TikTok está mudando a forma como marcas desenvolvem e lançam produtos

O Google, Instagram e os blogs já foram os lugares mais procurados para descobrir tendências e ajudar a alavancar marcas. Agora, o TikTok tem se tornado o fator impulsionador por trás de tendências e o lugar de referência para empresas que precisam monitorar as novidades do seu setor.

Com mais de 50 milhões de usuários ativos, o TikTok se tornou um gigante no mundo das mídias sociais e está mudando a forma como as empresas desenvolvem e lançam produtos, de acordo com um relatório do The Wall Street Journal. 

As indústrias estão aproveitando o hype das trends lançadas no aplicativo para conhecer melhor seu público alvo e criar produtos que engajem com esses consumidores e possam se tornar um objeto de desejo dos usuários ativos do app mais popular do momento.

Marcas influenciadas pelo TikTok

A Aeropostale, por exemplo, teve uma grande sacada que fez aumentar seus lucros no ano de 2022. Através da tendência dos “jeans soltos” e com o afastamento dos jeans skinny justos no TikTok, a marca conseguiu aumentar suas ofertas de jeans soltos, que passaram de 7% das vendas em 2020 para 40% em 2022 e teve um aumento de 15% nos lucros.

“Nós dobramos o TikTok desde então, porque vemos o quão forte é o ROI”, disse Natalie Levy, CEO do SPARC Group – a joint venture entre o Simon Property Group e o Authentic Brands Group. A Aeropostale agora trabalha com dezenas de influenciadores do TikTok, incluindo Lexi Hidalgo que tem um alcance de mais de 2 milhões de seguidores na plataforma.

A Gap também viu no TikTok uma oportunidade de crescimento do valuation da marca e conseguiu popularizar seu moletom com logotipo da Gap enviando o produto para pessoas populares da rede social. A partir disso, as vendas do produto decolou, mesmo com a resistência inicial da CMO da empresa em criar um TikTok exclusivo da marca.

Mas nem tudo são flores…

Com essa relevância do TikTok nas marcas, as empresas americanas passaram a se tornar refém dos caprichos do aplicativo, como afirma o The Wall Street Journal.

A Chipotle, por exemplo, adicionou ao seu cardápio o “Keithadilla”, um hack de menu criado pelas celebridades do TikTok Keith Lee e Alexis Frost. A Chipotle viu nesse caso uma forma de incorporar ao seu menu um prato já superpopularizado no TikTok, atraindo o público dos influenciadores às suas lojas. 

Mas você deve estar se perguntando onde está a problemática nisso, afinal, a Chipotle saiu lucrando dessa, não é mesmo?

O hack viral da quesadilla foi uma ótima estratégia de marketing orgânico para a empresa Chipotle, o problema é que com o boom de uma quesadilla -que nem existia na vida real-, os funcionários da Chipotle começaram a mostrar insatisfação nas mudanças geradas por um viral do TikTok. Um usuário do TikTok, @bmar1992, postou um vídeo mostrando uma placa que ela viu postada no registro de seu Chipotle local.

“PROTEÍNA E QUEIJO SÓ NA QUESADILLA! Nenhuma tendência do TikTok é permitida”, diz a placa mostrada no vídeo. 

Já no Starbucks, as bebidas viralizadas no TikTok se tornaram um pesadelo para os baristas que viram as receitas de bebidas difíceis de fazer, sendo espalhadas pela internet. 

Sendo assim, os restaurantes estão precisando modificar os cardápios para saciar as demandas geradas pelo TikTok e aliviar o estresse dos seus trabalhadores. 

Mas uma coisa é certa nisso tudo, o TikTok vai continuar sendo um dos aplicativos mais populares do mundo e vai continuar ditando tendências e cancelamentos de marcas. É importante que as empresas estejam cada vez mais inseridas no aplicativo para se apoderar das tendências e poder sair nas frente dos concorrentes. 

Existem marcas fazendo um ótimo marketing, seja intencional ou não, no TikTok e essa é uma excelente forma da sua empresa conquistar fãs e seguidores e aumentar o reconhecimento da marca. 

É importante sim se inserir nesse meio e analisar as trends do momento, porém, é importante traçar limites para que sua marca não seja desenhada pelo TikTok e perca um pouco da essência se tornando um fantoche do aplicativo. Moderação, sempre!

Quer continuar atualizado com as melhores práticas de Marketing? Então se inscreva na The Beat, a newsletter interativa da Rock Content. Nós cobrimos todas as tendências que importam no cenário do Marketing Digital. Vejo você lá!

O que é SEO corporativo e quais são as tendências para os próximos tempos?

Conhecer as principais tendências envolvendo o mundo digital é fundamental para conseguir bons resultados no negócio. Nesse contexto, conhecer o que é SEO corporativo e quais são os benefícios que podem ser alcançados é relevante para construir uma empresa cada vez mais forte e se diferenciar da concorrência.

Dentro do SEO empresarial, existem várias tendências que podem ser aplicadas, como o uso de inteligência artificial, de dados e de estratégias para melhorar a experiência dos clientes. Se deseja saber em detalhes sobre cada uma dessas novidades, vale a pena continuar a leitura e conferir o conteúdo especial que preparamos para você!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

O que é SEO corporativo (ou SEO empresarial)?

O SEO corporativo envolve a execução de tarefas estratégicas e gerenciamento de projetos de SEO em empresas. Elas, em geral, contam com sites grandes, vários produtos e serviços oferecidos aos consumidores.

É comum associar o SEO empresarial a grandes marcas, as quais contam com um departamento com muitos profissionais para desenvolver as estratégias e implementar a tecnologia do SEO corporativo e seus princípios básicos.

Além dos aspectos destacados acima, esse tipo de SEO ajuda na gestão e planejamento das campanhas, bem como na hora de alinhar as metas da empresa com as práticas aplicadas para alcançar clientes pelo meio orgânico.

Por que o SEO corporativo é importante?

O SEO corporativo tem potencial para trazer diversos impactos positivos para a sua empresa. A partir de boas estratégias é possível alcançar as seguintes vantagens:

  • Ter um diferencial competitivo — a concorrência é dura e saber como se diferenciar é importante para ter sucesso com as estratégias de Marketing. Nesse sentido, o SEO corporativo é uma ótima saída;
  • aumentar a escalabilidade — com boas ferramentas, você consegue automatizar parte das tarefas e aumentar a escala dos seus conteúdos, chegando a mais potenciais compradores;
  • melhorar a reputação da empresa — o SEO empresarial vai ajudar a construir autoridade e manter o negócio com uma imagem positiva junto ao mercado consumidor.

Ao investir em SEO corporativo, é possível aproveitar todos esses impactos positivos, o que torna essa estratégia importante para empresas que querem se destacar.

Tendências de SEO corporativo para se atentar

O mercado digital sofre constantes atualizações e acompanhar as tendências é fundamental para manter a empresa atualizada e competitiva. Por isso, apresentamos as principais novidades sobre SEO empresarial que você precisa conhecer. Continue lendo e confira!

Algoritmos e atualizações de pesquisas

Entender os algoritmos e atualizações de pesquisa é crucial para manter a empresa bem posicionada nos mecanismos de busca. Com o uso de ferramentas de IA, os algoritmos vêm mudando e é preciso entender como se adaptar a essa inovação para manter o SEO empresarial relevante.

O primeiro passo para conseguir boas posições e manter o número de visitas elevado em seu site é desenvolver conteúdos envolventes e relevantes. Apesar de todas as atualizações, esse ponto ainda é enfatizado pelo Google. Além disso, houve atualizações relacionadas ao Page Experience, que tiveram como foco um carregamento mais rápido aliado às respostas mais adequadas às buscas.

Também é preciso ter atenção ao avanço da IA. A implementação de ferramentas de Inteligência Artificial de conversação, como o Google Bard, tendem a ganhar campo. Mas não se engane, continua sendo necessário criar conteúdos personalizados e humanos para engajar os leitores e manter a empresa bem posicionada no Google.

O valor do SEO para seu negócio

O SEO desempenha um papel relevante nas estratégias do negócio. Por meio de boas estratégias é possível criar um relacionamento com os usuários e garantir uma grande quantidade de leads qualificados.

Nesse sentido, é preciso contar com um planejamento de conteúdo adequado à persona do seu negócio. Além disso, ter palavras-chave adequadas e bons conteúdos, que ajudem os indivíduos a alcançarem seus desejos ou resolverem suas dores, é crucial para ter resultados cada vez melhores.

Por exemplo, ao contar com profissionais talentosos você consegue desenvolver conteúdos envolventes, que criarão autoridade e melhorarão o relacionamento com a persona do negócio. Assim, as chances de aprimorar o posicionamento nos mecanismos de busca e garantir um bom tráfego para o site da empresa são elevadas.

SEO e dados

Conforme as tecnologias avançam e há maior coleta de dados sobre o comportamento das pessoas na internet, mais recursos sua empresa tem para trazer inteligência para os negócios.

Dados de uma pesquisa da Salesforce destacam que quatro em cinco profissionais de marketing entendem que a inteligência, a qualidade e uso dos dados representam fatores centrais no desempenho das estratégias.

Logo, uma das principais tendências é que os dados estejam cada vez mais presentes na tomada de decisão quanto à produção de conteúdo. Conhecer sobre as preferências do consumidor permite adiantar quais os termos que devem ganhar destaque nas pesquisas e como isso pode trazer mais leads para a empresa.

Logo, as plataformas digitais e demais ferramentas de integração podem produzir diversas informações relevantes sobre o comportamento do seu público. Isso permite que você tenha dados relevantes que, quando tratados, podem gerar indicadores de resultado, desempenho e de engajamento, por exemplo. Tais informações podem fornecer a base necessária para o desenvolvimento de uma inteligência comercial em seus projetos.

Crie melhores experiências para seus clientes

O SEO empresarial detém muitos atributos além da otimização para os motores de busca. Ele envolve o uso de estratégia para otimizar a experiência do cliente. Com o foco no usuário, o Google elaborou o Multisearch para facilitar o processo de busca por informações exatas.

Além disso, o Google Lens foi desenvolvido para as pessoas poderem realizar pesquisas com rapidez e precisão por meio de imagens ou textos, além de permitir que ambos sejam combinados.

Para os próximos ciclos, é esperado que a IA do Google ofereça novas oportunidades para as empresas darem mais detalhes sobre produtos e serviços para os clientes. Além disso, vale manter todos os cuidados quanto ao ajuste do conteúdo para proporções adequadas aos dispositivos móveis.

Os próximos períodos prometem trazer grandes oportunidades para o SEO corporativo. Por isso, vale a pena entender as mudanças no comportamento do consumidor e como elas podem se alinhar com os objetivos do negócio. Isso permite que a sua empresa se mantenha atualizada quanto às melhores práticas na experiência do cliente e possa se destacar no mercado em que atua.

Que tal contar com freelancers talentosos e especializados em SEO empresarial? Faça o teste grátis da WriterAccess agora mesmo e potencialize os resultados do seu negócio!

Intensivão: Como eu uso entrevistas para gerar resultados de marketing

Nessa última década, o marketing passou por transformações significativas em relação aos formatos de conteúdo.

A transição do conteúdo estático para o interativo e dos PNGs para os MP4s reflete a natureza dinâmica do mercado. Segundo o relatório State of Marketing de 2023, 25% dos profissionais de marketing planejam incorporar entrevistas em suas estratégias pela primeira vez este ano.

Durante a pandemia, as entrevistas se tornaram uma ferramenta popular em todo o mundo, sendo utilizadas em podcasts, vídeos e nas redes sociais.

Eu tenho consistentemente aproveitado as entrevistas como um recurso valioso de marketing desde que percebi o potencial delas.

Neste artigo, vou compartilhar as minhas experiências recentes ao integrar entrevistas em minha estratégia de marketing, apresentando resultados e insights pessoais.

Para mais dicas sobre como aproveitar as entrevistas no marketing, recomendo que você confira a íntegra do relatório State of Marketing de 2023.

O formato de entrevista

A entrevista tem um papel crucial para engajar o público e obter resultados impactantes. Então, não surpreende que o vídeo represente 50% das respostas sobre os formatos de mídia usados pelos profissionais de marketing este ano.

Eu conduzo as Jam Sessions, uma série de entrevistas em vídeo ao vivo organizadas pela Rock Content com a participação de profissionais especialistas, pioneiros e inovadores do mundo do marketing. Para citar alguns exemplos, Joe Pulizzi, Pam Didner e Rand Fishkin já foram destaque em nosso palco.

Veja a imagem da Jam Session com Mordy Oberstein. É nesse espaço que os participantes se reúnem, fazem perguntas e compartilham suas experiências pessoais.

Ao abraçarmos o poder das entrevistas em vídeo ao vivo, podemos oferecer uma experiência imersiva e exclusiva para nosso público, promovendo conexões significativas e levando o engajamento a outro nível.

Como usar entrevistas como recurso de marketing?

É aqui que a mágica acontece! Para desbloquear o verdadeiro potencial das entrevistas e obter resultados impactantes, é crucial ir além de simplesmente criá-las. Você pode ir além disso ao reutilizar as entrevistas em diversos formatos. É o caso, por exemplo, de posts de blog, conteúdo para redes sociais, e-mail marketing, fluxos de nutrição e muito mais.

Ao abranger diferentes canais, você pode expandir seu alcance e interagir com seu público em vários pontos de contato. Ao adotar uma estratégia omnichannel, você não apenas melhora a geração de leads e as conversões de MQLs, mas também permite oferecer uma experiência abrangente que atende às preferências e necessidades do seu público.

O fator “ao vivo”

Todas as nossas Jam Sessions são realizadas ao vivo e, para maximizar o impacto delas, eu elaboro uma agenda promocional abrangente com o objetivo de gerar um grande volume de leads.

Mas, nos primeiros dias em que comecei as transmissões, eu acreditava que deveria parar de promovê-las logo após o evento. O problema é que eu esquecia que mesmo no caso de FOMO (Fear of Missing Out, ou medo de ficar por fora), haviam pessoas que realmente perderam o evento!

Para lidar com isso, adotei uma nova abordagem, estendendo o período de promoção por mais uma semana após a transmissão ao vivo. Isso me permite aproveitar o assunto em alta sem comprometer futuros lançamentos ou iniciativas.

Agora, você pode estar se perguntando: como eu gero resultados efetivos com isso?

Reaproveitar é a resposta

Para criar uma experiência completa, é essencial que eu seja dinâmico. Utilizar diversos formatos para complementar a entrevista é, sem dúvida, a minha maneira mais eficaz de maximizar os resultados.

Agora, permita-me compartilhar algumas ideias sobre o que tem funcionado na minha estratégia:

Envios por e-mail

A temporada promocional das nossas Jam Sessions tem a duração de um mês, antes e depois da transmissão da entrevista.

Como parte da nossa estratégia, enviamos e-mails semanais para os nossos contatos, cada um destacando um aspecto único do episódio da Jam Session. Esses e-mails abordam diferentes elementos, como o tema, o convidado, a seção de perguntas e respostas e materiais adicionais.

Historicamente, os nossos e-mails têm sido o principal impulsionador de conversões para as Jam Sessions, representando consistentemente cerca de 60% do número total.

Isso demonstra a eficácia das campanhas de e-mail segmentadas em gerar interesse e engajamento junto ao nosso público, resultando em uma maior taxa de participação nas nossas transmissões.

Fluxos de nutrição

O momento após a conversão é a oportunidade ideal para iniciar uma conversa com o seu lead. Afinal, essa pessoa acabou de mostrar interesse em algo criado por você, sua marca ou sua empresa.

Então, é essencial retribuir esse interesse e demonstrar um engajamento genuíno.

Uma maneira eficaz de fazer isso é inscrever o contato em um fluxo de nutrição por e-mail. No primeiro envio, expresse sua gratidão e entusiasmo pelo interesse do lead, oferecendo detalhes e links relevantes.

Em seguida, programe uma série de e-mails oportunos para aprimorar a experiência desse lead.

Com base no tema da entrevista, eu compartilho materiais valiosos, dicas, hacks, créditos gratuitos, tutoriais e outros conteúdos educativos com o objetivo de capacitar e educar ainda mais o contato.

Ao fazer isso, muitas vezes encontro pessoas que estão ativamente buscando soluções que a Rock Content pode oferecer. Assim, eu promovo sua progressão dentro do ciclo de vendas ao mesmo tempo em que construo um bom relacionamento comercial.

Post de blog dedicado

Durante o período promocional, quem se cadastra nas nossas Jam Sessions tem a oportunidade de enviar perguntas para o nosso convidado.

A princípio, essas perguntas eram reservadas exclusivamente para a sessão ao vivo. No entanto, após incorporar a semana adicional de promoção, comecei a trazê-las em um post no blog juntamente com as respostas do convidado.

No artigo, seleciono cuidadosamente perguntas exclusivas que não foram abordadas durante a sessão ao vivo, garantindo que a experiência se estenda às pessoas genuinamente interessadas. Essa interseção poderosa de perguntas e soluções está no centro das estratégias de marketing eficazes.

Redes sociais

As redes sociais oferecem uma ótima oportunidade para tornar seu conteúdo relevante por mais tempo, garantindo sua longevidade contínua. Com base na minha experiência ao promover uma Jam Session, utilizo postagens regulares e vídeos interessantes que apresentam teasers dos nossos convidados, criando expectativa para a próxima conversa.

Após a transmissão, descobri que os vídeos curtos retirados da própria transmissão funcionam extremamente bem, cativando o público e gerando engajamento.

Além disso, as redes sociais têm se mostrado altamente eficazes para iniciativas de vendas e atendimento ao cliente. De acordo com o relatório State of Marketing de 2023, 29% dos profissionais de marketing já estão aproveitando o poder das redes sociais para esses fins.

Essa estatística destaca o reconhecimento crescente do imenso potencial das redes sociais como um canal versátil que permite interação direta com os clientes, facilita a conversão de vendas e promove conexões significativas com o público-alvo.

As entrevistas são a base do meu sucesso com marketing, permitindo que eu me envolva com meu público de várias maneiras. Estou convencido em continuar utilizando entrevistas como uma ferramenta poderosa para impulsionar o sucesso e estabelecer conexões significativas com meu público, à medida que desenvolvo minha estratégia.

Quer continuar atualizado com as melhores práticas de Marketing? Então se inscreva na The Beat, a newsletter interativa da Rock Content. Nós cobrimos todas as tendências que importam no cenário do Marketing Digital. Vejo você lá!

O que é e como funciona a geração de demanda B2B?

Entender o conceito de geração de demanda B2B é uma excelente forma de aprimorar as estratégias do seu negócio, atrair mais clientes e aumentar os lucros da empresa de forma otimizada.

Esse conceito é crucial para atrair a atenção de possíveis parceiros de negócio e garantir sustentabilidade no longo prazo.

Para isso, existem várias técnicas que podem ser aplicadas para gerar demanda. Aprender mais sobre elas irá te auxiliar a manter a sua empresa competitiva no mercado, deixando as concorrentes para trás.

Que tal descobrir mais sobre esse conceito e aprender como aplicar as principais técnicas de geração de demanda B2B? Basta continuar a leitura e conferir o post que preparamos!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

A importância da geração de demanda B2B para o sucesso das empresas

A geração de demanda B2B refere-se ao processo de criar e atrair interesse, leads e oportunidades de negócios para as empresas que vendem para outros negócios. Nesse sentido, utilizam-se várias estratégias com a intenção de atrair a atenção de outras companhias e vender as soluções oferecidas.

Esse conceito é importante porque ajuda na elaboração de campanhas de Marketing, permite acompanhar as principais métricas, otimiza o funil de vendas do negócio, oferece uma melhor experiência ao cliente, garante bons relacionamentos e, consequentemente, oferece o suporte necessário para alcançar os objetivos da empresa.

Diferença entre geração de demanda e geração de leads

O que é geração de demanda você já sabe. Esse conceito é relacionado com o de leads, mas não são equivalentes. Ele tem foco em criar interesse do público-alvo pelas soluções da empresa.

Já a geração de leads tem o objetivo de coletar informações qualificadas dos clientes potenciais para que, após isso, gere-se a demanda pelas soluções oferecidas.

Vale ressaltar que os dois conceitos são importantes no processo de marketing e vendas. Portanto, trabalhá-los em conjunto é um bom modo de impulsionar o crescimento e o sucesso do seu negócio.

Como trabalhar a geração de demanda B2B na sua empresa?

Entender como incorporar as principais estratégias de geração de demanda B2B nas campanhas de Marketing do negócio é crucial para garantir melhores resultados. Com o intuito de te ajudar com isso, separamos várias dicas importantes. Confira, a seguir!

Tenha essa estratégia como objetivo anual no seu negócio

Ter um planejamento de negócios é crucial para alcançar os objetivos e se destacar no mercado em que você atua. Esse plano é ainda mais fundamental para quem trabalha vendendo para outras companhias.

Nesse sentido, é preciso incorporar as principais técnicas de geração de demanda no planejamento anual do seu negócio. Isso porque, sem vendas, as chances da sua empresa falir é grande.

Ao incorporar a geração de demanda como objetivo anual, você consegue planejar as melhores ações de marketing e vendas, além de expandir a sua base de clientes. Portanto, vale colocar esse conceito em pauta na hora de definir as metas anuais.

Gere valor para seus clientes

Para gerar demanda, é preciso agregar valor à jornada de compras do seu cliente. Essa prática vai ativar gatilhos mentais de reciprocidade e autoridade, tornando a sua companhia mais conhecida e facilitando o processo de geração de demanda.

Nesse sentido, existem diversas estratégias que você pode usar para agregar valor aos cliente do seu negócio, como:

  • invista em experiências personalizadas — entender quem é a sua persona e oferecer uma jornada de compra adequada para ele é crucial para atrair a atenção e aumentar a taxa de conversão;
  • tenha um bom atendimento — é preciso prestar um suporte de qualidade para aumentar o reconhecimento da sua marca e fidelizar as empresas que firmaram parceria com a sua marca;
  • promova a colaboração — colaborar com os possíveis clientes do seu negócio é mais uma forma de agregar valor. Ofereça amostras grátis das suas soluções para que eles melhorem os processos e consigam visualizar o valor do que você oferece;
  • capriche no Marketing de conteúdo — essa ferramenta vai auxiliar a agregar valor por meio de informações relevantes para os seus potenciais clientes. Com isso, a sua empresa ganha autoridade no mercado e potencializa a geração de demanda.

Para melhorar o Marketing de Conteúdo do seu negócio, vale contar com a WriterAccess. Com ferramentas poderosas para otimizar o fluxo das suas campanhas e talentos especializados, você consegue se destacar no mercado e aumentar a demanda pelas suas soluções.

WriterAccess dashboard screenshot

WriterAccess dashboard screenshot

Criação de programas de referência para incentivar a indicação de novos clientes

A terceira prática para trabalhar a geração de demanda B2B é a criação de programas de referências para alcançar indicações dos seus atuais parceiros. Esse tipo de prática serve para estimular a recomendação das suas soluções para outras empresas, aumentando a sua base de clientes.

Para que esse tipo de tática dê certo é preciso pensar em incentivos atrativos, como descontos, créditos ou brindes exclusivos. Além disso, é importante simplificar o processo de indicação, pois muitas barreiras desestimulam as indicações.

Avaliação e otimização contínuas

Por fim, é importante fazer avaliações contínuas para aplicar melhorias nos processos da empresa e continuar gerando demanda pelas suas soluções. Nesse sentido, é crucial definir quais são as principais métricas que devem ser acompanhadas.

Ainda é relevante ter uma boa base de dados, criada por meio de um processo de coleta confiável. Desse modo, fica mais fácil entender quais são os pontos fracos e fortes da sua empresa e, com isso, implementar as melhorias.

Outra boa ação é solicitar feedbacks dos atuais clientes. Esse cuidado vai melhorar o relacionamento com os atuais parceiros, o que cria a possibilidade de indicações que podem aumentar a procura pelas suas soluções.

Entendeu o que é a geração de demanda B2B e quais são as principais práticas que você pode usar? Apostar no Marketing de Conteúdo é uma excelente ação para gerar mais procura. Ao contar com os talentos do WriterAccess, você contará com a ajuda de especialistas na construção de materiais incríveis para aumentar o seu portfólio de clientes.

Quer entender melhor como usar a WriterAccess no Marketing de Conteúdo da sua empresa? Então, experimente tudo o que temos a oferecer com um teste gratuito de 14 dias!

Ferramentas de inteligência artificial para o seu dia a dia no trabalho

A IA está se tornando uma grande aliada de pessoas que buscam otimizar seu trabalho e aumentar o equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Ferramentas de Inteligência Artificial atuais podem agilizar processos burocráticos, apresentar novos caminhos e dar suporte à expressão criativa e prática com menos barreiras técnicas.

Se você é profissional, principalmente de marketing, e quer adotar a tecnologia no seu dia a dia, veja esta lista especial sobre as 7 melhores soluções hoje para ganhar em produtividade, qualidade e criatividade no trabalho.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

1. WriterAccess

A Rock Content é uma empresa que sempre valorizou as relações humanas em meios digitais, utilizando conteúdo rico, útil e engajante como ponte entre empresas e clientes. A RC sabe que práticas de SEO dão visibilidade a um negócio, mas é a produção de conteúdo de qualidade e humanizado que transforma visitantes em clientes.

A Rock sabe que a Inteligência Artificial, em vez de substituir, pode potencializar o trabalho de profissionais de marketing. A aquisição da plataforma WriterAccess é um grande exemplo disso.

Na plataforma que conecta empresas a profissionais produtores de conteúdo, a IA é utilizada como base para estruturação, organização e aceleração de conteúdo digital. O algoritmo presente nas ferramentas da solução é voltado para funções fundamentais de um projeto de marketing, como as seguintes.

AI Content Idea Generator

O gerador de ideias da WriterAccess é uma ferramenta que auxilia na elaboração de planos de conteúdo oferecendo insights e sugestões sobre temas a serem abordados, tipos de texto mais eficientes e assuntos emergentes que sirvam de tópico engajante para a sua empresa.

Como a parte de ideação é uma das mais demoradas e complexas da produção de conteúdo, ter esse suporte estratégico ajuda no encurtamento entre o planejamento de uma campanha de divulgação e sua execução, com resultados vindo em menos tempo.

Match me up

Outro uso interessante da IA dentro da WriterAccess é o pareamento entre empresas e times de marketing com os melhores redatores para sua estratégia de conteúdo.

A funcionalidade Match me up entende sua necessidade, o estilo de linguagem que quer imprimir, o perfil de seu cliente e sugere a você os profissionais mais capacitados e apropriados para um encaixe perfeito.

Contar com as pessoas certas no trabalho diminui o tempo com retrabalho e ajuste de planejamento, além de garantir que sua campanha está atingindo quem realmente importa.

2. Gamma AI

O WriterAccess vai acelerar seu plano de marketing, mas como apresentá-lo para a diretoria e para o time de uma maneira compreensiva, que faça todos comprarem sua ideia?

O Gamma é uma solução perfeita para quem tem que fazer uma apresentação, mas não tem o tempo para organizar visualmente suas ideias.

Com a solução, você monta esqueletos de apresentações em slides em segundos. A IA não apenas cria uma apresentação consistente como preenche com dados preliminares os pontos que irá abordar.

Assim, basta você inserir seus dados e argumentos nos tópicos criados e usar o tempo economizado para treinar o seu pitch.

3. Elai.io

Assim como a tecnologia está facilitando a produção de conteúdo textual com aceleração de seus processos iniciais, ela está evoluindo para fazer isso também com vídeo.

A solução Elai.io é uma ferramenta de Inteligência Artificial especializada na criação de vídeos generativos a partir de prompts de texto. Em minutos, você consegue criar vídeos em escala e qualidade profissional.

Uma aplicação interessante no trabalho é usá-la como teste de diferentes abordagens em vídeo e entender qual delas se conecta melhor com seu perfil de cliente. O Elai.io ainda oferece storyboards gerados por IA e emulação de voz em várias línguas.

4.Tl;dv

Principalmente depois da pandemia, ferramentas de videoconferência se tornaram comuns em qualquer ambiente de trabalho. Elas agilizam discussões, facilitam a comunicação e permitem que o trabalho remoto traga mais equilíbrio para a vida pessoal de muitas pessoas.

Mas um grande problema das videoconferências é a falta de um registro eficiente dos tópicos, ideias e soluções. A ferramenta tl;dv busca solucionar essa questão.

Com o GPT como base, a IA grava conferências no Meet e no Zoom e transcreve tudo o que foi falado em um modelo simples e eficiente de visualização. A ferramenta tem suporte também para criação de resumos e navegabilidade entre tópicos para facilitar a revisão de reuniões e follow-ups.

5.Speechify

As tecnologias de text-to-speech (texto para voz) são tanto funcionalidades profissionais poderosas como ferramentas de IA para o dia a dia. Elas geram um áudio a partir de conteúdo textual que é lido de maneira natural e engajante, facilitando o consumo desse tipo de conteúdo em várias situações.

No seu equilíbrio de vida profissional e pessoal, por exemplo, soluções como o Speechify ajudam você a ler relatórios, PDFs, livros e outros materiais durante momentos em que não é possível fazer isso: dirigindo, enquanto realiza outra função, etc.

6.Pragma

Se você trabalha em uma empresa grande ou faz parte de grandes times, sabia que a Inteligência Artificial pode facilitar a rotina com indexação e estruturação dentro de projetos?

A Pragma é uma ferramenta de integração de dados em ambientes corporativos. Ao se conectar com diversas soluções produtivas (Slack, Google Drive, Meet, Dropbox etc.), ela indexa e organiza todas as discussões, argumentos e registros empresariais.

O resultado é que qualquer conteúdo já discutido e compartilhado está sempre a segundos de distância, com uma abordagem inteligente e fluida para encontrar qualquer resposta imediatamente dentro de reuniões e processos.

7.Superflows

E se você pudesse incluir a ajuda que vem recebendo das Inteligências Artificiais em seu produto digital? Assim, seus clientes também podem se beneficiar da tecnologia.

O Superflows é um serviço que simplifica e automatiza a integração do ChatGPT como um copiloto em aplicativos. Com a implantação da tecnologia em sua própria solução, a empresa economiza em tempo de suporte e aumenta o engajamento no uso.

Seja para facilitar o seu dia a dia, seja para oferecer novas formas de conexão com seu público, as ferramentas de Inteligência Artificial estão transformando nossa relação com conhecimento, conteúdo e produtividade. Ao pesquisar mais sobre essas soluções emergentes, você se prepara para esse futuro.

E que tal experimentar uma plataforma especializada em produzir conteúdo humano com a agilidade que as IAs proporcionam? Conheça a WriterAccess e faça um teste grátis de 14 dias!

SEO Orientado à Conversão: ranqueando landing pages de fundo de funil [nosso passo a passo]

Na última década, a Rock Content tem sido referência em Marketing de Conteúdo e SEO para empresas.

Não apenas fazemos pesquisas extensas e compartilhamos novos insights sobre essas questões regularmente, mas essas táticas também estão no centro de nossos próprios esforços de marketing.

Durante muito tempo, nosso foco em SEO foi aumentar o tráfego para aumentar o brand awareness e nos posicionar como especialistas na comunidade de marketing e conteúdo.

De fato, o tráfego do nosso site em inglês aumentou mais de 80% em um ano, com visualizações orgânicas por mês passando de 166.000 em janeiro de 2022 para 301.000 em janeiro de 2023.

Com esses números, parecia que era hora de mudar nosso foco para o objetivo final de qualquer negócio: conversões.

Por meio de observação e análise minuciosas, nossa equipe de SEO reconheceu que nosso conteúdo educacional de topo de funil, que nos serviu bem por anos, não era mais suficiente para a nova tarefa de gerar mais conversões.

Reconhecemos, como muitas outras empresas de SaaS B2B, a necessidade de otimizar todo o nosso site, especialmente nossas landing pages para obter melhores resultados.

Aqui está um resumo de como aprimoramos nossas landing pages (em nosso blog em inglês) para aumentar nossas conversões orgânicas mensais.

SEO Focado no Tráfego x SEO Focado na Conversão

O Search Engine Optimization é frequentemente comparado ao gateway de um site, servindo como uma vitrine em vez de um vendedor. Essa analogia contem alguma verdade, mas não representa todo o potencial do SEO.

Embora a conversão seja uma métrica geralmente associada a estratégias de crescimento em vez de SEO, este último também pode fazer mais do que apenas direcionar os consumidores para a página inicial ou blog.

Pode ser um desperdício aumentar o tráfego sem se importar com o que acontece depois, sendo que o SEO tem o potencial de conduzir os usuários por todas as conversões do funil.

Então, para decidir se foca no tráfego ou nas conversões, todo estrategista de SEO deve se perguntar: os usuários estão progredindo em direção aos objetivos pretendidos? A empresa está se beneficiando das suas ações?

Adquirindo visitantes com SEO Focado no Tráfego

As técnicas de SEO on-page e off-page mais populares e amplamente discutidas na web são geralmente focadas no tráfego. Trata-se de criar conteúdo informativo com alto volume de pesquisa ou palavras-chave de alta dificuldade de ranqueamento para atingir um público mais amplo.

É uma escolha sensata: toda empresa precisa que as pessoas visitem o site antes mesmo de pensar em transformá-las em clientes.

Temos usado essa estratégia na Rock Content há anos e ela tem produzido resultados notáveis.

No início de 2010, nosso conteúdo não apenas desempenhou um papel crucial na disseminação dos princípios de Marketing de Conteúdo fora dos mercados norte-americano e europeu, mas também estabeleceu nossa marca como uma das principais especialistas no assunto.

Nosso material é regularmente citado em toda a web, nossas certificações de academia on-line são altamente valorizadas no mundo corporativo e nossos sites atraem consistentemente centenas de milhares de usuários novos e recorrentes todos os meses.

Essa conquista foi possível graças ao nosso compromisso de publicar regularmente conteúdo educacional de alta qualidade, mantendo-nos à frente das tendências do setor e promovendo relacionamentos fortes com outras marcas.

Não apenas melhoramos a visibilidade de nosso conteúdo, mas também aprimoramos nosso ranqueamento nas SERPs.

Mas à medida que nosso negócio crescia, aumentava também a necessidade de um público mais maduro e qualificado. Foi quando percebemos que uma abordagem de SEO mais focada na conversão precisava entrar.

Nutrindo e conduzindo visitantes com SEO focado em conversão

Uma estratégia de SEO focada na conversão, em oposição a uma estratégia de SEO focada no tráfego, enfatiza a otimização do site para incentivar os usuários a realizar uma ação específica, como concluir uma compra, enviar um formulário de contato ou assinar uma newsletter.

O objetivo é maximizar a taxa de conversão criando uma experiência de usuário perfeita e fornecendo conteúdo persuasivo que orienta os visitantes para as ações desejadas.

No topo do funil, o SEO focado em conversão foca em atrair tráfego qualificado. Isso envolve segmentar palavras-chave que indicam alta intenção de compra ou se alinham a segmentos específicos de público-alvo.

Ao adaptar o conteúdo para atender às necessidades e dores desses clientes em potencial, os sites podem atrair visitantes com maior probabilidade de conversão.

À medida que os visitantes progridem no funil, o foco muda para a otimização das landing pages e das jornadas do usuário para facilitar as conversões.

Isso envolve simplificar o caminho de conversão, implementar elementos persuasivos de call-to-action e fornecer provas sociais para construir e aumentar a credibilidade e a confiança.

Considerando nossa história e novos objetivos, nossa equipe de SEO decidiu embarcar em uma busca experimental para aumentar ainda mais nosso potencial de conversão organicamente.

Promovendo conteúdo de fundo de funil por meio de landing pages

Já estávamos trabalhando com a equipe de CRO para incluir estrategicamente CTAs e banners escritos em peças mais antigas e estratégicas, além de colocar palavras-chave de fundo de funil em nosso calendário editorial.

No entanto, entendemos que precisávamos dar um passo além e trabalhar todo o nosso site, não apenas o blog, e transformá-lo em uma máquina de conversão orgânica.

Conduzimos extensa pesquisa e exercícios de benchmarking, analisando meticulosamente concorrentes do setor.

Logo ficou óbvio que o curso de ação mais promissor a seguir era otimizar nossas landing pages atuais e desenvolver novas para obter ranqueamentos mais altos nas SERPs e melhorar a progressão do usuário no funil de conversão.

Foi quando nosso projeto “Páginas do site BOFU” começou. Esta iniciativa foi realizada em nosso blog em inglês.

Roteiro do projeto

Com essa iniciativa, buscamos aumentar a visibilidade e o impacto de nossas landing pages, aproveitando seu potencial para aumentar as conversões para os testes gratuitos de nossos produtos.

Iniciamos o projeto localizando e otimizando as landing pages existentes que são relevantes para SEO e conversões de clientes. Embora também reconhecêssemos as páginas focadas em freelancers, as consideramos uma prioridade mais baixa por enquanto.

Para isso, dividimos em três etapas principais:

  1. Mapeamento e categorização: a etapa inicial envolveu o mapeamento de todas as nossas landing pages existentes e novas páginas em potencial e a categorização com base em sua relevância e prioridade.
  2. Criação de conteúdo: com as páginas categorizadas, passamos a avaliar as necessidades de otimização de cada uma. Este processo de avaliação nos permitiu identificar áreas de melhoria, desenvolver um plano para melhorar o seu desempenho e otimizar ou criar as páginas de forma eficaz.
  3. Rastreamento e análise: A ação final se concentrou na implementação de mecanismos de rastreamento eficazes para monitorar de perto as taxas de conversão das landing pages otimizadas, captar dados relevantes e analisar os resultados.

Vamos nos aprofundar em cada uma dessas etapas e entender como navegamos por esse projeto.

Mapeamento e categorização de landing pages

Para começar, precisávamos de uma compreensão abrangente de nosso ecossistema de landing pages.

Além do nosso site principal, temos muitos mini-sites para nossos produtos, serviços e recursos, que também requerem inspeção e avaliação.

Veja como lidamos com essa tarefa:

1. Exame completo das landing pages existentes

Realizamos um exame meticuloso de cada landing page em nosso domínio digital.

Reservamos um tempo para examinar cuidadosamente cada página, tentando entender sua estrutura e propósito. Analisamos coisas como o layout do conteúdo, como as pessoas podiam navegar pela página e quais ações queríamos que elas realizassem.

Aqui está o que consideramos ao avaliar as páginas:

  • Finalidade e relevância;
  • Desempenho (tráfego, posição na SERP e taxa de conversão);
  • Intenção de pesquisa para palavras-chave principais;
  • Estrutura de links internos;
  • Layout e UX;
  • Core Web Vitais;
  • Tags críticas (noindex e canonical).

2. Pesquisa e benchmark para novas landing pages

Depois de concluir nosso mapeamento inicial das landing pages existentes, adquirimos conhecimento de nossas lacunas de conteúdo e identificamos oportunidades para a criação de novas páginas.

Ao examinar de perto as estratégias de nossos concorrentes, aprendemos sobre as palavras-chave e o conteúdo mais eficazes nos quais devíamos nos concentrar. Esse benchmarking serviu de inspiração e direção para nossas novas landing pages, nos permitindo estruturar as informações de uma forma que ressoasse com nosso público-alvo.

Realizamos uma pesquisa aprofundada de palavras-chave para otimizar nossas landing pages para os mecanismos de pesquisa e atrair tráfego qualificado. Conseguimos entender melhor a intenção de pesquisa e descobrimos dores e demandas exclusivas de nossas personas utilizando ferramentas como Answer The Public e SemRush.

Com os resultados da nossa pesquisa, fomos capazes de identificar segmentos de mercado inexplorados e necessidades emergentes dos clientes. Nosso objetivo era adaptar o conteúdo da nossa landing page para atender a essas preocupações, direcionando os visitantes para a conversão.

3. Classificação e Priorização

Com a pesquisa feita e os dados em mãos, precisávamos selecionar e alocar recursos com eficiência para garantir que nossos esforços fossem direcionados para as oportunidades mais promissoras.

Para isso, estabelecemos uma estrutura de classificação que engloba vários parâmetros para organizar, categorizar e priorizar as landing pages de maneira eficaz:

Usamos os seguintes critérios para classificar as páginas:

  • Tipo de página (produto, serviço, recursos, formulário, marca);
  • Público-alvo;
  • Estágio de funil;
  • Relevante para SEO vs. relevante para a marca.

Ao considerar fatores como seu alinhamento com os objetivos de SEO e seu impacto nas conversões de clientes, conseguimos identificar quais páginas tinham maior potencial e mereciam atenção imediata.

Para decidir quais páginas precisávamos abordar primeiro, consideramos o seguinte:

  • Desempenho Atual;
  • Potencial de conversão;
  • Potencial de tráfego;
  • Potencial de ranqueamento;
  • Relevância estratégica;
  • Prioridades das partes interessadas;
  • Análise da concorrência;
  • Recursos e cronograma;

Criação e otimização de landing pages

Com a avaliação de nossas páginas em mãos, era hora de passar para a etapa de otimização de nossas landing pages existentes e criação de novas.

A criação de uma estratégia de conteúdo detalhada, a preparação da estrutura e do design da página, a otimização para mecanismos de pesquisa e a experiência do usuário e a integração do rastreamento analítico para uma medição de desempenho confiável fizeram parte do processo.

Desenvolvimento de estratégia de conteúdo e copywriting

Desenhamos meticulosamente uma estratégia de conteúdo voltada para os objetivos individuais de cada landing page, público-alvo e palavras-chave para garantir seu sucesso.

Nosso objetivo era desenvolver um conteúdo cativante que conectasse e levasse os visitantes a agir, fazendo com que nossa mensagem atendesse às necessidades de nosso público.

Enquanto isso, também queríamos que o conteúdo fosse otimizado para mecanismos de pesquisa e tivesse um ranqueamento alto nas SERPs.

Por exemplo, considere a seguinte landing page que construímos do zero.

Aprendemos que a palavra-chave “blog writing service” tinha o potencial de cumprir com eficiência todos os nossos objetivos, gerando tráfego qualificado e aumentando as conversões.

Ele também está bem alinhado com algumas de nossas personas (ou seja, agências de marketing, analistas de marketing de conteúdo e pequenas empresas) e retrata objetivamente um de nossos serviços mais vendidos.

Ao longo de toda a página, o texto aumenta a conscientização sobre possíveis problemas que esses serviços podem resolver ou metas que podem ajudar as pessoas a alcançar. Ele fala sobre aumentar o tráfego, produzir conteúdo de alta qualidade mais rapidamente, trabalhar com redatores profissionais e assim por diante.

Apresentamos um problema e sua solução de mais de uma maneira ao longo da página.

Estrutura e design da página de planejamento

Uma estrutura de página amigável e esteticamente atraente é tão essencial quanto um copy cativante para uma experiência de usuário positiva e uma boa conversão.

Ao organizar o conteúdo estrategicamente e criar um design esteticamente agradável, pretendemos envolver os visitantes e orientá-los para as metas de conversão desejadas.

Já tínhamos um modelo de layout para landing pages que decidimos reutilizar para a maioria das novas páginas que criamos durante este projeto. Com novas imagens envolventes e alguns ajustes, conseguimos encaixar o design na proposta da página.

Isso também ajudou a acelerar os fluxos de trabalho de produção e otimização, pois não dependíamos de um desenvolvedor web para nos ajudar a implementar alterações e criar novas páginas.

Usando a mesma “blog writing page” como exemplo, criamos uma seção de FAQ diferente das outras páginas.

Esta parte foi inspirada por alguns dos sites que comparamos anteriormente e optamos por incorporá-la, pois permite que o usuário tome uma decisão mais rápida e informada de aceitar o CTA, que neste caso é a avaliação gratuita do WriterAccess.

Avançando: Monitorando o Desempenho e Analisando os Resultados

As páginas agora estão publicadas, mas não há SEO sem análise. O rastreamento preciso do desempenho das páginas é fundamental para avaliar a eficácia das landing pages e tomar decisões baseadas em dados.

Os KPIs e métricas variam de acordo com os objetivos pré-determinados para as landing pages, mas, no nosso caso, ficamos de olho em:

  • Visualizações de página: o volume de tráfego que a página está gerando.
  • Origem do tráfego: de onde vêm os usuários. Com as tags UTM, você pode rastrear se seu tráfego vem de pesquisa orgânica, referência ou email marketing, por exemplo.
  • Taxa de conversão: o número de vezes que o CTA da página está sendo seguido. Se você tiver mais de uma etapa no funil de conversão como nós, é importante determinar qual etapa será contabilizada como conversão. Para efeito de comparação, os principais sites têm uma taxa de conversão de 11%.
  • Taxa de rejeição: o número de visitantes que saem do site depois de ver apenas uma página. Esse KPI é interessante para refletir se a página está correspondendo com precisão à intenção de busca de suas palavras-chave, se está gerando curiosidade ou se faltam informações para uma tomada de decisão mais rápida.
  • Heatmap: este não é essencial, mas definitivamente útil. Saber onde seus usuários estão clicando oferece insights valiosos para otimização adicional.

Existem muitas ferramentas robustas que podem ajudá-lo a monitorar as principais métricas. Aqui, usamos o Google Analytics para rastrear o tráfego, o SemRush e o Google Search Console para monitorar o ranqueamento de páginas e palavras-chave nas SERPs e o Hubspot para entender melhor nossas metas de conversão.

A partir de agora, temos que incluir as novas páginas em nossos fluxos de trabalho de links internos e garantir que não haja links quebrados provenientes das antigas páginas otimizadas. Também aumentaremos nossos esforços de divulgação para obter backlinks para essas páginas e melhorar as apostas para colocá-las no topo das SERPs.

É fato que o trabalho nunca está realmente feito quando se trata de SEO, mas agora é hora de deixá-lo fazer sua mágica enquanto monitoramos de perto o desempenho de cada página.

Quer continuar atualizado com as melhores práticas de Marketing? Então se inscreva na The Beat, a newsletter interativa da Rock Content. Nós cobrimos todas as tendências que importam no cenário do Marketing Digital. Vejo você lá!

Como a RivalMind aumentou sua produção de conteúdo em 67% com WriterAccess

A RivalMind foi lançada em 2010 como uma agência de Marketing Digital full-service e oferece uma ampla gama de serviços de marketing para pequenas e médias empresas em vários setores especializados. Do desenvolvimento e design do site ao SEO, mídia paga e mídia social, o site da RivalMind afirma: “existimos para ajudar empresas a prosperar”.

Um componente importante das ofertas da RivalMind gira em torno do SEO e da criação de conteúdo, com estratégias de marketing que exigem postagens de blog, artigos detalhados e outros conteúdos de qualidade. Para ajudar a atender às necessidades de criação de conteúdo de seus clientes, a RivalMind começou a trabalhar com WriterAccess em 2017.

Recentemente, tivemos a oportunidade de falar com Harley Helmer, Head de Estratégia de Marketing de Pesquisa da RivalMind, para saber mais sobre a experiência da empresa trabalhando com WriterAccess e os resultados que eles viram até agora.

[embedded content]

O desafio: criar conteúdo especializado e de qualidade para várias indústrias

Harley explica que antes de descobrir a WriterAccess, a criação de conteúdo na RivalMind era um grande desafio. Inicialmente, a empresa tinha uma equipe interna de redatores e editores. Redatores altamente talentosos e qualificados que se especializaram em tópicos que vão desde a medicina até a mecânica e manufatura.

O problema, explica Harley, é que a RivalMind fornece conteúdo para clientes em uma ampla gama de setores, portanto, encontrar redatores que tivessem o grau especializado de conhecimento do setor necessário para cada cliente tornou-se um desafio. Como resultado, era muito difícil, para os escritores internos, manter a qualidade do conteúdo que os clientes precisavam e esperavam.

A partir daí, a RivalMind procurou alguns outros parceiros de redação, mas descobriu que ainda era difícil fazer com que esses redatores entendessem profundamente o negócio de cada cliente.

A Solução: Serviços Gerenciados da WriterAccess

Em 2017, a RivalMind decidiu experimentar a plataforma WriterAccess da Rock Content para atender às suas necessidades de conteúdo.

Ao trabalhar com a WriterAccess, Harley explica que a RivalMind foi capaz de encontrar os redatores especializados necessários para os requisitos exclusivos da indústria e do conteúdo de cada cliente.

Com acesso a mais de 15.000 redatores diversos e avaliados na plataforma, a RivalMind descobriu que poderia facilmente construir uma equipe de freelancers remotos para atender às suas necessidades de conteúdo sem sacrificar a qualidade.

Em março de 2022, RivalMind deu um passo adiante ao se tornar um cliente de Serviços de Gestão com WriterAccess.

Especificamente, os Serviços de Gestão fornecem aos clientes um Gerente de Conta Dedicado que pode lidar com tudo, desde a configuração de modelos de pedido até o gerenciamento do fluxo de trabalho e a localização dos melhores profissionais para cada projeto individual.

Com relação aos Serviços de Gestão com WriterAccess, Harley explica: “Uma das melhores coisas é a capacidade de meu gerente de conteúdo apresentar opções ao nosso gerente de contas WriterAccess, para que possamos encontrar redatores para os nichos de nossos clientes e realizar chamadas de recrutamento”.

Isso possibilitou que a RivalMind encontrasse redatores com experiência valiosa em vários setores, incluindo:

  • Manufatura;
  • Embalagem de alimentos;
  • Serviços financeiros.

No passado, isso era difícil de fazer por causa das nuances legais e de conformidade que geralmente envolvem a redação desse tipo de conteúdo (e o controle de qualidade necessário para garantir que o conteúdo seja feito seguindo as boas práticas).

Com os serviços gerenciados da WriterAccess, a RivalMind conseguiu estabelecer conjuntos de regras, criar pautas e configurar um processo de revisão confiável para garantir que as particularidades e expectativas de cada cliente fossem atendidas.

Como resultado, a RivalMind é capaz de fornecer consistentemente conteúdo especializado de qualidade para seus clientes sem perder um prazo.

Os resultados: um aumento de 67% na produção de conteúdo (com mais crescimento por vir)

Harley explica que o volume, a variedade e a flexibilidade dos redatores na WriterAccess foram extremamente úteis para atender às expectativas de seus clientes.

Como uma agência de marketing de pequeno a médio porte que escreve entre 80.000 e 100.000 palavras por mês, a RivalMind pode confiar na WriterAccess para garantir conteúdo de qualidade e manter sua criação de conteúdo no caminho certo.

Enquanto isso, Harley e o restante da equipe RivalMind sabem que sempre podem entrar em contato com seu gerente de conta dedicado para qualquer coisa que precisem.

Desde que trabalha com a WriterAccess, a RivalMind conseguiu escalar sua criação de conteúdo de maneiras que simplesmente não eram possíveis com sua equipe interna de redatores.

em 2023, eles passaram de 60.000 para 90.000 palavras por mês em média (um crescimento de 67% na produção de conteúdo). Até o final do ano, a projeção é atingir entre 100.000 e 200.000 palavras por mês.

Estamos confiantes na capacidade da WriterAccess de nos permitir aumentar o volume e manter a qualidade de que precisamos. Temos uma meta de crescimento agressiva e adoraríamos ser uma das maiores contas da WriterAccess um dia”, diz Harley. “Tem sido ótimo. Estamos usando os Serviços de Gestão há cerca de um ano e sempre atendeu às nossas necessidades.

Pronto para experimentar a WriterAccess?

A RivalMind é apenas uma das muitas empresas que confiam na WriterAccess para criar conteúdo de qualidade em uma ampla gama de setores.

Com mais de 15.000 freelancers em nossa plataforma, temos redatores especializados em todos os setores. Saiba mais sobre tudo o que a WriterAccess pode fazer por você experimentando gratuitamente ou entrando em contato diretamente com nossa equipe!

Interaction to Next Paint (INP): Google define prazo para marcas otimizarem seus sites

Lá vem o Google causar frio na barriga do profissional de SEO mais uma vez! Agora a novidade é o Interaction to Next Paint (INP) que irá substituir o First Input Delay (FID) no relatório de Core Web Vitals do Search Console.

Mas calma que dessa vez não teremos correria, pois o Google deu um bom prazo para você executar as otimizações no seu site: março de 2024.

A empresa já vinha experimentando essa métrica de experiência do usuário desde dezembro de 2022. E em maio deste ano confirmou-se que a métrica deixará de ser um teste para finalmente incorporar o relatório de Core Web Vitals em março de 2024.

Bom, quero dar um passo atrás para todo mundo ficar no mesmo nível, ok? Então primeiro vou trazer uma breve descrição do que são essas métricas, o conceito do INP e depois eu mostro como profissionais de SEO e marcas podem otimizar os seus sites para essa mudança.

O que é Interaction to Next Paint?

Interaction to Next Paint (INP) é uma métrica que compõe o relatório de Core Web Vitals do Google Search Console para avaliação da experiência do usuário em uma página. O INP mede o tempo entre uma interação e outra que o usuário fez na página e indicará a interação mais longa.

Nas palavras do Google, “o INP observa a latência de todas as interações que um usuário fez com a página e relata um único valor que todas (ou quase todas) as interações estavam abaixo. Um INP baixo significa que a página foi consistentemente capaz de responder rapidamente a todas – ou à grande maioria – das interações do usuário.

E quais são os valores de INP que o Google considera bom ou ruim?

  • Bom: abaixo de 200 milissegundos
  • Precisa melhoria: entre 200 e 500 milisegundos
  • Ruim: acima de 500 milissegundos

Segundo o Google, “para garantir que você atinja essa meta para a maioria de seus usuários, um bom limite para medir é o 75º percentil de carregamentos de página, segmentado em dispositivos móveis e computadores.

Respeitando essa baliza de milissegundos, o Google considera que você está entregando uma boa experiência ao usuário. Logo, a sua página ganha pontos também no ranqueamento das buscas, viu?

E nesse ponto você já deve ter entendido o que é o Core Web Vitals, certo? Esse é um relatório do Google que profissionais de SEO e desenvolvedores web conseguem acompanhar através do Google Search Console.

É uma ótima ferramenta para você entregar uma boa experiência ao usuário do seu site ou blog. Que por sua vez favorece o bom ranqueamento nas buscas do Google.

Existem mais, mas são três as principais métricas vitais:

  • Largest Contentful Paint (LCP) que mede o desempenho do carregamento ao analisar o carregamento da página.
  • First Input Delay (FID) que mede a interatividade através do atraso da primeira entrada.
  • Cumulative Layout Shift (CLS) que mede a estabilidade visual da página através da maior explosão de ocorrências de mudança de layout.

Os valores que o Google considera ideais para cada uma dessas métricas estão ilustrados na imagem abaixo.

Só antes de partir para a próxima seção, achei interessante explicar aqui o “paint” dessas métricas todas.

Fun fact! “Paint” não se refere a uma pintura literal, mas sim ao processo de renderização de elementos visuais na página. Uma tradução mais adequada para “paint” no contexto do LCP ou do INP seria “renderização” ou “desenho” dos elementos visuais na página.

Assim sendo, temos que o INP em português seria melhor traduzido para “Interação para a Próxima Renderização”.

Substituição: entra INP, sai FID

Para explicar o motivo da mudança, nada mais justo que dar voz ao time do Google Chrome. 

“Embora tenha melhorado a maneira como medimos a capacidade de resposta, o FID tinha limitações. O próprio nome revela duas dessas limitações: “primeira entrada” e “atraso”. O FID relata apenas a capacidade de resposta da primeira vez que um usuário interage com a página. Embora as primeiras impressões sejam importantes, a primeira interação não é necessariamente representativa de todas as interações ao longo da vida de uma página. Além disso, o FID mede apenas a parte do atraso de entrada da primeira interação, que é a quantidade de tempo que o navegador teve que esperar (devido à ocupação do thread principal) antes mesmo de começar a lidar com a interação.”

Rick Viscomi, Engenheiro DevRel do Google

Entendeu o avanço aqui? Se hoje é possível dizer que o seu site é ótimo em termos de UX através do FID, amanhã será ainda mais preciso com o INP. Afinal, estamos expandindo a mensuração para todas as interações. Justo, não é?

Agora o Google vai nos forçar a garantir interações boas em todos os momentos e isso é ótimo! Então tira o bico da cara e vem comigo entender como otimizar o seu site até março de 2024.

Otimize para o INP!

Segundo o Google, essas são as boas práticas para você otimizar o seu site para INP:

  • Encontrar interações lentas em ambiente de teste
  • Diagnosticar interações lentas em ambiente de teste
  • Identificar e reduzir o atraso de entrada
  • Otimizar retornos de chamada de eventos
  • Minimizar o atraso da apresentação

Para cada uma dessas otimizações, o Google já produziu artigos para ajudar você a otimizar o seu site. Você encontra esse compilado no blog para desenvolvedores do Google Chrome.

E se você não possui conhecimento sobre o assunto ou não possui expertise dentro da sua empresa, aconselho investir em SEO técnico, porque a sua concorrência vai. Afinal, a questão aqui é manter ou aumentar o tráfego para o seu site e entregar uma boa experiência para o seu usuário.

Os profissionais que você vai precisar para colocar essas boas práticas em ação são desenvolvedores web, analistas de SEO técnico e gestor de projetos. Indico que você monte um plano de ação para aplicar as melhorias ao seu site e coloque fevereiro de 2024 como prazo de entrega.

Nós sabemos que em um mundo ideal, oito meses é tempo suficiente para reunir o orçamento e conhecimento e colocar mãos à obra. Mas não se deixe enganar! Se o seu planejamento não começar desde já, você pode pagar caro lá em março (e com tráfego orgânico).

Espero que eu tenha conseguido esclarecer as principais dúvidas sobre Core Web Vitals, Interaction to Next Paint e a mudança que vêm por aí.

Quer continuar atualizado com as melhores práticas de Marketing? Então se inscreva na The Beat, a newsletter interativa da Rock Content. Nós cobrimos todas as tendências que importam no cenário do Marketing Digital. Vejo você lá!

Para evitar vazamentos de dados, Big Techs restringem uso de chatbots de IA por funcionários

O tempo está passando enquanto governos e comunidades de tecnologia em todo o mundo discutem políticas de IA. A principal preocupação é garantir a segurança da humanidade contra a desinformação e todos os riscos associados a ela.

E essa questão está se intensificando agora que a privacidade dos dados entrou em jogo. Você já parou para pensar nos riscos de compartilhar suas informações usando o ChatGPT, Bard ou outros chatbots de IA?

Caso ainda não tenha feito isso, pode ser que você não saiba que as gigantes da tecnologia estão tomando medidas sérias para evitar vazamentos de informações.

No início de maio, a Samsung notificou sua equipe sobre uma nova política interna que restringe o uso de ferramentas de IA em dispositivos conectados às suas redes. Isso aconteceu depois que ocorreu um vazamento acidental de dados confidenciais para o ChatGPT.

A empresa está revisando medidas para criar um ambiente seguro para usar a IA generativa com segurança para aumentar a produtividade e a eficiência dos funcionários”, disse um porta-voz da Samsung ao TechCrunch. Eles também mencionaram que restringirão temporariamente o uso da IA generativa em dispositivos da empresa até que medidas de segurança estejam implementadas.

Outra gigante que adotou ação semelhante foi a Apple. Segundo o WSJ, a rival da Samsung também está preocupada com o vazamento de dados confidenciais. As restrições incluem o ChatGPT e algumas ferramentas de IA usadas para programação. Isso deve estar em rigor enquanto eles desenvolvem tecnologias semelhantes.

No início deste ano, um advogado da Amazon instruiu os funcionários a não compartilharem nenhuma informação ou código com chatbots de IA, depois que a empresa descobriu respostas do ChatGPT que eram semelhantes aos dados internos da Amazon.

Além das gigantes de tecnologia, até mesmo bancos como Bank of America e Deutsche Bank implementaram medidas restritivas internas para evitar vazamentos de informações financeiras.

E a lista continua crescendo. Até o Google também aderiu a essas restrições!

Até você, Google?

De acordo com fontes anônimas da Reuters, na semana passada, a Alphabet Inc. (empresa controladora do Google) aconselhou seus funcionários a não inserirem informações confidenciais nos chatbots de IA, incluindo ironicamente o Bard, que foi lançado nos EUA em março e está em processo de implantação em outros 180 países e 40 idiomas.

Essa decisão do Google ocorreu após pesquisadores descobrirem que os chatbots podem reproduzir os dados inseridos por meio de milhões de exemplos, tornando-os disponíveis para revisores humanos. A Alphabet alertou seus engenheiros para evitar a inserção de código nos chatbots, pois a IA pode reproduzi-los, o que poderia resultar em vazamento de dados confidenciais de tecnologia, inclusive em benefício do seu concorrente de IA, o ChatGPT.

O Google confirmou sua intenção de ser transparente sobre as limitações de sua tecnologia e atualizou sua política de privacidade, solicitando aos usuários que “evitem incluir informações confidenciais ou sensíveis em suas conversas com o Bard”.

Mais de 100 mil contas do ChatGPT na dark web

Outro aspecto que pode resultar na exposição de dados sensíveis é o fato de que os chatbots de IA estão se tornando cada vez mais populares, e profissionais ao redor do mundo estão adotando essas ferramentas para otimizar suas rotinas, na maioria das vezes, sem qualquer cuidado ou supervisão.

Ontem, o Group-IB, uma empresa líder global em soluções de segurança cibernética de Cingapura, divulgou que descobriu mais de 100 mil contas vazadas do ChatGPT com credenciais armazenadas em registros de roubo de informações para serem negociadas nos mercados ilegais da dark web desde o ano passado. Eles ressaltaram que, por padrão, o ChatGPT armazena o histórico de consultas e respostas da IA, e a falta de cuidados essenciais está expondo várias empresas e seus funcionários a riscos.

Governos pressionam por regulamentações

Não são apenas as empresas que estão preocupadas com o vazamento de informações por meio da IA. Em março, depois de identificar uma violação de dados na OpenAI que permitia aos usuários visualizar os títulos das conversas de outros usuários com o ChatGPT, a Itália ordenou que a OpenAI interrompesse o processamento dos dados dos usuários italianos.

O bug foi confirmado pela OpenAI em março. Sam Altman, em sua conta no Twitter na época, declarou: “Tivemos um problema significativo no ChatGPT devido a um bug em uma biblioteca de código aberto, para o qual já foi lançada uma correção e acabamos de validar. Uma pequena porcentagem de usuários conseguiu ver os títulos do histórico de conversas de outros usuários. Estamos realmente chateados com isso.” 

O Reino Unido também publicou um white paper sobre IA em seu site oficial, com o objetivo de impulsionar a inovação responsável e a confiança do público. O documento considera estes princípios:

  • segurança, proteção e robustez;
  • transparência e explicabilidade;
  • justiça; prestação de contas e governança;
  • e contestabilidade e reparação.

Conforme a IA se torna cada vez mais presente em nossas vidas, é natural surgirem novas preocupações, principalmente devido à velocidade com que ela avança. Medidas de segurança tornam-se necessárias, enquanto os desenvolvedores trabalham para reduzir os riscos sem comprometer o progresso dessa tecnologia, que já reconhecemos como um grande avanço para o futuro.

Quer continuar atualizado com as melhores práticas de Marketing? Então se inscreva na The Beat, a newsletter interativa da Rock Content. Nós cobrimos todas as tendências que importam no cenário do Marketing Digital. Vejo você lá!

Os riscos de IAs enviesadas – e como evitá-los

Já estamos acostumados com as mudanças constantes do mercado digital. Mas, nos últimos meses, as evoluções da Inteligência Artificial (IA) e seus impactos na rotina de quem trabalha online têm tirado o sono de muitos profissionais de marketing e criadores de conteúdo.

Um dos motivos dessa preocupação é que, embora os sistemas de IA tenham se tornado parte integrante de nossas vidas diárias e transformado a maneira como as pessoas interagem com a tecnologia, eles são suscetíveis a vieses que podem levar a consequências não intencionais — como em qualquer criação humana.

Em um relatório recente da HubSpot, profissionais de marketing, vendas e atendimento ao cliente expressaram hesitação em utilizar ferramentas de IA considerando a possibilidade de produzir informações enviesadas.

Mas não me interpretem mal: não estou dizendo que o uso de aprendizado de máquina (machine learning) é prejudicial para esses profissionais. O que quero enfatizar é a importância de contar com uma supervisão humana e integrações corretas para evitar informações erradas e tendenciosas na produção de conteúdo.

Por isso, neste artigo, busco aprofundar o conceito de viés de IA, explorar exemplos reais enviesados em sistemas de IA e discutir estratégias para profissionais de marketing e criadores de conteúdo que visem mitigar possíveis danos causados pelo uso da Inteligência Artificial. Mas antes, vamos entender o conceito: o que é o viés da IA?

O que é o viés da IA?

Se pesquisarmos “viés” no dicionário, temos a seguinte definição: “distorção ou tortuosidade na maneira de observar, de julgar ou de agir”. Assim, podemos dizer que o viés da IA se refere a uma discriminação sistemática e possivelmente injusta nos resultados fornecidos pela Inteligência Artificial sobre determinado tópico, a partir de um julgamento ou favoritismo.

Esses vieses podem surgir de várias fontes, incluindo dados tendenciosos, algoritmos defeituosos ou uma implementação inadequada da tecnologia. Isso acontece porque os sistemas de IA são programados para aprender com os dados existentes disponíveis online, tomando decisões com base em padrões e correlações nesses dados.

Dessa forma, se os dados usados no aprendizado de máquina são tendenciosos ou contêm preconceitos sociais inerentes, o sistema de IA pode inadvertidamente replicar e até mesmo ampliar esses vieses ao tomar decisões.

Como a IA pode apresentar vieses?

Pesquisas e investigações nos trazem elementos para entender a presença de vieses na IA e o seu impacto. Por exemplo, um novo artigo do MIT e da Universidade de Stanford descobriu que os sistemas de reconhecimento facial de empresas de tecnologia renomadas apresentavam taxas de erro mais altas para mulheres e pessoas com tons de pele mais escuros.

Os experimentos revelaram que as taxas de erro na determinação do gênero de homens de pele clara ficaram consistentemente abaixo de 0,8%, enquanto para mulheres de pele mais escura, as taxas de erro foram significativamente maiores, ultrapassando os 20% em um caso e os 34% em dois outros casos.

Devido à tendência de identificar erroneamente esses indivíduos com mais frequência, os sistemas de Inteligência Artificial podem levar a potenciais discriminações em âmbitos como aplicação da lei e processos de contratação.

Isso se torna ainda mais crítico se considerarmos que, em muitas situações, essas técnicas são utilizadas para identificar possíveis criminosos e procurados pela justiça.

As descobertas do estudo também levantam preocupações sobre o treinamento da máquina e a avaliação das redes neurais usadas nesses programas. Assim, os resultados da pesquisa destacam a importância de examinar vieses em sistemas de análise facial, sugerindo também uma investigação mais aprofundada sobre possíveis disparidades em outras aplicações de IA.

Outro exemplo é o uso da Inteligência Artificial na análise de crédito para empréstimos. Os algoritmos de aprovação de empréstimos, também conhecidos como algoritmos de pontuação de crédito, são frequentemente usados por instituições financeiras para avaliar a credibilidade dos solicitantes de empréstimos.

Assim, se o algoritmo atribuir pontuações de risco mais altas com base em fatores associados a grupos minoritários, os indivíduos dessas comunidades podem ter dificuldade em conseguir empréstimos ou obter condições desfavoráveis. Ou seja, mais uma vez, teríamos a perpetuação das desigualdades sistêmicas, gerando limitações nas oportunidades econômicas.

Sobre esse tema, Aracely Panameño, diretora de assuntos latinos do Centro de Crédito Responsável, explica que “a qualidade dos dados que você está colocando no algoritmo de aplicação é crucial. […] Se os dados que você está inserindo são baseados em discriminação histórica, então você está basicamente consolidando a discriminação na outra ponta”.

Já quando se trata de algoritmos de busca de empregos, a preocupação é que vieses possam levar a vantagens ou desvantagens injustas para determinados grupos de candidatos.

Outro levantamento revelou que o algoritmo de busca de empregos do Google exibia viés de gênero, favorecendo cargos executivos com salários mais altos nos resultados de pesquisa para candidatos do sexo masculino.

Fica evidente que, se um algoritmo de pesquisa de empregos classifica de forma consistente cargos executivos com salários mais altos para candidatos predominantemente do sexo masculino, isso pode perpetuar as desigualdades de gênero existentes no mercado de trabalho.

Como mitigar o risco de IAs enviesadas?

A Inteligência Artificial já é uma realidade no dia a dia dos profissionais de marketing e criadores de conteúdo, e abrir mão dessa tecnologia não é uma boa decisão. Dessa forma, alguns cuidados são importantes na hora de usar a IA, para mitigar o risco viés da IA.

Além de verificar sistematicamente o material disponibilizado pelo aprendizado de máquina, vale atentar aos seguintes pontos:

1. Forneça dados de treinamento diversificados e representativos: é fundamental garantir que os sistemas de IA sejam treinados com conjuntos de dados diversos e representativos para mitigar vieses, considerando populações variadas do ponto de vista demográfico, com origens e perspectivas distintas. Com essa base, ao ampliar o conjunto de dados, os modelos de IA podem aprender a tomar decisões mais justas e inclusivas.

2. Realize avaliações constantes e testes rigorosos: os sistemas de IA devem passar por verificações e testes completos, com periodicidade adequada, para identificar e corrigir possíveis vieses. Auditorias independentes podem ser realizadas para avaliar o desempenho e potenciais vieses dos modelos de IA, o que ajuda a identificar quaisquer padrões discriminatórios não intencionais e possibilita tomar medidas corretivas. Esse monitoramento deve envolver a revisão de feedback, assim como a análise de relatórios de usuários e dados de desempenho para garantir resultados justos e informações corretas.

3. Supervisão e intervenção humana: a ação humana desempenha um papel fundamental para assegurar resultados confiáveis, justos e éticos ao usar a IA. Ainda que a Inteligência Artificial possa automatizar processos e fornecer resultados eficientes, a intervenção humana proporciona as verificações e os contrapesos necessários para prevenir preconceitos, avaliar resultados e alinhar decisões aos princípios éticos.

Os seres humanos aportam compreensão do contexto, conhecimento especializado e raciocínio ético. Assim, são capazes de avaliar de forma crítica os resultados gerados pela IA, identificar e mitigar vieses, assim como intervir em cenários complexos ou recentes, em que a IA pode não ter uma boa performance. Os profissionais humanos são as peças-chave para um trabalho responsável com a Inteligência Artificial, garantindo que esses sistemas sejam projetados e usados de uma forma correta e benéfica para todas as partes, promovendo assim a confiança dos usuários.

Percebemos que IAs enviesadas representam um desafio significativo em um mundo cada vez mais digitalizado. Mas também sabemos que é possível lidar com esse cenário adotando uma abordagem multifacetada, que envolve o fornecimento de dados de treinamento diversificados, avaliações rigorosas, monitoramento contínuo, estruturas éticas e intervenção humana.

Ao implementar essas estratégias, tenho certeza de que profissionais de marketing e criadores de conteúdo podem contribuir para o desenvolvimento de sistemas de IA justos e inclusivos, mitigando possíveis danos e promovendo um futuro com mais igualdade!

Quer continuar atualizado com as melhores práticas de Marketing? Então se inscreva na The Beat, a newsletter interativa da Rock Content. Nós cobrimos todas as tendências que importam no cenário do Marketing Digital. Vejo você lá!