Crie seu briefing: você compartilha o domínio do seu site, localização do público e idioma e a ferramenta ajuda a criar um briefing, incluindo palavras-chave relevantes para o seu negócio com informações como volume de busca e nível de dificuldade de ranqueamento, numa escala de 0-100. Você pode personalizar tom de voz, desafios do negócio e demais informações sobre a sua marca nessa etapa. 
palavra-chave AI Copilot nível de dificuldade
  1. Crie e personalize título e subtítulos: agora que você já tem uma ideia do que vai falar, é hora de usar a inteligência artificial no marketing para criar título e subtítulos atrativos, então conte com o AI Copilot para criá-los usando boas práticas de SEO, adaptando o tom de voz; 
  2. Gere seu artigo: depois de título H1 e H2 configurados, é só clicar em ‘gerar artigo’ para ver a mágica acontecer. Espere uns minutinhos e depois, voilà, artigo pronto. 
  3. Solicite uma edição humana: por meio da WriterAccess Humanizer, a ferramenta conecta você com editores da rede de talentos WriterAccess, ajudando a conquistar um resultado mais autêntico desse conteúdo feito por IA. 

Pronto! Com estes 3 passos rápidos e simples é possível desenvolver conteúdos usando o AI Copilot.

Diferenciais

Como pontos fortes dessa ferramenta, podemos destacar:

  • engenharia de prompts avançada;
  • ferramentas para identificar palavras-chave relevantes;
  • planos acessíveis com créditos gratuitos iniciais;
  • permite conexão com os talentos especializados da WriterAccess.

Planos e preços

O AI Copilot oferece 3 formatos de contratação.

  1. Grátis: você recebe 5 créditos gratuitos para testar a ferramenta.
  2. Plano básico: a partir de R$ 49,90 ao mês, você recebe 50 créditos para desenvolver seus conteúdos no período. Lembrando que este valor está sujeito a alteração.
  3. Enterprise: se você tem projetos maiores, esta é a sua modalidade. Neste caso, a proposta será personalizada de acordo com sua demanda.

Quer testar essa ferramenta agora mesmo? Experimente o AI Copilot gratuitamente, receba os 5 primeiros conteúdos grátis!

Gemini

Anteriormente conhecido como Bard, o Google Gemini é um assistente conversacional baseado na tecnologia LaMDA do Google. 

Ele fornece respostas interativas e informativas, por isso, tem se mostrado como uma das ferramentas de IA multimodal para profissionais de marketing digital. Também permite desenvolver textos e imagens com inteligência artificial.

Gemini está no coração da mais recente inovação do Google, os AI Overviews, uma evolução da funcionalidade de busca introduzida anteriormente como SGE (Search Generative Engine)

Essa tecnologia foi aprimorada e rebatizada para melhor descrever sua capacidade de fornecer um panorama abrangente no topo dos resultados de busca, melhorando significativamente a integração da inteligência artificial nas buscas diárias.

A ideia central dos AI Overviews é que o “Google faz a busca por você”, aumentando a eficiência e profundidade da pesquisa. Os usuários podem agora fazer perguntas complexas e receber respostas sintetizadas que não apenas atendem diretamente à consulta, mas também oferecem uma gama de perspectivas e links para leituras adicionais — tudo isso em questão de segundos.

O que torna isso possível é o ‘raciocínio multietapas’ do modelo Gemini. Esse processo envolve a decomposição de uma pergunta complexa em suas partes componentes, determinando a sequência em que cada aspecto deve ser abordado e, em seguida, entregando uma resposta coesa

Funcionalidades

O Gemini integra os dados da web para respostas atualizadas, permitindo que seus conteúdos sejam válidos e coerentes para os usuários e para os algoritmos de ranqueamento de mecanismos de busca como o Google. A ferramenta também fornece informações informativas e interativas, facilitando o processo de criação.

Diferenciais

Entre os diferenciais do Gemini, destacamos:

  • integração com outros produtos do Google;
  • capacidade de fornecer respostas atualizadas.

Microsoft Copilot

Com o nome inicial de Microsoft Bing Chat, o Microsoft Copilot é um assistente conversacional que usa a tecnologia OpenAI. Além disso, ela já está totalmente integrada ao buscador da empresa, o Bing.

Funcionalidades

Uma das funcionalidades oferecidas pelo Microsoft Copilot são suas respostas conversacionais contextualizadas, o que facilita para o usuário a criação de seus conteúdos.

Além disso, a ferramenta é integrada com o Microsoft Edge e Microsoft 365, beneficiando principalmente as organizações que já trabalham com uma dessas soluções e o uso da inteligência artificial por equipes.

Diferenciais

Como diferenciais do Microsoft Copilot destacamos:

  • oportunidade de fazer buscas mais precisas;
  • boa usabilidade, aprimorada e integrada com outros serviços da Microsoft.

IBM Watsonx Assistant

O IBM Watsonx Assistant está focado em entregar uma experiência conversacional aprimorada, fornecendo capacidades robustas de conversação. Na prática, é uma inteligência artificial orientada para empresas, o que oferece ferramentas analíticas.

Funcionalidades

O IBM Watsonx Assistant consegue entender complexidades linguísticas, permitindo uma análise do atendimento ao cliente. Além disso, a ferramenta também consegue se integrar com múltiplas plataformas.

Diferenciais

Focado no mercado corporativo, os diferenciais dessa inteligência artificial são:

  • capacidade analítica para otimizar o atendimento ao cliente;
  • possibilidade de integração com outras soluções IBM.

Replika

O Replika é um chatbot pessoal e companheiro digital. Focado no relacionamento pessoal, a ferramenta visa o apoio mental e a garantia do bem-estar emocional. Talvez seja futurista para uns e assustador para outros, mas essa é uma inteligência artificial que cumpre bem o papel de ouvir e conversar com o usuário.

Funcionalidades

Com o Replika, o usuário cria um avatar digital e desenvolve ambientes em um cenário. Então ele interage com diferentes personagens fictícios, desenvolvendo conversas e realizando atividades.

Diferenciais

Podemos destacar como diferenciais do Replika:

  • personalização de avatar, inclusive dando personalidade a ele;
  • desenvolvimento de conversas interativas focadas no bem-estar do usuário.

Character.AI

O Character.AI é uma plataforma desenvolvida para criar e interagir com personagens alimentados por IA. A ideia é que o usuário tenha acesso a personalidades pré-criadas, customizando tudo de acordo com suas diretrizes.

Funcionalidades

Com o Character.AI, é possível criar personagens fictícios ou históricos, como temos visto na produção de vários conteúdos que usam imagens de figuras históricas como os antigos filósofos gregos ou cientistas famosos, mas também personagens de jogos ou categorias, como ‘Professor de inglês’ ou ‘Recrutador de RH’.

Além disso, a inteligência artificial desenvolve respostas com base na narrativa desenvolvida pelo usuário. 

Ou seja, você pode conversar, por exemplo, com Napoleão, mas criar um ambiente atual. Os diálogos são bem engraçados e interessantes! Mas também dá para fazer algo mais sério, como treinar para aquela entrevista de emprego importante.

Diferenciais

Os principais diferenciais do Character.AI são:

  • personalização avançada dos personagens;
  • experiência única e envolvente.

FAQs sobre alternativas ao ChatGPT

Algumas dúvidas respondidas sobre alternativas ao ChatGPT.

Qual substituto do ChatGPT?

A princípio, temos o AI Copilot da Rock Content, o Gemini, o Microsoft Copilot, o Replika e o Character.AI. Cada uma varia conforme as funcionalidades que o usuário busca e é importante atentar para a especialidade de cada ferramenta. O AI Copilot da Rock Content está focado nas soluções em marketing de conteúdo, por exemplo, enquanto o Replika foca na interatividade e bem-estar. 

Qual é o concorrente do ChatGPT?

Existem vários concorrentes do ChatGPT: AI Copilot da Rock Content, Gemini, Microsoft Copilot, Replika e Character.AI. são alguns exemplos. Tudo depende das funcionalidades e diferenciais buscados pelo usuário.

Qual IA é melhor que ChatGPT?

Não existe inteligência artificial melhor ou pior que o ChatGPT, o que existe, na verdade, são ferramentas que cumprem demandas específicas segundo a demanda do usuário. Por exemplo, o AI Copilot da Rock Content está focado nas soluções em marketing de conteúdo.

Qual site substitui o GPT?

Qualquer ferramenta de IA pode substituir o ChatGPT. Isso varia segundo as demandas específicas conforme a demanda do usuário.

Viu como existem várias alternativas ao ChatGPT? Neste artigo listamos o AI Copilot da Rock Content, Gemini, Microsoft Copilot, Replika e Character.AI. Claro que, para escolher a ferramenta adequada para você, primeiro você deve definir quais serão as prioridades de uso dessa inteligência artificial.

Se seu foco é na criação de conteúdos e estratégias de marketing digital, então experimente o AI Copilot gratuitamente e veja como é possível desenvolver materiais de qualidade com o auxílio da inteligência artificial.

O que é identidade de marca e como a música ajuda na sua construção?

A partir do Marketing 4.0, a relação de uma marca com o seu consumidor deixa de ser apenas o oferecimento de produtos que tenham determinada função e passa a ser o que os produtos significam para os seus consumidores.

Ainda, com o avanço brutal da oferta de produtos que resolvem os mesmo problemas, são necessárias algumas estratégias para se diferenciar da concorrência e conquistar a atenção e a fidelidade do consumidor.

Nessa abordagem, a marca passa a ser uma persona e responder com uma personalidade e um tom de voz específico e, a partir disso, constrói um relacionamento emocional com o público. Esses elementos que constituem o perfil da marca são o que chamamos de identidade de marca.

Nesse texto vamos entender melhor sobre o conceito e ainda aprender como a música pode ajudar nesse processo de construção de identidade.

Identidade de marca é o conjunto de elementos visuais, conceituais e emocionais que representam a essência de uma empresa, produto ou serviço. Ela vai muito além do logotipo.

A identidade de marca abrange elementos como cores, tipografia, tom de voz, personalidade e valores fundamentais da marca. Esses elementos trabalham juntos para criar uma imagem distinta e reconhecível, proporcionando uma conexão emocional com o público-alvo.

Uma identidade forte é essencial para diferenciar uma empresa em um mercado competitivo. Ela ajuda a estabelecer confiança e credibilidade, pois comunica consistência e profissionalismo em todos os pontos de contato da marca com o público.

Além disso, uma identidade de marca bem definida facilita o reconhecimento instantâneo, permitindo que os consumidores identifiquem e se lembrem da marca mais facilmente.

Ao desenvolver uma identidade de marca, os designers e profissionais de marketing consideram cuidadosamente a mensagem que desejam transmitir e como isso pode ressoar com o público-alvo. Cada aspecto dessa construção é projetado para contar uma história coesa sobre quem é a marca e o que ela representa.

A identidade de marca é composta por vários aspectos que, juntos, criam uma representação visual e conceitual da empresa. Aqui estão os principais componentes dessa identidade:

  • Logotipo: o logotipo é um símbolo gráfico único que representa visualmente a marca. É a parte mais reconhecível da identidade e geralmente inclui elementos como cores, formas e tipografia específica.
  • Cores: as cores escolhidas para uma identidade de marca são essenciais, pois têm o poder de evocar emoções e criar associações. Cores específicas são selecionadas para transmitir a personalidade da marca e estabelecer uma identidade visual consistente. Na Bananas Music, nossas cores principais são amarelo e preto, e isso está presente em todas as nossas peças e meios de comunicação. 
  • Tipografia: a escolha da tipografia (fontes) também é crucial. Diferentes tipos de letras têm suas próprias características visuais e podem transmitir diferentes mensagens. A tipografia usada na identidade de marca ajuda a definir o estilo e a voz da marca.
  • Estilo visual: isso abrange o design geral utilizado em materiais de Marketing, embalagens, website etc. Inclui elementos como layout, padrões, ilustrações, fotografias e estilos de gráficos que mantêm consistência e reforçam a identidade da marca.
  • Tom de voz: a maneira como uma marca se comunica com seu público também faz parte da identidade. O tom de voz reflete a personalidade da marca, podendo ser formal, divertido, acessível, entre outros.
  • Valores e Missão: os valores e a missão da marca são fundamentais para sua identidade. Eles guiam todas as decisões e comunicações da empresa, influenciando como ela se apresenta ao mundo.
  • Experiência do Cliente: a identidade de marca se manifesta na experiência que os clientes têm ao interagir com a empresa, desde o atendimento ao cliente até a embalagem do produto. Cada ponto de contato contribui para a percepção da marca.

A combinação dessas características dão vida a uma identidade coesa que não apenas diferencia uma marca das concorrentes, mas também cria uma conexão emocional e consistente com seu público-alvo.

Dedicar tempo à construção da identidade de marca é crucial por diversas razões. Em um mercado competitivo, uma identidade bem trabalhada e única diferencia a empresa dos seus principais concorrentes, facilitando a lembrança de marca pelos consumidores.

A construção cuidadosa da identidade também cria uma conexão emocional com os consumidores, especialmente quando os valores e a personalidade da marca ressoam com eles. Isso promove maior engajamento e identificação com a empresa.

Visualmente falando, uma identidade consistente, incluindo um logotipo memorável e cores distintas, facilita o reconhecimento imediato da marca em um ambiente onde a atenção é disputada. Isso é fundamental para o sucesso das estratégias de marketing, orientando campanhas mais eficazes e comunicações claras com os clientes.

Além disso, uma identidade de marca coesa garante uma experiência consistente para os clientes em todos os pontos de contato, contribuindo para uma experiência positiva e memorável, o que aumenta o valor percebido da empresa, influenciando positivamente nas vendas e na fidelidade dos clientes.

Por todos esses motivos, investir tempo na construção da identidade de marca é essencial para estabelecer uma presença distinta e duradoura no mercado, proporcionando um fundamento sólido para o crescimento e o sucesso da empresa.

Um estudo publicado pela IFPI, a Federação Internacional da Indústria Fonográfica, realizada com 43 mil pessoas em 26 países, mostra que a relação do brasileiro com a música está acima da média global em várias das categorias analisadas.

Uma das categorias analisadas foi o quanto as pessoas consomem música por semana: nós estamos conectados com a música 24,9 horas por semana contra a média global de 20,7 horas. Ou seja, se comunicar com o brasileiro por meio da música é uma estratégia que tem tudo para dar certo.

A música desempenha um papel significativo na construção da identidade de marca, proporcionando uma maneira emocionalmente envolvente de comunicar valores, estilo e personalidade para o público-alvo.

Uma música bem selecionada pode evocar emoções desejadas, como alegria, calma ou energia, influenciando a percepção dos consumidores sobre a marca.

Além disso, a associação com músicas ou artistas populares pode ajudar uma marca a se conectar com um determinado grupo demográfico ou estilo de vida, fortalecendo sua identidade e ampliando seu alcance.

Deu para perceber como a música transcende a mera audição, moldando a essência de uma marca e fortalecendo sua identidade. Antes de escolher a trilha ideal para a sua marca, confira nossas dicas a seguir! 

Música ambiente para ponto de venda

Como uma parte tão importante na essência de todo ser humano, o Marketing Sensorial enxergou o poder da música como esse instrumento de transmitir também as características de identidade das marcas.

Por isso, na hora de escolher uma música para tocar no ponto de venda, há  uma grande diferença entre colocar qualquer trilha para tocar e realizar uma pesquisa de identidade da marca e uma respectiva curadoria musical para saber quais são as músicas certas que vão estabelecer uma conexão emocional mais eficiente entre o cliente e a marca.

Playlists para plataformas de streaming

A conexão entre a música e as atividades do dia ocorre a pessoas de diferentes gostos musicais, perfis etc. Sabendo que provavelmente o seu público tem um ou mais momentos no dia onde a música tem papel especial, como a sua marca pode aproveitar essa oportunidade de comunicação tão próxima?

A comunicação durante esses momentos musicais, através de playlists de marca nas plataformas de streaming, pode falar muito sobre o propósito da sua empresa e os territórios onde ela se faz presente, além dos sentimentos e ideais que ela busca inspirar. 

Música como conteúdo para redes sociais

Promover ações nas redes sociais é uma excelente estratégia de Marketing devido ao seu alto poder de interação com as pessoas. Elas criam mais proximidade com o público — diferentemente da publicidade em mídias tradicionais — e têm sido uma forma de humanizar as relações entre marcas e consumidores.

A música pode ser um bom ponto de partida para diálogos nas redes sociais. Usando como exemplo a Geração Z, identificar o comportamento de consumo musical desse público é uma forma de estabelecer um contato mais dinâmico e verdadeiro com ele.

Foi o que a Bananas Music fez, por exemplo, junto a Youcom, loja de moda voltada para o público jovem, oferecendo roupas e acessórios com estilo contemporâneo e preços mais acessíveis:

[embedded content]

Mapeamento de cenas musicais

A música não só nos conecta com quem somos e o que estamos sentindo como também se encaixa com nossas tradições e momentos de celebração, como Carnaval, o São João, futebol, churrasco entre amigos e outros momentos de vivência coletiva.

Conhecer os gêneros musicais determinantes para a identidade de um público específico é fundamental para se comunicar com ele através da música

O mapeamento de cenas musicais ajuda a responder perguntas como:

  • Em qual cena musical podemos posicionar a marca?
  • Quais artistas e eventos têm maior aderência com a marca?
  • Quais os territórios musicais da minha concorrência?
  • Quais as principais ações de marca possíveis dentro do território da música?
  • Quais são as tendências emergentes e oportunidades na cena musical para a marca?

A partir de dados como esses, é possível contribuir com a construção e reforço da identidade e nas ações estratégicas da marca, possibilitando alcançar públicos específicos através da música.

Para garantir o sucesso dessas iniciativas com música, é fundamental contar com um parceiro especializado na curadoria musical para marcas. Dessa forma, é possível escolher músicas, festivais e artistas que contribuam com a coerência na identidade da marca.

Para receber mais conteúdos sobre music branding e curadoria musical para marcas assine a Music Inbox – a newsletter do Bananas Music!

* Conteúdo escrito por Débora Santos – Coordenadora de Marketing da Bananas Music. 

Tudo que você precisa saber sobre o atributo Href

Por mais que o conteúdo seja sempre considerado o “rei” no ambiente online, o que acontece por trás das cortinas também é fundamental para os resultados aparecerem. 

Seja para melhorar uma estratégia de Marketing de Conteúdo, seja para otimizar a experiência do usuário, o atributo href é um exemplo disso.

Um pequeno elemento que não é exibido em nenhuma página pode impactar os resultados de SEO, navegabilidade e até mesmo estratégias de aquisição de leads

O que acha, então, de se aprofundar em como esse elemento pode ser utilizado no dia a dia da sua equipe?

Continue a leitura para conferir!

O que é o atributo href e para que serve?

O atributo href, abreviação de Hypertext REFerence, é um elemento fundamental para a definição de hiperlinks no desenvolvimento web. 

Ele funciona assim: incorporado ao elemento <a>, o href direciona os usuários para endereços específicos de um site, landing page ou até mesmo páginas externas.

Um exemplo clássico vai ajudar a entender: imagine que você quer que o usuário entre na home do e-commerce, tudo bem? Você pode configurar o atributo assim:

<a href=”URL”>Compre agora</a>

Por mais que pareça algo simples, é muito importante para uma estratégia de link building, por exemplo. Também otimiza a experiência do usuário, permitindo uma navegação mais simples e intuitiva

No final das contas, é uma boa prática de SEO que vai ajudar na melhor indexação nas SERPs.

Quais são os exemplos mais comuns do uso do href?

Ainda não ficou claro como o href pode ser importante? Separamos alguns dos exemplos mais comuns de aplicação desse atributo. Confira!

Link para outro website

<a href=”https://rockcontent.com/”>Visite a Rock Content</a>

Link para um arquivo

<a href=”/arquivos/manual.pdf”>Baixe o Manual</a>

Link para e-mail (mailto)

<a href=”mailto:[email protected]”>Envie um email</a>

Link para telefone (tel)

<a href=”tel:+551199999999″>Ligue para gente!</a>

Link para âncora na mesma página

Elemento com atributo id:

<h2 id=”ancora”>Título Secundário</h2>

Link apontando para essa âncora

<a href=”#ancora”>Ir para o Título Secundário</a>

Quais são os atributos relacionados ao href?

Também é importante entender que existem alguns atributos relacionados ao href.

Target

O target é utilizado para definir onde o link vai ser aberto, permitindo mais controle sobre a experiência do usuário. O valor “_blank”, por exemplo, é útil para os usuários conseguirem explorar o link secundário em uma janela diferente, como nessa aplicação:

<a href=”https://rockcontent.com/” target=”_blank”>Abrir Rock Content em nova aba</a>

O resultado vai ser abrir o site da Rock Content em uma nova aba.

Rel

Já o atributo rel fala da relação entre a página de origem e o destino do link. Um dos valores mais utilizados é “nofollow”, que indica para os motores de busca que o link para ranqueamento deve ser ignorado

Pensando em SEO, ele é fundamental para manter a qualidade dos links do seu site. Você pode usar:

<a href=”https://exemplo.com/” rel=”nofollow”>Link nofollow</a>

Title

Enquanto isso, o atributo title foca em acessibilidade e hierarquia da informação, apresentando um texto prévio para explicar mais detalhes daquele link. Também ajuda na experiência do usuário e aumenta a interatividade dentro das suas páginas:

<a href=”https://rockcontent.com/” title=”Saiba mais sobre a Rock Content”>Rock Content</a>

Como criar um href eficaz?

O que fazer, então, para criar um href que realmente ajude a sua estratégia? Estas dicas podem ajudar!

Texto âncora relevante

Para criar um href eficaz, é fundamental utilizar textos-âncora que sejam claros e descritivos, refletindo o que realmente vai ser entregue naquele link. 

Esse cuidado ajuda a melhorar a usabilidade e o SEO, pois oferecem contexto para o algoritmo entender aquele direcionamento.

Em vez de apenas colocar “Leia mais”, você pode ter um conteúdo mais específico:

<a href=”https://rockcontent.com/marketing-conteudo”>Guia Completo de Marketing de Conteúdo</a>

Evite textos-âncora genéricos

Como falamos acima, textos-âncora genéricos, como “clique aqui” ou “saiba mais”, são menos eficientes para SEO e podem confundir o usuário quanto ao destino do link. 

É mais estratégico usar textos-âncora que descrevam o destino do link, como neste cenário:

Versão genérica:

<a href=”https://rockcontent.com/servicos”>Clique aqui</a>

Versão otimizada:

<a href=”https://rockcontent.com/servicos”>Conheça nossos serviços</a>

Links internos e externos

Você também precisa analisar os links internos pensando em navegação e a distribuição de autoridade SEO entre as páginas do seu site, ajudando a aumentar a relevância de certas páginas. 

Ao mesmo tempo, os links externos ajudam a melhorar a credibilidade do seu conteúdo. Aqui, pense na qualidade dos links externos e faça isso apenas para sites de autoridade no assunto, pesquisas e reportagem de veículos de comunicação de grande relevância. 

Nofollow e Dofollow

A utilização de rel=”nofollow” em um link é recomendada para quando não se deseja passar autoridade para o site linkado, muito comum em publicações patrocinadas ou links de afiliados:

<a href=”https://exemplo.com/” rel=”nofollow”>Link nofollow</a>

Por outro lado, links dofollow são o padrão e não precisam passar por uma atribuição específica. Eles são utilizados para passar autoridade entre as páginas, ajudando a melhorar o ranking do site nos resultados de pesquisa.

FAQs sobre o atributo href

Para que serve o href?

O atributo href é utilizado para direcionar usuários para diferentes URLs. Localizado no elemento <a>, esse atributo conecta uma página à outra, facilitando o acesso a diferentes websites, documentos ou seções específicas de um site.

Qual o significado de href?

Href é a abreviação de Hypertext REFerence, indicando uma referência de hipertexto que conecta partes de um documento ou leva o usuário para novos destinos digitais. Esse atributo atua como uma ponte entre o conteúdo atual e o recurso que se deseja acessar.

O que é href no HTML?

No HTML, href é um atributo que se incorpora em uma tag de âncora (<a>) para especificar o destino de um link. Na prática, esse destino pode ser um novo site, um arquivo específico, ou uma parte em uma página indicada por um ID.

Como criar um href?

Para criar um href, insira o atributo em uma tag <a>, especificando a URL de destino entre aspas, seguindo o sinal de igual. Por exemplo, para criar um link navegável, você pode usar <a href=”https://www.seusite.com”>Acesse mais informações</a>.

Para qualquer negócio que esteja pensando em otimizar a experiência proporcionada em suas páginas, o atributo href precisa ser considerado ao montar a sua estratégia. Além de ajudar a montar links mais eficazes, pode ser um diferencial para criar uma jornada de navegação ainda melhor em seu site.

E se você precisa começar a colocar a mão na massa, nada melhor do que contar com profissionais qualificados e com experiência no uso não só do atributo href, mas de criação de conteúdo técnico, certo? Conheça o WriterAccess e encontre freelancers experientes e especializados!

OpenAI terá seu próprio “Google”? O que os profissionais de marketing precisam saber sobre os novos avanços da OpenAI

Nas últimas semanas, todos no marketing estavam comentando sobre a possibilidade da OpenAI lançar um concorrente ao Google Search. Eram rumores por toda parte.

“É o fim do motor de busca do Google?” “SEO ainda vai fazer sentido?” “A OpenAI tem alguma chance?” Essas foram apenas algumas das perguntas circulando por aí.

Bem, o grande anúncio não aconteceu (pelo menos não esse), mas isso não significa que os avanços da OpenAI em busca estão parados.

Um ex-googler como novo vice-presidente da OpenAI

A OpenAI recentemente contratou Shivakumar Venkataraman como seu novo Vice-Presidente. Talvez você esteja se perguntando, “Quem é esse cara, Iasmine?” Bem, ele não é estranho no mundo tech — ele é um ex-chefão do Google.

Shivakumar Venkataraman’s Linkedin Experiences

No Google, ele liderou várias divisões, incluindo Search Ads, Google Labs e até a divisão de blockchain. Venkataraman possui diplomas em ciência da computação e já trabalhou na Hewlett-Packard Labs e na IBM antes do Google. Resumindo, o cara é top!

Então, dá pra ter certeza que ele não foi escolhido aleatoriamente. Com sua expertise, ele está pronto para ser um verdadeiro divisor de águas para a OpenAI, especialmente se eles estiverem realmente nadando rumo a sua própria versão do “Google Search.”

Investidores da Alphabet devem se preocupar?

Mesmo que a OpenAI lançasse um novo motor de busca amanhã, o Google está tão bem estabelecido que seria um desafio difícil destroná-lo.

O Google detém mais de 90% da participação no mercado de motores de busca, enquanto seu concorrente mais próximo — o Bing, tadinho — tem apenas 3,64%.

Mas a OpenAI terá seu próprio “Google” ou isso é história pra boi dormir?

O fato é: criar um novo motor de busca não parece estar na lista de tarefas de Sam Altman (CEO da OpenAI).

Em uma entrevista recente, Altman mencionou que imaginar a OpenAI criando um clone do Google “subestima o que [os avanços podem] ser.”

[embedded content]

Ele disse que está mais animado em ajudar as pessoas a encontrarem informações de maneiras totalmente novas. Altman não acha que o mundo precisa de outro Google, porém, integrar um chat como o ChatGPT com um motor de busca? Isso sim é “mais legal,” ele disse.

Altman também expressou sua insatisfação com modelos sustentados por anúncios, como Facebook e Google, nos quais  os anunciantes podem influenciar os resultados de busca. Ele disse que, com o ChatGPT, ele sabe que não é o produto sendo vendido.

Mas nós não estamos treinando a máquina toda vez que usamos o ChatGPT? Isso não nos torna um tipo de produto também? Só uma reflexãozinha básica.

O que está claro é que a OpenAI não planeja monetizar dados de usuários através de anúncios direcionados, o que Altman acredita ser financeiramente sustentável. Você acha?

Quais são os planos “mais legais” da OpenAI?

Dados em tempo real

Recentes acordos com editores como Dotdash Meredith, Le Monde e Prisa Media indicam um foco em fornecer aos usuários do ChatGPT acesso a conteúdo de notícias em tempo real e links para fontes originais.

Integrar dados em tempo real ao ChatGPT é bem legal, de fato. Mas o resultado das buscas não vai parecer com os links azuis que o Google disponibiliza na SERP; será mais como uma conversa bem fundamentada.

ChatGPT agora é “Omni”

A OpenAI acaba de introduzir o ChatGPT-4o (o “o” significa “omni” ou “tudo” em latim), prometendo respostas mais rápidas, conversas por voz e a capacidade de fazer upload de imagens e documentos para resumir, organizar ou fazer perguntas sobre eles.

Estas são promessas que eles vêm falando há um tempo. O ChatGPT-4o está disponível no desktop MacOS e apresenta uma interface mais amigável.

Outro recurso “legal” que eles lançaram é chamado “memory,” mas está disponível apenas para alguns usuários no momento para que eles testem.

Basicamente, esse recurso permite que você peça ao ChatGPT para lembrar de certos detalhes e então use essas informações para personalizar respostas no futuro. Veja esse exemplo que eles compartilharam na própria página:

“Você menciona que tem uma criança pequena e que ela adora águas-vivas. Quando você pede ao ChatGPT para ajudar a criar o cartão de aniversário dela, ele sugere uma água-viva usando um chapéu de festa.” (tradução livre)

Eu não sei você, mas isso me deixa um pouco desconfortável. Parece que estou me abrindo demais com um estranho.

[embedded content]

Usuários gratuitos do GPT-4o terão um limite de mensagens que resetará após algumas horas, mas pelo menos há uma opção gratuita, seguindo os passos do Google Gemini.

E falando em limites, a mensagem que você recebe quando atinge o limite não me faz querer muito atualizar para a versão Plus. 

É algo como: “Você atingiu seu limite do GPT-4o. As respostas usarão o GPT-3.5 até seu limite resetar após 16:09.” Então, até o momento, por mim tudo bem; a menos que eles deixem realmente óbvias as vantagens do Omni, de modo que não consiga viver sem ele.

O que mais está por vir?

No futuro, eles planejam possibilitar conversas em tempo real por vídeo com o ChatGPT e até prever as emoções dos usuários com base no que a plataforma ouve e vê.

Como mencionei no meu artigo anterior sobre o ChatGPT, não posso deixar de lembrar da relação entre Theodore e Samantha no filme “Ela.” A este ponto, nem parece tão estranho — consigo totalmente ver algumas pessoas que conheço se apaixonando pelo ChatGPT (risos). Brincadeira. Eu acho.

Bem, aparentemente, não sou a única que pensou no filme, já que o próprio Sam Altman faz uma referência clara a ele: “O número de coisas que eu acho que ‘Ela’ acertou, que não eram óbvias na época […] foi incrivelmente profético”, ele disse uma vez.

É o fim dos motores de busca?

Relaxa! O fim dos motores de busca não deve acontecer tão cedo (ou nunca).

Claro, a Inteligência Artificial  é incrível, mas sejamos realistas — ainda há uma grande demanda por conteúdo gerado por humanos, ou pelo menos uma mistura de conteúdo IA + humanos.

Reflita: quando você está buscando algo, muitas vezes você precisa do toque sutil, criativo e às vezes peculiar que só os humanos podem fornecer. A IA pode te dar fatos, mas não pode sempre te dar aquele toque pessoal ou insight profundo que só um especialista poderia dar.

Além disso, os usuários estão mostrando que não estão prontos para abandonar os motores de busca tradicionais ainda. Um exemplo perfeito são as pessoas optando por não usar os recursos de IA generativa do Google.

Apesar de toda a hype em torno da IA, muitos usuários ainda preferem a confiabilidade e familiaridade dos resultados de busca padrão. Eles confiam no equilíbrio do julgamento editorial humano e na eficiência que os motores de busca tradicionais oferecem.

Então, enquanto a IA é uma ferramenta poderosa e um ótimo complemento, não vai substituir os motores de busca. Em vez disso, provavelmente trabalhará ao lado deles, melhorando nossa experiência de busca sem tomar o controle completamente.

Leia também:

E a abordagem da OpenAI sobre questões de segurança?

Pois então, isso não parece estar indo muito bem. Jan Leike, um pesquisador de segurança que co-liderava o grupo de Superalinhamento, renunciou após expressar preocupações sobre a abordagem da OpenAI à AGI (Inteligência Artificial Geral).

Seu co-líder, Ilya Sutskever, já havia saído horas antes, mas soava um pouco mais otimista, dizendo: “A trajetória da empresa tem sido nada menos que miraculosa, e estou confiante de que a OpenAI construirá AGI que seja segura e benéfica”. (tradução livre)

A página da equipe de Superalinhamento menciona perigos da IA, incluindo extinção humana, se a IA não for supervisionada e controlada. Estamos em um filme de ficção científica ou o quê? O fato é que este grupo parece importante, e está se desintegrando.

Leike também tuitou (“Xuitou”) sobre o perigo da IA, dizendo, “Construir máquinas mais inteligentes que os humanos é um empreendimento inerentemente perigoso. A OpenAI está assumindo uma enorme responsabilidade em nome de toda a humanidade.” (tradução livre)

Jan Leike on Twitter

Ele expressou insatisfação em relação à postura da OpenAI sobre sua pesquisa, afirmando, “Nos últimos meses, minha equipe tem navegado contra o vento”. Ele não entrou em detalhes, mas pareceu insinuar que sua equipe foi deixada à deriva em um mar cheio de criaturas aterrorizantes.

Sam Altman reconheceu o tweet de Leike e concordou, “[…] ele está certo, temos muito mais a fazer […].”

Isso é definitivamente algo que devemos ficar de olho.

Sam Altman on Twitter

Para resumir: o que profissionais de Marketing (e qualquer outro profissional do mundo digital) precisam saber

Primeiro de tudo, não entre em pânico com a possibilidade de um novo motor de busca destronar o Google tão cedo. A dominância do Google no mercado de busca é sólida, com mais de 90% de participação.

No entanto, fique de olho nos movimentos da OpenAI, especialmente com a contratação do veterano do Google, Shivakumar Venkataraman.

Embora a fusão de IA e busca seja de fato empolgante — vide a integração de dados em tempo real, por exemplo — isso não significa o fim dos motores de busca tradicionais.

Ainda há uma grande demanda por conteúdo de qualidade gerado por humanos, e vamos combinar, a IA sozinha não consegue atender a todos os caprichos dos usuários.

Sobre o ChatGPT-4o, esta nova versão é revolucionária. Ela promete respostas mais rápidas, interações por voz e a capacidade de lidar com imagens e documentos. Isso é incrível para tarefas como análise de dados e compilação de informações. Olhando para o futuro, a OpenAI tem planos ambiciosos.

Mas e o elefante na sala — questões de segurança? Está óbvio que há desacordos internos sobre a abordagem à segurança da IA. O próprio Sam Altman admite que há muito mais a fazer nessa área, então com certeza é um tópico que merece nossa atenção.

Aqui vai um conselho final: sempre encare os rumores com uma dose saudável de ceticismo e verifique os fatos antes de espalhar a palavra.

Embora a OpenAI possa ter alguns truques na manga, por agora, vamos nos ater ao que fazemos de melhor: otimizar para o Google e abraçar as novas ferramentas de IA que surgirem. E não vamos esquecer de manter um olhar atento sobre as implicações éticas dessas tecnologias.

Até a próxima!

YMYL e Google EEAT: o que é e por que você deveria se importar para ranquear no Google

Há certos temas na internet que exigem uma atenção especial, tanto por parte dos usuários quanto dos mecanismos de busca.

Para se referir a esses assuntos mais sensíveis, o Google criou o termo YMYL.

No entanto, o que muitos não sabiam é que as diretrizes conhecidas como EEAT têm uma relação direta com a relevância das páginas YMYL para o algoritmo do Google.

Desde 2014, quando o Google introduziu o então chamado “EAT” em suas diretrizes de avaliação, os temas mais sensíveis passaram a receber uma atenção especial por parte do mecanismo de busca.

Se você tem interesse em saber mais sobre o impacto do Google EEAT nas páginas YMYL, continue a leitura e confira nosso guia completo sobre esse assunto!

O que é YMYL e por que é tão importante?

YMYL (Your Money or Your Life – “Seu Dinheiro ou Sua Vida”) é uma sigla que se refere a páginas ranqueadas no Google que tratam de assuntos críticos, como saúde, segurança, finanças e questões sociais, que podem afetar diretamente a vida das pessoas.

O conceito foi criado pelo Google para destacar a importância dessas páginas e garantir que ofereçam informações precisas e confiáveis.

Confira a definição de YMYL do próprio Google que pode ser encontrada no seu manual “Search Quality Rater Guidelines” (Diretrizes do avaliador de qualidade de pesquisa):

“Alguns tópicos apresentam um alto risco de danos porque o conteúdo sobre esses tópicos pode impactar significativamente a saúde, a estabilidade financeira ou a segurança das pessoas, ou o bem-estar ou o bem-estar da sociedade. Chamamos esses tópicos de ‘Seu dinheiro ou sua vida’ ou YMYL.”

Existem, para o Google, quatro principais categorias de danos que são avaliadas para determinar se um tópico é YMYL:

  • Saúde ou Segurança YMYL: informações sobre saúde física e mental, bem como segurança pessoal e online. Por exemplo, informações sobre tratamentos médicos, doenças graves, procedimentos cirúrgicos e dicas de segurança online se enquadram nesta categoria;
  • Segurança Financeira YMYL: informações relacionadas a finanças pessoais, investimentos, empréstimos, seguros e outras áreas que podem afetar a estabilidade financeira de uma pessoa ou família;
  • Sociedade YMYL: tópicos que têm um impacto na sociedade como um todo, como questões políticas, notícias importantes, direitos humanos, meio ambiente e outros assuntos que afetam grupos de pessoas ou a sociedade como um todo;
  • Outros YMYL: tópicos que não se encaixam claramente nas três categorias anteriores, mas ainda têm o potencial de causar danos significativos às pessoas ou à sociedade.

Mas por que é importante saber o que o Google pensa sobre YMYL? Porque, segundo o próprio mecanismo de busca, as páginas sobre tópicos YMYL claros exigem “maior escrutínio para classificação de qualidade da página”.

Isso significa que os padrões de avaliação do Google tendem a impactar de forma mais rigorosa o alcance de qualquer página que trata de tópicos sensíveis, incluindo artigos de blog sobre assuntos médicos, descrições de produtos e páginas de e-commerce.

Menos visibilidade nos resultados de pesquisa significa menos visitantes nos sites, o que pode reduzir o número de conversões e vendas.

O que é Google EEAT e como ele se relaciona com YMYL?

Google EEAT é um conjunto de diretrizes levadas em consideração pelos avaliadores do Google para determinar a qualidade das páginas classificadas nos resultados de pesquisa. O EEAT ajuda, inclusive, a determinar a relevância das páginas YMYL.

As diretrizes da sigla EEAT são as seguintes: Experience (Experiência), Expertise (Especialidade), Authoritativeness (Autoridade) e Trust (Confiabilidade). Até a atualização do Google de dezembro de 2022, era apenas EAT, sem “Experiência”.

Assim como o conceito de YMYL, o EEAT faz parte das Diretrizes do avaliador de qualidade de pesquisa do Google.

No entanto, o EEAT não é considerado um fator direto de classificação dos resultados de pesquisa. Essas diretrizes, na verdade, funcionam mais como uma espécie de princípios que o Google usa para privilegiar páginas com um EEAT forte na sua SERP.

Entenda um pouco mais sobre o que é avaliado em cada diretriz EEAT:

  • Experiência: considera o conhecimento e a experiência dos autores ou criadores do conteúdo sobre o assunto. Quanto mais experientes e qualificados forem, mais confiáveis serão as informações fornecidas;
  • Especialidade: indica o foco e a profundidade do conhecimento sobre um determinado assunto. Páginas que se concentram em áreas específicas e têm especialistas nessas áreas são consideradas mais confiáveis;
  • Autoridade: avalia a reputação e a credibilidade do site ou da marca que publica o conteúdo. Sites reconhecidos como fontes confiáveis de informações sobre um tema têm maior autoridade;
  • Confiabilidade: mostra a segurança e transparência do site, incluindo a clareza sobre a fonte das informações, a política de privacidade e a presença de sinais de segurança, como certificados SSL.

Considerar essas diretrizes EEAT na estratégia de SEO pode ajudar sites ou blogs que tratam de tópicos EEAT a serem reconhecidos como fontes confiáveis pelo Google.

Veja o exemplo do blog Healthline, que publica conteúdos em inglês sobre tratamentos médicos, procedimentos, dicas de saúde e diversos outros tópicos YMYL.

Por tratar de temas delicados, todos os artigos publicados pelo Healthline trazem um cabeçalho completo sobre os autores/revisores médicos e a data de atualização.

Confira no exemplo abaixo:

“Revisado clinicamente por Avi Varma, MD, MPH, AAHIVS, FAAFP — Por Marjorie Hecht — Atualizado em 7 de maio de 2024”.

A curadoria de profissionais de saúde qualificados aumenta a probabilidade de que os textos do Healthline tenham um EEAT forte, principalmente em termos de experiência, especialidade e autoridade.

Um elemento interessante que melhora a confiabilidade do site são as fontes usadas na produção dos artigos médicos, que podem ser verificadas pelos leitores aproximando o cursor do mouse do texto âncora, como no seguinte exemplo:

Essas e outras práticas protegem os usuários de informações prejudiciais ou enganosas.

São estratégias aplicáveis em sites e blogs da área médica e dos mais variados nichos. É muito comum que advogados, jornais, revistas e escritórios de advocacia, por exemplo, adotem estratégias semelhantes para atender às diretrizes do EEAT.

Você também pode se interessar:

Quais as melhores práticas para otimizar páginas YMYL com EEAT?

Segundo o relatório State of Marketing 2024 da HubSpot, em parceria com Litmus, Rock Content e Search Engine Journal, o aspecto mais desafiador do trabalho de um profissional de SEO é a estratégia e produção de conteúdo.

Mas, quando se trata de preparar sites e blogs com páginas YMYL para as diretrizes do Google EEAT, a verdade é que não há muito com o que se preocupar.

As mudanças são pequenas e não exigem uma grande revisão da estratégia de SEO. Veja, logo abaixo, como melhorar a credibilidade e a confiabilidade de suas páginas YMYL.

Experiência

O Google tem refinado o que significa “conteúdo de qualidade” e priorizado o “E” de “experiência” no EEAT.

Melhorar um site de acordo com esse critério significa dar credibilidade ao autor.

É mostrar que a pessoa ou a empresa por trás do site impactou o contexto de outras empresas ou pessoas através do seu trabalho.

Uma forma interessante de fazer isso é contar casos reais com números e dados sobre como o autor ou a empresa ajudou clientes reais.

Veja o caso da Rock Content que contou um case de sucesso sobre sua parceria com o iFood. Nesse projeto, o blog do iFood cresceu de 0 a quase 1 milhão de visitas mensais em menos de 10 meses.

Contar histórias como essa informa ao leitor (e ao Google) que a empresa por trás da página web tem experiência e autoridade na área.

Outra possibilidade: a Rock Content publicou um guia prático da sua ferramenta AI Content Idea Generator, explicada a partir da experiência de uma pessoa gerente de projetos que usou a ferramenta pela primeira vez — com guia passo a passo e várias capturas de tela para guiar o leitor. 

Esse tipo de conteúdo também pode ajudar no requisito Experiência do Google EEAT, porque fornece uma visão realista e tangível sobre como a ferramenta da empresa pode ser usada na prática.

Gostamos de ver como os serviços são experimentados e os benefícios que podem trazer, e o Google prioriza páginas que fazem esse esforço de educar e informar os usuários.

Assim, pensamos menos em conteúdo do tipo ‘o que é’ e ‘benefícios’, para conteúdos mais personalizados, focados na experiência e expertise de quem escreve, com experiência, observações e relatos em primeira mão — algo, inclusive, que a Inteligência Artificial vai ter muita dificuldade de reproduzir.

Especialização

É importante mostrar ao público quem são os autores por trás do conteúdo.

Inclua uma pequena biografia ou perfil dos autores para destacar as experiências, formações acadêmicas e conquistas relevantes dos autores.

Mas claro: se você quiser ter perfis qualificados exibidos no blog, primeiro será preciso ter especialistas na área produzindo conteúdo.

Os artigos produzidos na Rock Content são bons exemplos. Editores, redatores, designers e outros profissionais assumem a produção de conteúdos sobre temas dos seus domínios.

Por exemplo, no conteúdo “Como utilizar e-books interativos na sua estratégia de conteúdo”, a designer Nayara Medeiros assumiu a tarefa de escrever sobre a ferramenta de design e conteúdo interativo da Rock Content chamada Ion. Nayara é designer na Rock Content e uma das responsáveis por criar os materiais interativos publicados. 

A autoria especializada demonstra ao Google que a Rock Content é uma fonte confiável de informações sobre design e materiais interativos, o que pode gerar uma melhor classificação nos resultados de pesquisa para as palavras-chave trabalhadas no conteúdo.

Autoridade

O reconhecimento por outras autoridades da área reforça a credibilidade do site como fonte de informação confiável.

Uma estratégia comum de conquistar esse reconhecimento é com a obtenção de backlinks de sites confiáveis e respeitados em seu setor.

A parceria entre a Rock Content e players importantes como a HubSpot e a Leadster é um bom exemplo.

A Rock Content colabora com a HubSpot em várias iniciativas, desde a produção de relatórios aprofundados, como o já mencionado State of Marketing, até produções conjuntas de conteúdo para blog e redes sociais. 

Isso também ocorre com o Leadster: anualmente, participamos na criação do relatório “Panorama de Geração de Leads no Brasil” — o maior estudo sobre geração de leads no mercado brasileiro.

Esse tipo de colaboração reforça a autoridade de ambas as empresas, além de criar oportunidades de backlinks e enriquecer o ecossistema de informações para o público.

Confiabilidade

Um site confiável para o Google oferece informações precisas, atualizadas e verificáveis.

Dentre as estratégias-chave para aumentar a confiabilidade, uma das principais é garantir a transparência sobre as fontes de dados.

No blog da Rock Content, por exemplo, são frequentemente publicados estudos internos sobre marketing digital, e os artigos utilizam fontes externas, como pesquisas de outras empresas, fontes oficiais governamentais e estudos acadêmicos, sempre devidamente mencionadas e linkadas. 

Outra estratégia é oferecer atualizações frequentes dos conteúdos publicados no blog para manter a precisão das informações mais sensíveis.

Esse é um compromisso contínuo com a qualidade e a confiabilidade do conteúdo apresentado.

FAQs sobre YMYL e EEAT

Confira a lista abaixo para encontrar respostas claras e simples para suas perguntas mais frequentes sobre esses importantes conceitos do Google.

O que é YMYL?

YMYL significa “Your Money or Your Life” (Seu Dinheiro ou Sua Vida, em tradução livre). Refere-se a páginas da web que oferecem informações que podem impactar diretamente a saúde, segurança ou bem-estar financeiro dos usuários.

O que é EEAT e como impacta SEO?

EEAT é um conjunto de diretrizes do Google que avalia a Experiência, Especialização, Autoridade e Confiabilidade das páginas. Por influenciar a classificação nos resultados de pesquisa, EEAT é um conceito importante em uma estratégia de SEO.

Quais tipos de páginas são consideradas YMYL?

Segundo o Google, páginas que tratam de assuntos relacionados à saúde, finanças, segurança pessoal e bem-estar geral são consideradas YMYL. Geralmente, são páginas de saúde, financeiras, jurídicas e notícias.

Como melhorar EEAT para páginas YMYL?

Para um EEAT forte em páginas YMYL, é necessário realçar a experiência e a especialização dos autores, garantir a precisão e a confiabilidade das informações apresentadas e fornecer transparência sobre a fonte do conteúdo.

Conclusão

As atualizações frequentes do Google são parte integrante do processo constante de evolução do mecanismo de busca. No entanto, mesmo com todas as mudanças, as diretrizes do EEAT continuam sendo fundamentais para o SEO.

Como você viu aqui, a relevância das páginas YMYL para o Google depende diretamente da aplicação das diretrizes de Experiência, Expertise, Autoridade e Confiabilidade.

Então, é recomendável que as estratégias de SEO levem em consideração o EEAT na produção de conteúdo e na estruturação das páginas onde eles são publicados.

Quer encontrar redatores, editores, estrategistas SEO e outros talentos? Experimente o teste grátis do WriterAccess e encontre freelancers especializados para o seu projeto! 

Google AI Overviews: tudo o que você precisa saber com relação à grande novidade do mecanismo de busca

No dia 14 de maio, durante sua conferência anual Google I/O — e apenas um dia após a OpenAI apresentar o ChatGPT-4o ao mundo, em 13 de maio de 2024 —, o Google introduziu o AI Overviews, um aprimoramento do que era o Search Generative Experience (SGE).

Esse avanço representa um salto significativo na forma como os motores de busca operam, visando transformar de forma profunda a experiência do usuário em todo o mundo.

Isso porque o AI Overviews marca uma evolução da tradicional lista de links para uma abordagem mais intuitiva e integrada, na qual a IA oferece uma resposta completa à pergunta logo no topo dos resultados de busca, por meio de texto, localizações no Google Maps, imagens, vídeos — e o que mais for necessário para satisfazer a dúvida do usuário. 

Alguns especialistas até nomearam o dia 14 de maio como o ‘dia zero’ da busca do Google. Parece exagero, mas talvez não tanto assim. 

Essa mudança tem o objetivo de otimizar a recuperação de informações, permitindo que os usuários entendam rapidamente temas complexos sem precisar sair da sua consulta de busca inicial.

Ao aprimorar as capacidades introduzidas inicialmente com o SGE, o Google continua a expandir os limites do que a IA pode alcançar em termos de resultado de busca — deixando tudo mais rápido, preciso e bem mais fácil de usar

À medida que o AI Overviews é disponibilizado para usuários nos Estados Unidos com planos de expansão global, os profissionais de marketing e SEO precisam ficar atentos, pois, como era de se esperar, as implicações para o comportamento de busca, estratégia de conteúdo e marketing digital são profundas. 

Neste artigo, vou trazer o que a AI Overviews envolve a partir da apresentação oficial feita pela Google e uma reflexão (sempre em andamento) do que essa mudança significa para o futuro das buscas na web. Acompanhe! 

Visão Geral da AI Overviews (sim, eu fiz isso): evolução da busca 

Inicialmente introduzida no ano passado como SGE, a tecnologia foi refinada e, de certa forma, passou por um rebrand para AI Overviews, que, convenhamos, dá melhor conta da sua funcionalidade — fornecendo um panorama abrangente no topo dos resultados de busca.

Essa mudança é mais do que semântica; representa uma integração mais profunda da Inteligência Artificial nas atividades cotidianas de busca. O novo modelo Gemini do Google está no coração dessa transformação, personalizado especificamente para tarefas de busca e para melhorar a precisão e a experiência do usuário. 

A seguir, você confere o resultado mostrado pelo AI Overviews para uma pesquisa sobre taxa de rejeição no momento da escrita deste artigo (maio/2024):

Até o final do ano, bilhões de usuários do Google verão resumos gerados por Inteligência Artificial no topo de muitos resultados de busca. Abaixo, você pode ver o vídeo publicitário que foi anunciado na conferência:

[embedded content]

“Google Does the Googling for You”: Google faz a busca por você

O ponto central dos AI Overviews é a ideia de que “o Google fará a busca por você.” Essa abordagem é sobre eficiência e profundidade.

Afinal, os usuários não precisam mais juntar informações de múltiplos links. Em vez disso, eles podem fazer uma pergunta — por mais complexa que seja — e receber uma resposta sintetizada que não apenas responde à consulta, mas também oferece uma gama de perspectivas e links para leituras adicionais na forma de carrossel. 

Você pode fazer sua pergunta com todas as suas subquestões e obter um resumo de IA em segundos.

Para ilustrar como o Google AI Overviews opera, considere este exemplo específico fornecido na conferência do Google. Suponha que você pergunte: “Encontre os melhores estúdios de yoga ou pilates em Boston e mostre detalhes sobre a oferta de introdução e o tempo de caminhada a partir de Beacon Hill”.

Em vez de simplesmente apresentar uma lista de links, ele sintetiza informações de várias fontes, como blogs de fitness, diretórios de negócios locais e avaliações de clientes, para entregar uma resposta completa com todas as informações mais relevantes sobre o que você perguntou.

Você obtém alguns estúdios com ótimas avaliações e ofertas de introdução, com a distância a pé. Tudo isso em uma única busca e em segundos. 

Fonte: Blog do Google

A ideia geral não mudou muito considerando o que analisamos recentemente com o Google SGE: esse sistema utiliza o processamento de informações em tempo real, sistemas de classificação e avaliação de qualidade dos conteúdos para entregar o melhor do que a web tem a oferecer diretamente ao usuário.

Portanto, não é sem razão que o Google afirma: “Veja algumas das novas maneiras como a IA na Busca pode fazer o trabalho duro para que você não precise. Basta perguntar”. Você realmente não precisa fazer nada além de perguntar.

David Imel, no episódio do podcast “Hey ChatGPT, Summarize Google I/O” do Podcast WVFRM:

“Eu acho que eles estão tentando reformular completamente na sua mente o que significa procurar algo. Eles não querem que você tenha que procurar algo e depois encontrar a informação por conta própria. Na verdade, e o que eles repetiram várias vezes, é: ‘Deixe o Google fazer a busca por você’” (em tradução livre).

Inovações no processo de busca

Um dos avanços mais significativos apresentados na conferência por Elizabeth (Liz) Reid, VP e Chefe do Google Search, é a capacidade de lidar efetivamente com consultas complexas.

O que torna isso possível é o ‘raciocínio multietapas’. Isso envolve a decomposição de uma pergunta complexa em suas partes componentes, determinando a sequência em que cada aspecto deve ser abordado e, em seguida, entregando uma resposta coesa. 

Liz explica como isso funciona:

“O modelo Gemini atua como seu agente de IA, utilizando o que chamamos de raciocínio multietapas. Ele decompõe sua pergunta maior em todas as suas partes e descobre qual problema precisa resolver e em que ordem. Graças às nossas informações da vida real e expertise em classificação, ele utiliza as informações de mais alta qualidade disponíveis” (tradução livre).

Esse método expande dramaticamente o potencial do que pode ser alcançado com um simples prompt de busca, transformando consultas mais ‘truncadas’ e multicamadas em respostas diretas com mínimo esforço do usuário envolvido.

Se você atua com SEO, provavelmente já esbarrou com palavras-chave que são, na verdade, várias perguntas em uma só. 

No modo tradicional, o Google tenta oferecer uma lista dos melhores conteúdos disponíveis que possam responder ao tema geral daquela pergunta. Então, se você perguntar, por exemplo: “o que fazer de jantar para visitas que são vegetarianas, mas uma só também é vegana e a outra não pode comer glúten”. 

A SERP tradicional vai te entregar algo como:

Note que nenhum dos primeiros links responderam às perguntas em sua totalidade. O foco ficou mais nas refeições vegetarianas. Você precisaria clicar resultado por resultado para ver se algum fala das refeições sem glúten ou veganas, ou realizar uma nova pesquisa. 

Bem, com o AI Overviews, o responsável por essa pergunta conseguiria uma resposta precisa e completa para todos os questionamentos de uma só vez, com listagem de sugestões de pratos para todas essas necessidades:

É claro que essa resposta não é (ainda?) perfeita: há relatos de alucinações e contradições entre o que a AI entrega e os resultados da busca da SERP tradicional disponível logo abaixo.

Nesse próprio exemplo acima, não há uma especificação logo de cara que a manteiga ou queijo presentes em algumas opções precisam ser de origem vegetal para que um vegano pudesse aproveitar o prato, ou que seria preciso ficar atento à receita de panetone e chocotone para ver se ela não contém glúten — algo que não é óbvio ou de conhecimento geral para alguém que não está familiarizado com esse universo e exigiria uma busca extra.

Mas a evolução na forma de mostrar essa resposta é bem evidente.

AI Overviews nem sempre será a melhor escolha

Embora os AI Overviews representem um avanço revolucionário na tecnologia de busca, sua aparição nos resultados da busca do Google é seletiva e dependente do contexto.

O Google está gradualmente disponibilizando esse recurso para mais usuários, idiomas e regiões, ativando o AI Overviews apenas quando for mais benéfico.

Então, esses resumos são acionados quando a IA generativa pode aprimorar de forma mais significativa a compreensão do usuário sobre tópicos complexos, sintetizando informações de múltiplas fontes.

Essa implantação estratégica garante que os AI Overviews proporcionem valor substancial quando necessário, enquanto mantêm a experiência de busca tradicional para consultas mais simples. 

Logo, se você só quer buscar o site da Amazon ou da Rock Content, é pouco provável que a AI Overview seja ativada automaticamente. 

Consulta no Google por vídeo: quase lá! 

Um desenvolvimento que achei bem bacana é a introdução de consultas baseadas em vídeo no Google Search.

Em breve, os usuários poderão fazer perguntas simplesmente por meio de vídeo, tornando o processo de busca ainda mais intuitivo e alinhado com o comportamento mais natural do usuário ao fazer uma chamada de vídeo via WhatsApp, por exemplo. 

Essa capacidade não apenas enriquece a experiência do usuário, mas também estabelece um novo padrão para acessibilidade e interação dentro dos ambientes de busca digital.

Você pode ver a demonstração ao vivo no vídeo abaixo:

Fonte: Blog do Google

Impacto dos AI Overviews nas estratégias de marketing

A mudança do Google para uma interface de busca movida por IA representa uma mudança significativa na forma como os usuários interagem com os motores de busca.

Já observamos isso há algum tempo, com experimentos do SGE, análises, revisões de especialistas e assim por diante. No entanto, com o anúncio recente e a integração desta tecnologia nas práticas padrão de busca nos EUA, o impacto parece mais imediato e tangível do que nunca.

Para os profissionais de marketing, essa evolução significa adaptar-se a um cenário no qual os usuários esperam insights imediatos e abrangentes no topo dos seus resultados de busca.

Essa mudança exige um foco na produção de conteúdo que não apenas tenha uma boa classificação, mas que também resuma de forma sucinta informações-chave para atender aos critérios dos AI Overviews.

Isso é algo que já discutimos em nossa análise do Google SGE: a página de resposta da IA ocupa a primeira página inteira. E com o Google AI Overviews, temos uma opção na barra lateral que é chamada (surpreendentemente) de web. 

Onde você pode encontrar (adivinhe o quê) resultados no ‘modo antigo’, em outras palavras: uma lista de links azuis da web, conforme imagem abaixo: 

Captura de tela mostrando o resumo gerado com IA para a palavra-chave 'o que é marketing de conteúdo', com a opção Web no canto superior direito.

Captura de tela mostrando o resumo gerado com IA para a palavra-chave 'o que é marketing de conteúdo', com a opção Web no canto superior direito.

Captura de tela mostrando o resumo gerado com IA para a palavra-chave 'o que é marketing de conteúdo', com a lista de links azuis (o modo tradicional da SERP).

Captura de tela mostrando o resumo gerado com IA para a palavra-chave 'o que é marketing de conteúdo', com a lista de links azuis (o modo tradicional da SERP).

Logo, ter uma boa classificação torna-se mais desafiador e ainda mais crítico — ocupar a primeira posição da SERP em si pode não ser tão vantajoso quanto antes, mas é essencial ser visto como relevante e demonstrar expertise e experiência para que a IA do Google possa considerá-lo como fonte para suas respostas.

E como fazer isso? O GEO pode ser a resposta. O advento da Generative Engine Optimization (GEO), ou Otimização para Motores Geradores, em tradução livre, significa uma mudança fundamental nas práticas de SEO, alinhando-as com as capacidades de motores de busca movidos por IA como os AI Overviews do Google e o Bing Chat da Microsoft.

O GEO adapta estratégias tradicionais de SEO à era da IA, otimizando conteúdo para esses motores gerativos. Essa nova abordagem é crucial para os criadores de conteúdo que visam prosperar em um ambiente de busca cada vez mais dominado pela IA.

Entender e implementar estratégias de GEO pode aumentar significativamente a visibilidade do conteúdo dentro de ambientes de busca movidos por IA. Isso é bem importante, pois, como vimos, esses motores não apenas buscam informações, mas criam respostas ricas e integradas que podem satisfazer as consultas dos usuários diretamente.

Se você nunca ouviu falar de GEO e/ou deseja se aprofundar no tema, criamos um artigo completo sobre o assunto. Basta clicar aqui.

Adaptação da estratégia de conteúdo

À medida que o Google permite aos usuários “deixar o Google fazer a busca”, os profissionais de marketing precisam repensar suas estratégias de conteúdo

A capacidade da IA de compilar respostas abrangentes de várias fontes exige que o conteúdo da web seja tanto rico em informações quanto altamente relevante.

Isso pode incentivar os profissionais de marketing a desenvolver conteúdo mais detalhado e autoritativo, que possa ser facilmente sintetizado pela IA do Google para aparecer nos Overviews. Sim, estamos falando, mais uma vez, sobre EEAT e conteúdo orientado por especialistas. 

A ênfase em EEAT (Expertise, Autoridade, Confiança e Experiência) e conteúdo baseado em especialistas é mais crucial do que nunca para se alinhar com os critérios da IA para fontes de alta qualidade.

EEAT avalia a credibilidade e a experiência do usuário fornecidas pelo conteúdo, enquanto o conteúdo baseado em especialistas utiliza conhecimento especializado profundo para oferecer insights detalhados e autoritativos. Essa combinação não apenas enriquece o pool de informações, mas também ajuda a elevar a visibilidade do conteúdo nas visões gerais de busca geradas por IA.

Leia também:

Engajamento do usuário e conversão

Embora os AI Overviews possam inicialmente diminuir o número de cliques para páginas web reais, eles também apresentam uma oportunidade para os profissionais de marketing capturarem interesse de forma mais rápida. Se a IA “puxar” conteúdo do seu site para o overview, que contém aquele carrossel com links, isso poderá aumentar a visibilidade da marca e a percepção de expertise.

Os profissionais de marketing precisarão ser estratégicos sobre o posicionamento de conteúdo e o uso de dados estruturados para garantir visibilidade tanto nos AI Overviews quanto nas listagens de busca tradicionais.

Implicações para negócios e usuários

Conforme relatado por Michael Liedtke em seu artigo na AP News, há preocupação entre os editores sobre o potencial impacto econômico dos AI Overviews.

Como afirmamos, a capacidade da tecnologia de sintetizar conteúdo pode levar a uma diminuição nas visitas às páginas tradicionais, afetando as receitas de anúncios.

Isso é algo sobre o qual já falamos, especialmente porque vimos como o tráfego geral dos sites caiu e o CTR continua diminuindo com o tempo. Conforme o estudo “2024 Digital Experience Benchmark Explorer” da Contentsquare, 55% dos sites em diversas indústrias tiveram uma redução no tráfego em 2023 em comparação ao ano anterior. Se já está assim em geral, o que podemos esperar no futuro?

Marc McCollum, diretor de inovação da Raptive, observou que cerca de 25% do tráfego na web poderia ser negativamente afetado pelos novos recursos de busca, o que pode resultar em perdas significativas de receita para criadores de conteúdo e editores que dependem de impressões de anúncios, conforme apresentado por Michael Liedtke em seu artigo.

Mudança na dinâmica dos editores

A introdução da IA no ecossistema de busca do Google também alterou (ainda mais?) sua relação simbiótica de longa data com os editores de conteúdo.

Ao usar o conteúdo deles para treinar seus modelos de IA, o Google está essencialmente transferindo valor dos editores para suas plataformas, o que McCollum descreve como uma “transferência de riqueza” de pequenas empresas independentes para grandes corporações tecnológicas.

Apesar dessas preocupações, os testes do Google revelaram que os AI Overviews levam a um aumento nas buscas, pois os usuários são incentivados a fazer perguntas mais complexas que, anteriormente, eram muito mais desafiadoras de fazer.

“Porque eles de repente podem fazer perguntas que eram difíceis antes”, explicou Liz Reid em entrevista para a Associated Press. No entanto, dados específicos sobre os volumes de cliques em links durante os testes não foram divulgados.

Reid ainda enfatizou o interesse contínuo em explorações mais profundas: “Na realidade, as pessoas querem clicar para a web, mesmo quando têm um AI Overview. Elas começam com o AI Overview e depois querem se aprofundar mais”. Esta entrevista foi conduzida pela Associated Press, fornecendo insights sobre o impacto evolutivo da IA nos comportamentos de busca.

Isso indica que, embora os resumos ofereçam um ponto de partida, eles não substituem necessariamente o envolvimento mais profundo que vem com a visita às páginas web reais.

Se isso é realmente verdade, teremos que esperar para ver.

Os famosos testes e análises

Os profissionais de marketing devem empregar testes rigorosos e análises para entender como as mudanças nas funcionalidades de busca do Google afetam o comportamento do usuário.

Analisar as tendências nas respostas das consultas de busca e adaptar-se ao ciclo de feedback fornecido pelos AI Overviews será essencial. 

Isso significa refinar continuamente o conteúdo para alinhar com o que a IA considera mais útil e relevante, potencialmente alterando como os profissionais de marketing avaliam a eficácia do seu conteúdo online, busca de palavras-chave relevantes e muito mais. 

Os dados recentes coletados por Brodie Clark, um Consultor SEO independente, fornecem insights valiosos sobre a implantação dos AI Overviews.

Os insights de Brodie Clark do Semrush Sensor revelam que, em 17 de maio, os AI Overviews foram oficialmente rastreados como um recurso de SERP, semelhante a outros elementos como “Pessoas Também Perguntam”, snippets de imagens e sitelinks, para usuários não logados nos EUA.

Estatísticas importantes dos dados de Clark indicam que os AI Overviews aparecem em uma pequena fração das buscas—0,55% em desktop e 0,81% em mobile. 

Claro, isso provavelmente mudará logo mais — não só os dados em si, mas como a SEMRush está coletando essas informações. E é por isso que é importante continuar monitorando como seu site aparece no SERP. 

No entanto, é bom saber que uma ferramenta amplamente utilizada como o SEMrush já pensou nessa questão e permite esse tipo de visão geral para dar um norte.

Fonte: Post no LinkedIn de Brodie Clark

Impacto da IA nas habilidades de pesquisa

Por último, mas não menos importante, talvez só possamos perceber completamente o impacto dessas mudanças nos próximos anos. 

A transformação iniciada pela busca movida a IA do Google poderia ter efeitos duradouros sobre como as futuras gerações interagem com e processam informações.

Marques Brownlee, outro participante do episódio do podcast “Hey ChatGPT, Summarize Google I/O” do Podcast WVFRM, levanta uma preocupação sobre as implicações de longo prazo das visões gerais de busca movidas a IA do Google, particularmente para as gerações mais jovens.

Já que o Google AI sintetiza e apresenta respostas abrangentes no topo de seus resultados de busca, cresce a apreensão de que as crianças podem não desenvolver a habilidade crítica de navegar pelos resultados de busca para validar e aprofundar seu entendimento das informações.

Brownlee e seus companheiros temem que esse novo paradigma de busca, no qual a primeira resposta apresentada é frequentemente tomada como a mais precisa, possa diminuir os incentivos dos usuários para questionar ou verificar as informações, fomentando uma aceitação passiva dos dados.

Essa mudança poderia alterar (e muito) como as futuras gerações interagem com informações e o SERP, afastando-se da abordagem tradicional e mais investigativa para uma que poderia depender excessivamente de respostas geradas por IA. 

Essa reflexão faz parte de uma conversa bem mais ampla sobre o papel da tecnologia na formação de habilidades críticas de pensamento e pesquisa em uma era na qual a facilidade de acesso à informação poderia, ironicamente, levar a indivíduos menos informados.

Isso é algo sobre o qual já estamos desde o avanço do TikTok como um motor de busca, mas mais uma vez, parece ser mais real agora.

Muito longo, Larissa, dá para resumir?

Lançado oficialmente pelo Google em 14 de maio, os AI Overviews representam um avanço significativo na tecnologia de busca, transitando da tradicional lista de links para fornecer resumos gerados por IA no topo dos resultados de busca.

Esses resumos, inicialmente lançados como parte da Search Generative Experience (SGE) e agora implementados para todos os usuários nos EUA, visam oferecer aos usuários uma compreensão rápida de tópicos complexos logo no topo da página de resultados de busca. 

Sendo uma ‘generative engine’, ele gera uma resposta à sua consulta incluindo texto, imagens, listas, locais do Google Maps etc., dependendo do que você pergunta.

Ao resumir informações-chave usando IA, o Google permite que os usuários entendam a essência de suas consultas sem a necessidade de vasculhar várias páginas da web.

A implementação dos AI Overviews para todos os usuários nos EUA marca o início de uma expansão global, levantando preocupações que têm sido discutidas desde a primeira apresentação do conceito como Google SGE ao longo de 2023.

Uma das principais preocupações é a possível diminuição do tráfego na web e os desafios que isso representa para as estratégias de marketing digital e monetização. A capacidade da IA de satisfazer consultas com respostas sintetizadas pode reduzir o número de cliques dos usuários para sites externos, impactando as receitas de anúncios de tráfego pago e o engajamento com o conteúdo.

No entanto, esse desenvolvimento também apresenta uma oportunidade única: se o seu conteúdo for selecionado como uma fonte pela IA, ele será destacado em um carrossel, sobressaindo-se em comparação com outros resultados. Essa visibilidade aprimorada pode, como mencionado por Liz, aumentar a probabilidade de cliques e promover um engajamento mais profundo com seu conteúdo.

Essa dinâmica requer monitoramento e adaptação contínuos por parte de profissionais de marketing e criadores de conteúdo, pois a paisagem do consumo de informação digital está claramente evoluindo.

Quer garantir que suas estratégias de conteúdo estejam alinhadas com os últimas novidades dos mecanismos de busca? A Rock Content oferece soluções sob medida no espaço de marketing de conteúdo.

Para explorar como podemos ajudá-lo a criar conteúdo de qualidade, visite nossa página de soluções!

Microblogging explicado: entenda o que é e como funciona

Em um cenário no qual o nível de atenção é cada vez menor, conseguir repartir um conteúdo mais completo em pequenas partes pode ser uma tática eficiente para conquistar uma audiência online. 

E é exatamente por isso que você precisa conhecer mais sobre o microblogging e como essa estratégia é útil para marcas e profissionais.

Mas não se trata apenas de publicar conteúdos menores: é preciso ter interação com a audiência, integração com outros canais e fit com cada plataforma. 

Quer entender como colocar essa estratégia em prática? Continue a leitura e confira!

O que é microblogging?

O microblogging é uma estratégia de compartilhamento de conteúdo focada em trechos mais curtos e diretos, criando uma comunicação mais eficiente para os canais digitais. 

Em vez de uma longa página sobre um assunto, quem escreve pode dividir o texto em pequenas partes para explicar aquela ideia ou conceito.

Na comparação com blogs tradicionais, por exemplo, os microblogging focam em atualizações mais frequentes e rápidas, permitindo que os usuários respondam rapidamente sobre tendências ou eventos que aconteceram há pouco tempo, criando uma relevância maior no espaço online.

Outro ponto importante é que o microblogging reforça uma interação social entre quem escreve e quem lê, já que é um conteúdo simples para ser comentado ou compartilhado. 

E essa interatividade pode ajudar uma marca, por exemplo, a criar conexões orgânicas com a sua audiência e se posicionar como autoridade.

Por que o microblogging é importante para marcas e profissionais de marketing?

Tudo bem, mas por que a sua marca (ou você) precisa investir no microblogging? Os motivos são estes aqui!

Engajamento rápido e imediato

No universo do marketing digital, o microblogging ganha destaque por proporcionar um engajamento ágil e direto com o público-alvo. Canais como X (ex-Twitter) permitem que marcas interajam quase instantaneamente com seus seguidores, o que é essencial para manter a relevância no ambiente online.

Além disso, a capacidade de responder rapidamente às dúvidas e comentários dos clientes, por exemplo, não apenas aumenta a satisfação do consumidor, mas também melhora a percepção de um serviço ao cliente mais eficiente.

Para ilustrar, imagine uma companhia aérea, que consegue usar o X para responder ao vivo qualquer pergunta dos passageiros sobre um voo atrasado, uma dúvida sobre as políticas de bagagem ou até mesmo para informar novas atualizações sobre o serviço oferecido pela companhia. 

Certamente essa empresa conseguirá um bom destaque ao oferecer esse recurso, não é mesmo?

Promoção e divulgação de conteúdo

Se o microblogging não vai ser, necessariamente, o resultado do seu conteúdo, isso não significa que ele não sirva para promover esses materiais. 

Por que não fazer uma espécie de teaser, destacando as partes mais interessantes de um blogpost, um vídeo no YouTube ou um e-book?

Com posts curtos que chamam a atenção, as marcas conseguem gerar um tráfego maior para os seus sites ou blogs. No final das contas, é uma forma de aumentar o alcance desses conteúdos ricos e, ao mesmo tempo, potencializar a visibilidade das suas páginas em uma SERP, por exemplo.

Uma empresa de artigos esportivos pode compartilhar no Threads — ou mesmo no próprio Instagram com as adaptações necessárias — algumas ideias sobre como fazer exercícios físicos em casa. 

As dicas em imagens ou posts curtos conseguem chamar a atenção e, em seguida, um CTA direcionando para uma landing page.

Identidade da marca e autoridade

A combinação dos dois pontos acima e o uso estratégico do microblogging ajuda a fortalecer a identidade da marca e a construir autoridade no mercado. 

Ao se posicionar sobre temas relevantes e atuais — sempre com velocidade —, as empresas passam a ser vistas como referências naquele assunto.

Na prática, essa visibilidade fortalece a confiança e a fidelidade do consumidor, criando uma base de seguidores mais engajados. 

E o melhor é que essa plataforma pode ser ainda mais eficiente para abordar assuntos que nem sempre são vistos como uma prioridade pelos consumidores de uma marca.

Por que uma fabricante de cosméticos não utiliza o microblogging para falar sobre sustentabilidade e dar mais detalhes sobre as suas iniciativas ecológicas? 

Por mais que o foco não seja vender, é uma maneira de reforçar esse compromisso e, quem sabe, conquistar ainda mais clientes no futuro.

Exemplos de plataformas de microblogging

Mas quais são os canais que podem ser utilizados?

X (ex-Twitter)

O X é o exemplo mais clássico de microblogging, sendo desenvolvido justamente para essas discussões mais simples e diretas, com conversas sobre assuntos em alta naquele momento. Afinal, a própria limitação da quantidade de 280 caracteres por publicação já é um exemplo disso.

Threads

Concorrente direto do X, o Threads foi desenvolvido pelo Instagram com o mesmo propósito: criar conversas rápidas e interações mais diretas entre os usuários. 

O principal diferencial é justamente a integração com o Instagram, permitindo a promoção de conteúdos das diferentes plataformas.

LinkedIn

Exemplo de microblogging para o mercado B2B, o LinkedIn ajuda empresas e profissionais que querem falar sobre determinados assuntos e serem vistos como autoridade em suas áreas de atuação. Uma plataforma ideal, considerando que o marketing no segmento B2B tem se tornado cada vez mais importante.

Quais são as melhores estratégias para um microblogging eficiente?

Mas não adianta apenas replicar essa estratégia e esperar os resultados de uma hora para outra. Por isso, é importante seguir algumas táticas que vão ajudar a conseguir melhores resultados.

Planejamento de conteúdo

Para maximizar a eficácia do microblogging, é fundamental desenvolver um calendário editorial detalhado. 

Na prática, esse plano precisa ter a frequência e o tipo de conteúdo que será compartilhado, garantindo uma presença constante e em diferentes plataformas de microblogs.

Dependendo do seu objetivo, você pode variar entre dicas rápidas, notícias urgentes, insights de mercado e até mesmo atualizações da empresa para manter o interesse e engajamento dos seguidores. 

A regularidade e a diversidade de conteúdos são essenciais para manter os usuários interessados e engajados, enquanto fortalecem a imagem da marca.

Quem tem um e-commerce de moda, por exemplo, pode publicar dicas de estilo, novidades e bastidores sobre as novas coleções da loja e até mesmo um conteúdo interativo com enquetes para engajar com o público e até mesmo gerar novos insights para o seu negócio.

Uso de hashtags e tópicos populares

Outro ponto importante é utilizar hashtags relevantes para participar de tópicos populares que podem ampliar a visibilidade dos seus conteúdos. 

Ao incluir hashtags em alta, a marca ganha exposição com um público mais amplo que segue esses temas específicos.

Além disso, participar de discussões relevantes na área de atuação da empresa pode estabelecer a marca como participante ativo no setor, aumentando sua autoridade e reconhecimento. 

Por exemplo, companhias do setor de tecnologia podem lançar seus produtos ou avisar de atualizações utilizando hashtags que façam sentido no nicho.

Integração com outros canais

Como falamos mais acima, o microblogging não pode ficar isolado, ele deve fazer parte de uma estratégia de marketing digital integrada. 

Por isso, nunca se esqueça de fazer CTAs que encaminhem os seguidores para outros canais, como blog, canal do YouTube ou landing pages.

O chamado “cross-promotion” potencializa o alcance de todas as suas plataformas, garantindo que o seu público sempre veja a sua marca presente. 

Por que não publicar um vídeo no YouTube e, em seguida, compartilhar alguns dos cortes e destaques desse conteúdo no Twitter para atrair mais usuários interessados?

Conteúdo visual

Por falar em vídeo no YouTube, uma dica aqui é apostar em conteúdos visuais para se destacar nas redes sociais de microblogging. 

Imagens bem diretas, GIFs e até vídeos curtos são ideais para serem compartilhados e capturarem a atenção de quem está scrollando por uma rede social.

Além disso, é uma forma eficiente de fortalecer a sua mensagem, garantindo que o conteúdo visual sempre faça sentido para o que está sendo escrito. 

Em vez de só divulgar dados sobre o sucesso de um novo produto, fazer uma imagem bastante simples de ser interpretada pode tornar aquele conteúdo muito mais relevante.

Engajamento com a comunidade

Também é importante não se distanciar do seu público: o foco do microblogging é justamente a proximidade com a audiência, e isso significa não apenas postar e esperar pelos resultados, mas também engajar e participar das conversas. E um exemplo disso é até mesmo fazer o atendimento dentro dessa estratégia.

Publicou algo sobre um produto e muitos comentários vieram com dúvidas dos seus seguidores? 

Sem problemas, tenha uma equipe disponível para fornecer todas as respostas necessárias, com uma troca mais natural e orgânica para se comunicar com o público-alvo da sua marca.

FAQs sobre microblogging

Ainda tem dúvidas? Não se preocupe. É só acompanhar as nossas perguntas e respostas sobre o tema.

Qual é a diferença entre blog e microblog?

Blogs são plataformas focadas na publicação de artigos longos e detalhados, permitindo um maior detalhamento dos temas. Já os microblogs contam com conteúdos mais breves, limitando o tamanho do texto, incentivando atualizações rápidas e frequentes, ideal para comunicação mais dinâmica.

Quais são os benefícios do microblogging para profissionais de marketing?

O microblogging oferece a vantagem de permitir interações rápidas e diretas com o público, aumentando a visibilidade da marca e o engajamento do consumidor. Além disso, facilita o monitoramento de tendências e a resposta imediata a eventos ou discussões relevantes.

Quais são as melhores plataformas para microblogging?

  • Twitter: ideal para postagens rápidas, interações diretas com seguidores e acompanhamento de tendências por meio de hashtags;
  • Tumblr: combina características de blog e microblog, permitindo posts mais longos além do uso de mídias variadas e repostagens;
  • Instagram: focado em conteúdo visual, é perfeito para estratégias de branding visual e microblogging por meio de legendas curtas e stories;
  • LinkedIn: excelente para microblogs profissionais, especialmente para compartilhar insights da indústria e estabelecer autoridade no setor.

Como criar uma estratégia eficaz de microblogging?

Para desenvolver uma estratégia eficaz de microblogging, é crucial manter um calendário editorial, utilizar hashtags de forma estratégica para aumentar a visibilidade e se engajar constantemente com o público desses canais.

No final das contas, fica claro como o microblogging é uma ferramenta cada vez mais importante para marcas e profissionais de marketing que querem engajar com as suas audiências de maneira orgânica e eficiente. Mas essa estratégia só vai gerar resultados com planejamento e, é claro, conteúdo de qualidade.

O que acha, então, de conhecer mais sobre o WriterAccess, uma plataforma para encontrar freelancers especializados e criar estratégias de microblogging eficazes para a sua marca?

O que faz um copywriter e por que contratar esse profissional?

Você confia no marketing digital para divulgar seu negócio e conquistar novos clientes, mas quem está escrevendo os seus conteúdos hoje? Pode ser que seja você ou uma ferramenta de inteligência artificial gerativa como o ChatGPT, mas será que isso é suficiente para educar e persuadir o seu público? Provavelmente não é.

A qualidade dos textos usados para fins de marketing e vendas depende da capacidade de usar estratégias de copywriting e da sensibilidade de um profissional. Então talvez tenha chegado a hora de saber como contratar um copywriter.

Elaboramos um guia básico para você que deseja contratar esse profissional, incluindo quais são os preços, onde procurar e como escolher um copywriter qualificado.

O que um copywriter faz?

Um copywriter é alguém que escreve textos persuasivos para vender produtos ou serviços. É o responsável por criar palavras e frases que convencem as pessoas a tomar uma ação específica, como se inscrever em um site ou clicar no botão de “Comprar”.

O copywriter Robert Bly, autor do livro “The Copywriter’s Handbook: A Step-By-Step Guide to Writing Copy That Sells”, explica o que faz um profissional da área:

“O copywriter cria uma imagem do que o produto pode fazer pelo leitor, promete que a imagem se tornará realidade se o leitor comprar o produto, prova o que o produto fez por outros e pressiona para uma ação imediata.”

Uma das lições do autor para os futuros copywriters nos ajuda a entender qual é o papel desse profissional na estratégia de vendas de uma empresa:

“Lembre-se, como copywriter, você não é um artista criativo; você é um vendedor. Seu trabalho não é criar literatura; seu trabalho é persuadir as pessoas a comprar o produto.”

Pense nos anúncios que você vê nos sites, nos e-mails que recebe das marcas ou nos posts nas redes sociais que te fazem querer comprar algo. Um profissional provavelmente escreveu essas palavras para te convencer.

Entendido o conceito, veja os principais tipos de “copy” (formatos de conteúdo) escritos por um copywriter:

Então, basicamente, um copywriter é como um vendedor, mas, em vez de usar o rosto e a voz, eles usam as palavras escritas para vender produtos e serviços.

É melhor contratar um copywriter ou redator SEO?

Um redator SEO é especializado em escrever artigos de blog para ranquear nos mecanismos de busca, como o Google, enquanto um copywriter se concentra em criar textos persuasivos que incentivem ações específicas, como comprar um produto ou se inscrever em um serviço. 

É muito importante que você, contratante de um copywriter, entenda essa diferença para encontrar o profissional certo para o seu projeto.

Embora muitos redatores que escrevem para SEO também sejam copywriters, as habilidades necessárias e o estilo de escrita são diferentes. O redator SEO está focado em garantir que o conteúdo seja encontrado online, enquanto o copywriter se concentra em persuadir as pessoas a agirem.

Por que contratar um copywriter?

Toda empresa deveria contratar um copywriter porque o trabalho desse profissional traz resultados tangíveis: aumenta conversões, alinha o conteúdo com objetivos da marca, economiza tempo e atrai o público com gatilhos mentais.

Entenda mais sobre os reais benefícios do trabalho do copywriter a seguir.

Aumento da conversão

Textos persuasivos levam a uma maior conversão de vendas ou ações desejadas. Segundo pesquisa da HubSpot, mais de 60% dos profissionais de marketing medem o sucesso de seu conteúdo por meio das vendas.

E um copywriter é parte importante desses resultados, pois ele é treinado para entender os desejos do público-alvo e traduzi-los em palavras que os levem a tomar uma atitude.

Além disso, os copywriters sabem como usar as palavras certas para convencer as pessoas a comprar um produto, assinar uma newsletter, fazer um download ou qualquer outra ação que você queira que elas realizem.

Estratégia de conteúdo coerente

Quando se trata de conteúdo, não basta apenas escrever palavras bonitas. É necessário que cada landing page, e-mail ou post nas redes sociais esteja alinhado com os objetivos da marca. Aqui é onde entram os copywriters.

Eles trabalham em estreita colaboração com você para entender a essência da sua empresa, sua missão e valores, e depois traduzem esses elementos em mensagens que ressoam com o seu público-alvo.

Expertise em gatilhos mentais

Por trás de cada texto persuasivo está uma compreensão de como é a psicologia humana. É por isso que bons copywriters são especialistas em gatilhos mentais — técnicas psicológicas usadas para influenciar o comportamento do consumidor.

Estamos falando de padrões de pensamento e impulsos emocionais que levam as pessoas a tomar decisões de compra, como escassez, urgência, autoridade, exclusividade, prova social e reciprocidade.

Os copywriters sabem como usar palavras que despertam emoções e incentivam a ação, tornando mais provável que os leitores ajam de acordo com o que está sendo oferecido.

Economia de tempo

Os profissionais que conhecem as técnicas de copywriting podem agilizar o processo de produção de conteúdo.

Eles são treinados para escrever de forma rápida e sem comprometer a qualidade do texto. Isso significa que você economiza tempo que pode ser dedicado a outras áreas do negócio.

Pedro Yamamoto, Senior Copywriter da Hotmart

Pedro Yamamoto, Senior Copywriter da Hotmart

Pedro Yamamoto, Senior Copywriter da Hotmart

Ainda não está convencido? Talvez você mude de ideia com a fala de Pedro Yamamoto, Senior Copywriter da Hotmart:

“O Copywriter é, sem sombra de dúvida, o profissional mais estratégico do marketing digital. Tudo porque ele é a ponta que começa todo o processo, que tem capacidade técnica de direcionar toda a comunicação de um lançamento ou campanha, além de ser o profissional que precisa, obrigatoriamente, ser direcionado por dados e resultados. Ou seja, toda empresa que deseja crescer e escalar seus resultados precisa ter um Copywriter no time. Em todos os lugares que passei, o Copywriter assumia um importante papel estratégico nas ações de marketing e estava diretamente relacionado com as vendas e o resultado da empresa.

Complementando, acredito que todo Copywriter precisa ter uma visão completa do projeto, empresa ou especialista para o qual ele está escrevendo, porque isso ajuda muito a ser eficiente, assertivo e preciso na hora de escrever, além de torná-lo uma peça estratégica para o sucesso de qualquer ação de marketing“.

Quanto custa contratar um copywriter?

No mercado brasileiro, é escasso encontrar dados específicos sobre os custos de contratar um copywriter. Geralmente, os valores são definidos por projeto ou conteúdo. Isso significa que o redator é recompensado pelo resultado esperado, não pelo tempo gasto.

Plataformas como a WriterAccess, que têm uma comunidade de freelancers, adotam esse modelo, cobrando de acordo com a complexidade e exigências de cada projeto, podendo variar conforme o prazo de entrega ou o nível técnico requerido.

Além de plataformas, também é possível contratar diretamente um copywriter freelancer. Nesse caso, os valores variam dependendo da reputação, experiência e especialização do profissional, bem como da complexidade do projeto.

Por exemplo, um projeto de redação de artigos de blog pode variar de R$ 200,00 a R$ 800,00, dependendo da extensão do texto, do prazo de entrega e do nível de especialização do copywriter necessário.

Já para a criação de textos persuasivos para landing pages longas, os valores podem variar entre R$ 300,00 e R$ 1.500,00, considerando fatores como a complexidade da mensagem, o público-alvo e o objetivo da campanha.

Você também pode se interessar pelos seguintes conteúdos:

Como escolher um bom copywriter?

O mercado brasileiro tem muitos copywriters talentosos e qualificados, mas não contrate um profissional para o seu projeto sem antes seguir os seguintes passos:

  • procure profissionais em plataformas de freelancers, agências de marketing, grupos no Facebook e LinkedIn;
  • escolhe um copywriter com experiência no seu nicho de mercado ou na indústria em que você atua;
  • peça recomendações e feedback de clientes anteriores para validar a reputação e a confiabilidade do copywriter;
  • analise o portfólio do copywriter para verificar a qualidade e variedade do trabalho;
  • discuta prazos e cronogramas de entrega claros com o copywriter;
  • esteja aberto ao feedback do copywriter e seja claro sobre suas expectativas desde o início.

Em relação aos preços cobrados pelos copywriters, escolha um profissional cujo valor esteja alinhado com a qualidade e o valor que eles oferecem. 

WriterAccess: encontre copywriters, redatores e outros talentos

Encontrar o profissional perfeito para sua estratégia de conteúdo pode ser um desafio, mas, com a WriterAccess, essa tarefa se torna mais simples. A plataforma reúne mais de 15.000 talentos qualificados, incluindo redatores, editores, estrategistas e copywriters, todos prontos para contribuir com suas habilidades e experiência.

Se você fizer uma pesquisa dos perfis dos talentos da WriterAccess, poderá ver todas as boas práticas que foram indicadas para escolher o melhor profissional. Cada perfil fornece informações sobre a experiência do profissional, especializações e competências, o que você precisa para escolher o copywriter certo para o seu projeto.

A WriterAccess também se destaca pela variedade de especializações, pois os copywriters da plataforma são especializados em diversas indústrias. Ou seja, você encontrará o profissional perfeito, independentemente do nicho de mercado.

E não para por aí. A WriterAccess também oferece ferramentas de IA exclusivas que facilitam o processo de criação. São ferramentas que podem ajudar a otimizar seu conteúdo, tornando-o mais atraente e alinhado aos seus objetivos.

Então, deixo o convite especial para experimentar a WriterAccess com um trial gratuito e encontrar o melhor copywriter para o seu projeto!

FAQ: outras dúvidas comuns sobre copywriter

Ainda ficou com alguma dúvida sobre o trabalho dos copywriters? Confira abaixo respostas para algumas das perguntas mais comuns sobre esses profissionais e suas funções.

Qual é a função de um copywriter?

A função principal de um copywriter é participar da produção de textos persuasivos que incentivam ações específicas das pessoas, como comprar um produto, assinar um serviço ou se inscrever em uma newsletter.

O que é preciso para ser um copywriter?

Para ser um copywriter, é necessário ter habilidades de escrita criativa e copywriting, entender o básico de marketing digital e psicologia do consumidor e conseguir adaptar sua linguagem para diferentes públicos. Ter curso superior não é um pré-requisito, embora seja desejável. 

Qual o salário de um copywriter?

O salário de um copywriter senior contratado por tempo integral varia entre 7 e 13 mil reais, conforme o levantamento atualizado da plataforma Glassdoor. No entanto, a remuneração varia dependendo da experiência, habilidades e localização geográfica.

O que um copywriter estuda?

Um copywriter profissional estuda uma variedade de tópicos relacionados à escrita persuasiva, marketing, neuromarketing, psicologia do consumidor, técnicas de vendas e tendências do mercado. Eles também podem se especializar em áreas específicas, como SEO, marketing de conteúdo ou copywriting para redes sociais.

Quanto custa o serviço de copywriter?

O custo do serviço de copywriter pode variar dependendo da complexidade do projeto, prazo de entrega, nível de especialização e reputação do profissional. Em média, os preços podem variar de algumas centenas a alguns milhares de reais por projeto.

Como contratar um copywriter?

Você pode contratar um copywriter por meio de plataformas online de freelancers, agências de marketing, grupos no Facebook e LinkedIn. Certifique-se de analisar o portfólio, experiência e habilidades do profissional antes de contratá-lo.

Quais os benefícios de contratar um copywriter?

Contratar um copywriter garante que seu negócio use textos persuasivos para impulsionar as vendas, tenha uma economia de tempo na produção de conteúdo, use gatilhos mentais para aumentar a conversão e construa uma estratégia de conteúdo alinhada com os objetivos da marca.

Conclusão

Agora que você já sabe o que faz um copywriter, espero que tenha ficado claro que contratar esse profissional pode fazer a diferença na qualidade dos conteúdos produzidos para suas estratégias de marketing.

Então, conte com uma plataforma que conecta clientes a uma base de freelancers talentos para atender às necessidades específicas do seu projeto.

Na WriterAccess, você encontra redatores SEO e copywriters para ajudar com e-mail marketing, copy de anúncios, landing pages e muito mais. Descubra como fazer um teste grátis por 14 dias!

Como gerar mais leads no TikTok? Melhores dicas para turbinar seu perfil na plataforma!

A geração de leads é uma parte importante de qualquer estratégia de vendas, pois nem todas as pessoas que visitam um site ou veem um conteúdo estão prontas para comprar imediatamente. Muitas vezes, elas precisam de mais informações ou tempo para considerar a compra. É aí que entra a geração de leads.

No TikTok, uma das redes sociais mais usadas no Brasil, a geração de leads também é possível.

Milhões de pessoas acessam o TikTok todos os dias em busca de entretenimento e inspiração. E, com as estratégias certas, você pode transformar esses visitantes em potenciais clientes.

Mas como funciona exatamente a geração de leads no TikTok? É isso que veremos aqui. Continue e descubra tudo sobre como usar o TikTok para gerar leads qualificados!

Por que o TikTok é relevante para geração de leads?

Se você não tem certeza se vale a pena criar uma estratégia de marketing no TikTok para aumentar sua base de leads, queremos provar aqui que chegou a hora de dar esse passo.

O TikTok é uma das redes com crescimento mais rápido desde que foi criada. E, ao contrário do que alguns pensam, tornou-se um ambiente fértil para negócios.

71,2% dos usuários do TikTok disseram que fizeram compras quando encontraram algo no feed ou Stories e 58% dizem que já usaram o TikTok para se inspirar nas compras.

E o crescimento não deve parar por aí. A média de vendas no TikTok nos próximos anos deverá aumentar em 67% até 2026.

Existem muitas razões que podem explicar esse sucesso do TikTok para relações comerciais, especialmente entre as gerações mais jovens.

Dos membros da Geração Z que usam o aplicativo, 2 em cada 5 são atraídos por conteúdo que parece mais adaptado aos seus gostos, segundo pesquisa da Adobe.

O algoritmo do TikTok coleta dados sobre o comportamento de cada usuário, desde os vídeos que assistem até as interações que têm, para entender exatamente o que os mantém grudados na tela e entregar um fluxo personalizado e interminável de vídeos.

Os baby boomers também adoram o aplicativo, com mais de 1 em cada 4 expressando gosto pelos vídeos curtos e baseados em narrativas do TikTok.

Com duração geralmente entre 15 e 60 segundos, esses vídeos podem ser compartilhados, comentados e reproduzidos milhões de vezes.

Segundo relatório State of Marketing 2024, os profissionais de marketing estão usando o TikTok para abordar o público mais jovem que prefere ir atrás de vídeos nas redes sociais para interagir com as marcas:

“Entre os diferentes formatos de conteúdo, o vídeo continua a gerar um ROI superior – por isso, cada vez mais profissionais de marketing estão mergulhando nisso. Os profissionais de marketing estão apostando no TikTok, no YouTube e no Instagram para abordar o público mais jovem, que vai direto às plataformas de vídeo social para pesquisar e interagir com as marcas, ainda mais do que os mecanismos de pesquisa. O vídeo curto é o formato nº 1, oferecendo o maior ROI e terá o maior crescimento em 2024.”

Com um formato atrativo no core das relações dentro do aplicativo, o TikTok cresceu e agora é essencial para marcas que desejam se conectar diretamente com os clientes.

Como começar a gerar leads no TikTok?

Embora o seu objetivo final possa ser gerar leads, o caminho para alcançá-lo começa com o aumento da visibilidade e a construção de confiança com seu público-alvo.

As próximas dicas podem ajudar a trilhar esse caminho para construir confiança com o público e iniciar o processo de geração de leads. Vamos lá!

Mude para uma conta corporativa

Para começar a gerar leads no TikTok, um dos primeiros passos é mudar seu perfil pessoal para a opção de conta corporativa.

Similar à transição para um perfil comercial no Instagram, essa mudança desbloqueia uma série de funcionalidades que pode impulsionar as estratégias de marketing no aplicativo.

Você terá acesso a relatórios que identificam quais vídeos têm mais popularidade, quais são os melhores horários ou dias para postar e até mesmo insights demográficos que ajudam a entender melhor quem são seus seguidores no TikTok.

Se você quer acesso a essas informações, primeiro será necessário criar uma conta pessoal e depois mudá-la para a conta corporativa. Veja o passo a passo:

  1. baixe o aplicativo TikTok e crie uma nova conta;
  2. acesse seu perfil e toque no menu de hambúrguer no canto superior direito;
  3. toque em Configurações e privacidade;
  4. toque em Gerenciar conta;
  5. toque em Mudar para conta corporativa;
  6. escolha a categoria que melhor corresponde ao tipo de negócio.

Seguindo essas etapas, qualquer usuário do TikTok pode mudar sua conta pessoal para uma conta corporativa. Da mesma forma, é possível retornar a uma conta pessoal sempre que for necessário ou alternar entre os modelos de perfil quantas vezes quiser.

Deixe o seu perfil completo e confiável

Uma boa primeira impressão é tudo que você precisa para dar início a um vínculo com os usuários que chegam ao perfil. Toque em Editar perfil e preencha os seguintes campos.

  • foto ou vídeo do perfil: o TikTok permite adicionar um vídeo ao avatar do perfil;
  • nome: o nome da sua empresa;
  • nome de usuário: esse também deve ser o nome da empresa (se possível), sem espaços;
  • bio: você tem 80 caracteres para fornecer um resumo do que sua empresa faz;
  • e-mail: insira o endereço de e-mail de contato da empresa;
  • sem fins lucrativos: se sua empresa trabalha ou apoia uma organização sem fins lucrativos, você pode marcá-la diretamente em seu perfil.
  • categoria: você já deve ter feito isso ao criar sua conta comercial, mas, caso não tenha feito isso, selecione a categoria que melhor representa seu setor.
  • social: conecte suas contas do Instagram e/ou YouTube.

Quando todos os campos estão preenchidos, sua conta tem mais chances de aparecer nos resultados de pesquisa dentro do TikTok e atrair mais leads potenciais.

Defina o seu público do TikTok

O TikTok é conhecido por sua base de usuários jovem, mas, para gerar leads e converter engajamento em vendas, é necessário ir além dessa noção básica sobre quem está seguindo a sua marca.

O próprio app oferece insights sobre a demografia dos seguidores, como idade, localização geográfica e gênero. Essas informações podem ajudar a construir uma visão inicial do seu público-alvo.

Observar o que sua concorrência está fazendo no TikTok também pode trazer insights sobre as preferências e os comportamentos do seu próprio público.

Analise os tipos de conteúdo que estão produzindo, quem está interagindo com eles e como estão envolvendo o público-alvo.

Com essa noção de quem é seu público-alvo, você pode segmentar anúncios pagos, personalizar conteúdos e selecionar hashtags.

Saiba como usar hashtags no TikTok

As hashtags no TikTok funcionam exatamente como no Instagram e X (antigo Twitter).

São palavras-chave ou frases indicadas pelo símbolo de hashtag (#). Elas são usadas para categorizar o conteúdo e permitir que ele seja encontrado por outros usuários.

Os usuários não precisam seguir um perfil para visualizar os conteúdos com determinada hashtag quando fazem uma pesquisa dentro do aplicativo.

Por ter esse potencial de tráfego orgânico para os perfis, o uso de hashtags já é considerado uma estratégia de SEO no TikTok.

Por exemplo, alguém que pesquisa a hashtag #jardinagem pode descobrir vídeos de inúmeras contas que têm essa hashtag adicionada à descrição:

Vale lembrar que muitos desafios e tendências que viralizam no TikTok são impulsionados por hashtags específicas.

Participar das tendências relevantes para sua marca pode aumentar a visibilidade e o engajamento no app, o que pode contribuir com uma maior geração de leads.

Marque a localização nas publicações do TikTok

O TikTok permite ativar a localização para mostrar conteúdo popular na área do usuário e, quando aplicável, exibir anúncios que podem ser mais relevantes para ele.

Isso pode ser interessante para a geração de leads, afinal, você aumenta a visibilidade do conteúdo para usuários que estão na mesma área geográfica.

No caso de uma loja física ou prestadora de serviços em uma determinada cidade, marcar a localização nas publicações pode ajudar a atrair clientes potenciais que estão próximos.

Para adicionar um local à sua publicação no TikTok, o passo a passo é simples:

  1. no TikTok, crie uma publicação;
  2. na tela de publicação, busque a opção “Localização” e toque nela;
  3. em seguida, você pode pesquisar um local específico digitando na barra de pesquisa, ou escolher entre os locais sugeridos abaixo da barra de pesquisa;
  4. depois de selecionar o local desejado, basta tocar em “Publicar”. O local marcado será exibido na publicação.

Feito isso, o seu conteúdo tem uma maior probabilidade de ser descoberto por pessoas que estão interessadas no que sua empresa está fazendo em determinada localização.

Quais estratégias de conteúdo convertam leads no TikTok?

O próximo passo é aprender a usar estratégias que ajudem a converter o público fiel em potenciais clientes no TikTok.

Primeiro, você pode começar fazendo um pouco de pesquisa prática. Se passar algum tempo conhecendo a plataforma e observando os tipos de vídeos que aparecem na sua página “Para você”, pode captar estratégias que concorrentes estão usando.

Dito isso, confira algumas formas populares de gerar leads no TikTok.

Colaborações com influenciadores

Os influenciadores do TikTok têm uma forte presença no aplicativo e são capazes de influenciar as decisões e opiniões de outras pessoas em seu nicho de interesse.

Uma das formas mais comuns de colaboração com influenciadores é o conteúdo patrocinado. Nele, a marca paga ao influenciador para criar uma #publi, um vídeo promovendo determinado produto e serviço.

As marcas também podem criar campanhas específicas e convidar influenciadores para divulgar materiais, códigos promocionais ou ferramentas relevantes para o público.

Para garantir a geração de leads, a descrição dos vídeos pode explicar o que os visitantes devem fazer para aproveitar o que a empresa tem a oferecer.

Criação de landing pages

Existe a possibilidade de criar landing page para uma campanha de marketing dentro do TikTok.

São feitas para converter visitantes em leads ou leads em clientes, sem exigir que os usuários saiam do aplicativo.

Você pode direcionar os usuários para sua página de destino por meio de anúncios pagos.

Uma vez na página, eles podem consultar mais informações sobre um produto ou serviço, além de se inscrever em uma lista de e-mails ou realizar uma compra.

Para criar uma landing page no TikTok, é preciso antes criar uma conta no TikTok Ads Manager, a plataforma na qual você pode criar e gerenciar anúncios no aplicativo.

Consistência na rotina de publicações

Se você publica com frequência no TikTok, o algoritmo entende que sua conta é ativa e suas postagens têm mais chances de serem entregues para os seguidores.

O algoritmo interpreta períodos de inatividade como falta de interesse ou relevância, o que pode resultar em menos distribuição orgânica para suas postagens.

Mas vale ressaltar que consistência não significa postar muitas vezes em um curto período e depois desaparecer. Isso pode confundir o algoritmo e desencorajar a audiência. Em vez disso, é melhor manter um ritmo constante de publicações.

Confira outros materiais que podem ser do seu interesse:

Quais as táticas para amplificar o alcance no TikTok?

Além de todas as estratégias que você viu até aqui, ainda é possível aproveitar as funcionalidades específicas que o próprio TikTok oferece para marcas que desejam melhorar seu marketing dentro do aplicativo.

Uma dessas estratégias é o uso do já mencionado TikTok Ads Manager, ferramenta que permite criar, publicar e gerenciar anúncios na plataforma.

O TikTok Ads Manager oferece uma visão geral de todas as campanhas, métricas e ferramentas de orçamento disponíveis.

Uma opção dentro do TikTok Ads é o uso de Spark Ads, um formato de anúncio nativo que aproveita postagens orgânicas do TikTok para criar anúncios.

Com os Spark Ads, você pode utilizar suas próprias postagens ou postagens orgânicas de outros criadores (com a autorização deles) para promover a marca de forma mais autêntica.

Ao contrário dos anúncios não Spark, os Spark Ads usam postagens de contas reais do TikTok, o que pode aumentar a credibilidade e o engajamento com o público.

O pixel do TikTok é outra que pode ser usada em conjunto com qualquer ferramenta do TikTok for Business para ampliar o alcance e a eficácia das suas campanhas

É um código que você pode inserir em seu site e identificar ações como visualizações, cliques e até conversões que acontecem depois que alguém viu um anúncio no TikTok.

Com essas informações, você consegue entender de onde vêm suas conversões e saber quais anúncios estão funcionando melhor.

Conclusão

O TikTok é uma plataforma competitiva, e se destacar requer consistência. Portanto, não se desanime se a sua conta não se tornar uma sensação da noite para o dia.

Mesmo que a fama instantânea possa não ser alcançada, vimos que há uma série de estratégias e ferramentas para criar uma confiança com o público e, consequentemente, iniciar a geração de leads.

Aprenda mais sobre redes sociais! Confira a edição especial do webinar gratuito da Rock Content, Jam Session, com Rafael Kiso, fundador e CMO da mLabs.